Bem-vindo (a) ao site do Porvir

Aqui, mapeamos, difundimos e promovemos a troca de práticas educacionais inovadoras

Boas inspirações!

Crédito: Patpitchaya / Fotolia.com

Como Inovar

Aprender a programar se torna aprender a aprender

Em artigo, professor de inglês conta como aprender programação o ajudou a entender melhor as dificuldades de seus alunos

por Gerard Dawson, do Edutopia 26 de maio de 2015

Jane é minha aluna, e ela adora histórias. Jane adora filmes, ela adora jogos de videogame com narrativas, ela adora contar histórias para os amigos e ouvir histórias lidas em voz alta. Mas Jane se esforça para escrever e ler. Ela gosta de experimentar histórias, mas carece de algumas das habilidades que fazem histórias possíveis.

Então eu conversei com outros professores e aprendi o que funciona em matemática ou história. Eu montei atribuições com Jane e as chequei com frequência. Eu usei seus interesses para encontrar livros e temas relevantes. Jane pode não ver a si mesma como uma leitora e escritora, mas eu acredito no crescimento – com as estratégias corretas e muito trabalho, ela pode melhorar.

Até recentemente, eu era como Jane, mas em relação a tecnologia. Eu usava ferramentas de tecnologia cotidianamente com pouco conhecimento de seu funcionamento. E, apesar de minhas interações com Jane, eu tinha uma explicação típica para isso: “Eu sou professor de inglês. Meu cérebro não funciona dessa maneira”. Mas o que eu realmente estava dizendo era: “Eu esqueci como ser um novato”.

Um ano atrás, porém, eu me tornei um novato, um aprendiz, um aluno com dificuldades. Eu decidi aprender como programar. Imediatamente, a experiência tornou-se menos sobre a criação de sites e mais sobre experimentar a mentalidade de crescimento, melhorando a confiança com a tecnologia, e aprendendo que o fracasso é parte do processo.

As lições
1. Peça ajuda
Aprender a programar me lembrou da necessidade de pedir ajuda. Os professores elogiam o desenvolvimento, reconhecendo os benefícios para o aprendizado do aluno. Mas quantas vezes os professores vivem essa filosofia por meio da colaboração entre as diferentes séries ou departamentos? Raramente. Os professores têm suas próprias mentalidades e são muitas vezes relutantes em pedir ajuda aos outros sobre lacunas de seu conhecimento.

Minha experiência: para aprender a programar, eu comecei do zero. Rapidamente desenvolvi uma estratégia e uma lista de recursos. Em vez de seguir um curso ou um livro, eu encontrei várias comunidades de programadores que respondiam perguntas de novatos. Eu era capaz de preencher lacunas do meu conhecimento, mas apenas pedindo ajuda.

Os recursos: Stackoverflow e Quora são comunidades para fazer perguntas e obter ajuda de outros. Se você decidir aprender programação, estes serão seus melhores amigos.

Ponto-chave: Ensinar aos alunos a visitar múltiplas fontes para preencher lacunas em seu conhecimento. Mostrar que podem chegar aos especialistas através do Twitter. Facilitar sessões de feedback entre pares, e pedir aos alunos que considerem múltiplas perspectivas sobre o seu trabalho. Pedir ajuda é difícil, mas é uma parte inestimável do processo de aprendizagem.

2. Manter a confiança com os erros
Aprender a programar me ajudou a abraçar os erros e ganhar confiança com a tecnologia.

Minha experiência: Ao aprender a programar, as coisas ficam “quebradas”. O aplicativo falha. A página da web não carrega. Não importa quanto as coisas pareçam quebradas, há quase sempre uma solução (exceto por aqueles poucos momentos em que eu joguei tudo fora e recomecei do zero).

Os recursos: Mergulhe em algo novo como uma plataforma de blogs para estudantes, tente uma discussão durante a aula, ou explore algumas das fantásticas (mas um tanto complexas para configurar) ferramentas do Google e add-ons.

Ponto-chave: O aprendizado requer um mergulho de cabeça sem medo do fracasso. Experimente uma nova ferramenta de tecnologia para resolver um problema, mesmo se você não estiver totalmente confortável em usá-lo. Peça aos alunos para o ajudarem a descobrir como usar novos aplicativos ou plataformas, e quando as coisas quebrarem, considere isso um desafio e não uma catástrofe.

3. Mantenha divertido e real
Aprender a programar lembra os professores o que torna o aprendizado divertido, desafiador e autêntico.

Minha experiência: Cada semana, eu refleti sobre três questões: O que funciona? O que não está funcionando? O que vem a seguir?

Conforme minhas habilidades em programação cresceram, meu objetivo tornou-se a criação de um aplicativo de blog para usar para estas reflexões. Eu fiquei motivado porque tinha um projeto para ser concluído.

Os recursos: Usei One Month Rails para aprender a estrutura de web Ruby on Rails porque seus cursos são baseados em projetos. Se você tem zero experiência em programação, comece com um dos cursos com base em projeto da Codecademy.

Ponto-chave: O processo de aprender a programar me lembrou da importância de fazer a escola ser autêntica. Quando os estudantes fazem algo real, eles param de se concentrar em suas incapacidades e começam a procurar respostas para suas perguntas.

Empatia e crescimento
Embora eu tenha abordado este desafio com a esperança de aprender um novo conjunto de habilidades de computador, acabei com lições sobre a aprendizagem que eu acredito que qualquer professor pode obter ao se colocar em um novo desafio e na posição de iniciante.

Faz cerca de um ano desde que eu comecei a aprender programação, e eu não estou pronto para construir o próximo Twitter. No entanto, na próxima vez que um estudante como Jane aparecer, não só eu terei um conjunto de estratégias para compartilhar, mas eu vou ser capaz de dizer: “Eu sei como você se sente, acredite em mim”.

* Texto publicado originalmente em inglês, no site Edutopia.

TAGS

experimentação, programação, tecnologia