Bem-vindo (a) ao site do Porvir

Aqui, mapeamos, difundimos e promovemos a troca de práticas educacionais inovadoras

Boas inspirações!

fotogray71 / Fotolia.com

Inovações em Educação

Aplicativo que ajuda no dever de casa ganha versão em português

Socratic, que foi lançado em inglês no ano passado, traz explicações, ensina conceitos, mostra perguntas e respostas, vídeos e definições a partir da foto de uma questão

por Fernanda Nogueira 24 de julho de 2017

Usado por cerca de 2,5 milhões de usuários da língua inglesa desde seu lançamento em julho de 2016, o aplicativo Socratic acaba de chegar ao Brasil. O app promete tirar dúvidas dos alunos na hora de fazer o dever de casa.

Gratuito e disponível para Android e iOS, o aplicativo permite que o estudante tire uma foto de uma pergunta da lição ou escreva a questão (por enquanto apenas na versão para iOS) e instantaneamente receba explicações, conceitos mais difíceis, perguntas e respostas, vídeos e definições sobre o tema. Além de português e inglês, o app também pode ser usado em espanhol, indonésio, alemão e francês.

O serviço combina inteligência artificial e informações da internet para interpretar as questões. Tem ainda respostas elaboradas por uma comunidade de professores, estudantes e especilistas sobre todas as matérias, desde história até literatura e ciências. “Funciona melhor em matemática pelo fato de ser um tema mais universal, mas trabalhamos para expandir nossa cobertura o tempo todo”, diz Chris Pedregal, CEO e Diretor de Produto do Socratic.

A ideia da criação do serviço surgiu quando Chris trabalhava no Google. Na época, ele percebeu que os estudantes procuravam ajuda na ferramenta de busca para fazer a lição de casa, mas muitas vezes acabavam sem encontrar uma explicação realmente útil. Chris e seu colega Shreyans Bhansali decidiram, então, criar o site Socratic, onde os alunos poderiam encontrar o auxílio que procuravam na hora dos estudos.

O serviço começou como um site de perguntas e respostas, que trazia informações sobre diferentes assuntos. Essa versão já atingiu mais de 55 milhões de estudantes, segundo Chris. Cerca de dois anos atrás, a dupla decidiu criar um aplicativo ao perceber que muitos alunos ao redor do mundo estudavam sem acesso a um computador. “Eles usam o celular para encontrar informações. Quisemos criar um produto que o estudante pudesse usar onde estivesse”, explica Chris.

O aplicativo se diferencia de uma simples busca na internet ao usar a inteligência artificial para entender qual é o conceito por trás da questão, segundo Chris. Enquanto no Google os resultados da pesquisa trazem links que contém as palavras da pergunta. “Desta forma, podemos trazer ao aluno resultados mais adaptados ao exato tipo de pergunta feita”, explica o CEO.

Por exemplo, quando o estudante fotografa a seguinte pergunta: “Um balão tem um volume de 2,9 litros a 320 Kelvin. Se a temperatura for aumentada para 343 Kelvin, qual passará a ser o volume?”, o aplicativo sabe que a questão é, de fato, sobre Lei de Charles, relacionada a transformações gasosas. Com isso, apresenta uma equação e um exemplo de problema para que o aluno possa resolver a questão.

“Queremos oferecer conteúdo que irá ajudar o estudante a realmente entender o porquê por trás da pergunta. Esperamos oferecer explicações e ajuda passo a passo, que destrinchem a informação de uma forma que o estudante possa entender um conceito ou tema de forma mais ampla”, explica Chris.

O site do Socratic tem colaboradores de diferentes países, que respondem perguntas e podem interagir com os estudantes. De acordo com Chris, um dos mais conhecidos deles é um professor de física, cálculo e álgebra linear brasileiro, identificado como Gió no site. As mais de 4.700 respostas dadas pelo educador (a perguntas feitas em inglês) já foram vistas quase 700 mil vezes por estudantes de 195 países. “Nossos colaboradores podem ser pessoas de qualquer formação que queiram compartilhar seu conhecimento e seu amor pelo aprendizado”, afirma Chris.

A melhor utilização do Socratic, de acordo com o CEO, é aquela feita na hora em que o aluno está fazendo a lição de casa e trava em alguma questão ou assunto. “Como os estudantes aprendem de diferentes formas, compartilhamos diferentes tipos de resultados, como vídeos e perguntas e respostas. Esperamos que eles encontrem o conteúdo que funcione melhor para cada um deles”, diz Chris.

Para evitar que o estudante se confunda com o conteúdo encontrado, a equipe do aplicativo inclui uma profissional especializada em ensino, cujo trabalho é se certificar de que o conteúdo apresentado será útil. Ela avalia que sites serão apresentados e quais serão impulsionados. O app também pode bloquear sites confusos ou que não forem confiáveis.

O uso do aplicativo é mais indicado para estudantes na faixa etária de 12 a 18 anos, entre o sexto ano do ensino fundamental e o ensino médio, mas, de acordo com Chris, muitos alunos de ensino superior também encontram ajuda no app. Além deles, muitos pais dizem que o aplicativo tem permitido que eles auxiliem os filhos com o dever de casa.

De acordo com o CEO, alguns professores também contam que gostam que seus alunos usem o app ao mesmo tempo em sala de aula. “Estamos bastante animados com isso apesar de não ter sido nossa ideia original”, explica. O aplicativo tem tido uma boa aceitação pelo público em geral. O app está avaliado com cinco estrelas na App Store, da Apple, e conta com mais de cinco mil comentários. “Temos recebido ótimos feedbacks”, comemora Chris.

TAGS

aplicativos, negócios de impacto social, tecnologia