Bem-vindo (a) ao site do Porvir

Aqui, mapeamos, difundimos e promovemos a troca de práticas educacionais inovadoras

Boas inspirações!

crédito Sergej Khackimullin / Fotolia.com

Inovações em Educação

Professor precisa abrir a cabeça, diz José Pacheco

Para educador, inovações só vão ocorrer com o apoio do governo e com o fim do ensino transmissivo

por Patrícia Gomes 22 de maio de 2012

Depois de já ter revolucionado os moldes tradicionais de ensino na Escola da Ponte, o professor português José Pacheco, hoje um estudioso da realidade brasileira, aposta na mudança de mentalidade dos professores e no apoio dos governos para haver inovação em educação. Segundo o educador, é preciso que as iniciativas isoladas que ele tem visto pelo país sejam registradas, avaliadas e incentivadas para não serem perdidas. Mais que isso: os professores devem se dispor a mudar para adotar uma postura mais descentralizada, aberta à reflexão, ao diálogo e à diversidade.

Pacheco se tornou mundialmente conhecido por revolucionar uma escola pública portuguesa, a Ponte, utilizando uma metodologia ousada: ele acabou com turmas, salas de aula, disciplinas e passou a ensinar conforme a motivação dos alunos. Lá, são os próprios estudantes que se organizam em grupos heterogêneos para estudar os assuntos que lhes interessam, são autônomos para pesquisar, apresentar os resultados para os colegas e, quando se sentem prontos, avisam que podem ser avaliados. O educador já está aposentado, mas sua proposta pedagógica continua sendo aplicada na Ponte e é replicada em vários países, inclusive no Brasil.

Entrevista com José Pachecocrédito André Avila

Como o senhor definiria inovação em educação?

Os arquivos das universidades estão repletos de teses sobre inovação. Sendo um termo de vasto espectro semântico, eu poderia escolher uma definição qualquer e escrever aqui, mas não farei. Prefiro dizer que, no campo teórico da educação, já tudo foi inventado e que as teses são meras reproduções de teorias… Na prática, aquilo que tem sido considerado inovação não tem sido avaliado e, quase sempre, tem consistido apenas em pequenas mudanças num modelo educacional hegemônico e obsoleto. Esse modelo, dito “tradicional”, aquele em que é suposto ser possível transmitir conhecimento, faliu muito tempo atrás.

Nós, brasileiros, somos um povo aberto à inovação?

Sem dúvida que a mistura genética deu origem a um povo criativo. Acompanho algumas práticas embrionárias que provam a capacidade inventiva dos professores brasileiros. São iniciativas que partem de desejos e necessidades sentidas pelos atores locais. Essas práticas (talvez inovadoras) requerem descentralização, questionamento do modelo de relação hierárquica, negociação e contrato, respeito pela diversidade. Tais projetos poderiam constituir-se em oportunidade de mudança, mas o poder criativo não encontra acolhimento junto àqueles a quem compete gerir o sistema. Urge inovar, mas como pode acontecer inovação, se quem decide não tem consciência dessa necessidade?

O que de mais inovador o senhor tem visto pelas suas viagens pelo Brasil?

Tenho visto o trabalho discreto de muitos professores. Um trabalho que talvez mereça ser considerado inovador, mas que, por não ser apoiado pelo poder público, nem avaliado, se perde, quando os professores desistem de querer mudar as escolas, quando desistem de fazer das crianças seres mais sábios e pessoas mais felizes.

Existe mais abertura hoje para projetos que desconstroem a escola tradicional, como a Escola da Ponte ou a Educação Ativa?

Existe abertura por parte de educadores atentos à tragédia educacional brasileira. Há dados que mostram que há alunos que chegam ao ensino médio analfabetos ou incapazes de fazer uma interpretação de texto.

Urge buscar uma escola do conhecimento e abandonar um ensino meramente transmissivo, fomentar a organização do acesso à informação e a aprendizagem do uso do conhecimento.

As escolas se converteram ao mundo digital, mas mantêm e reforçam práticas de ensino obsoletas, o improviso e o imediatismo das “novas” práticas faz prosperar o insucesso. Urge instituir novas e autônomas formas de organização das escolas, mas também recuperar práticas antigas, sem a tentação de clonar a escola da Ponte ou adotar modismos.

Há muitos educadores com um estatuto social degradado, mal remunerados, mas que não desistem de desconstruir o modelo tradicional, de tentar melhorar, melhorando a escola. Eles sabem que o Brasil progredirá através da educação. Mas não aquela educação de que é feita a retórica de político…

Onde estão as principais barreiras para inovar? Nas escolas, entre professores, governantes, pais ou alunos?

A mudança em educação é um processo complexo e moroso: para grandes metas, pequenos passos. Urge buscar uma escola do conhecimento e abandonar um ensino meramente transmissivo, fomentar a organização do acesso à informação e a aprendizagem do uso do conhecimento.

A mudança das instituições passa pela transformação das pessoas que as mantêm. Estabeleça-se uma práxis pautada numa ética da responsabilidade e numa relação dialógica. Que se recusem ideias feitas e se escape à síndrome do pensamento único.

A formação dos professores é deficiente. As escolas são geridas numa racionalidade administrativa e burocrática. Mas o principal obstáculo é o professor, quando assume que o ato de educar é um ato solitário, quando recusa reelaborar a sua cultura pessoal e profissional, no exercício da convivencialidade.

TAGS

autonomia, escola da ponte, formação continuada, formação inicial

  • Pingback: Professor precisa abrir a cabeça, diz José Pacheco | Portal Aprendiz()

  • marcos lorite lopes

    Estamos lutando contra uma estrutura arraigada por anos, e através dos pais destes alunos que hoje frequentam a escola, percebemos o quanto perdemos por não haver a diversificação e verificar a “recusa cultural pessoal e profissional”, ficamos presos a um processo que hoje tem que ser mudado para que a instituição escolar tenha sua liberdade de atuação frente aos problemas relacionados com a sua comunidade, fato este que não acontece, temos que praticar o curriculum básico do estado. Não podemos ficar engessado por isso. Há falta da instrumentalização da pedagogia, outras metodologias são necessárias, a escola na qual trabalho, E. E. Bairro Nova Marília, não possui biblioteca e sala de informática, uma quadra de esporte precária, isto em 2012, é um absurdo, uma escola em São Paulo na cidade de Marília, não tem outros meios se não o quadro e o giz e uma comunidade que não participa. Credito que aqui é a escola que melhor representa uma oportunidade de melhoria, falta vontade política.

  • Pingback: Professor precisa abrir a cabeça, diz José Pacheco | PORVIR « Aprendizagem Informal()

  • Maria Consuelo Tavares Coltro

    Sou Pedagoga, trabalho na região metropolitana de Curitiba. Sou Funcionária Pública. Concordo plenamente com a linha de pensamento do professor, Pacheco. Já fui à Portugal conhecer a Escola da Ponte; na Vila das Aves. Fiquei encantada com o trabalho lá desenvolvido. Eu tento e modifico minha metodologia. Trabalho de acordo com a fase em que a criança se encontra. Tenho tido sucesso no que faço.

  • Pingback: Professor precisa abrir a cabeça, diz José Pacheco | Inclusive()

  • Simone

    Ótimos dizeres, não é só inovar, mas saber como e por onde começar!

  • Pingback: Propostas para valorizar e qualificar os professores | PORVIR()

  • Pingback: Projeto Âncora se inspira na Escola da Ponte | PORVIR()

  • Pingback: Projeto Âncora se inspira na Escola da Ponte | Portal Aprendiz()

  • mardion

    infelizmente é triste ver tanta criança sendo massacrada com uma educação recheada de objetivos egocêntricos, políticos e anti-profissionais

  • Pingback: ENTREVISTA COM JOSE PACHECO, FUNDADOR DA ESCOLA DA PONTE «()

  • Fabiano Mina

    É sempre o mesmo discurso. Algum fulano de tal que possui uma experiência tal, que conseguiu sucesso em alguma escola no Antigo Continente, então aparece aqui no Brasil supostamente querendo ensinar ou implementar suas teorias na área da educação.

    Então ao serem questionados, fazem algum tipo de análise da atual educação brasileira, falando sempre as mesmas redundâncias. Logo após as avaliações feitas, sugerem idéias sempre generalizadas, também redundantes, apontando os velhos e já conhecidos problemas e normalmente finalizam dizendo sempre parecido com o que foi dito na reportagem: “o principal obstáculo é o professor”. E obstáculo não no sentido de dizer que o professor precisa imediatamente e de forma radical ser enxergado e ouvido pela sociedade, mas no sentido de reforçar uma famigerada crítica feita à profissão do professor que é tão ignorada, menosprezada e pouco valorizada em nosso país. Ou seja, no final das contas, faz-se críticas generalizadas, mas na hora de objetivar uma delas, o professor é quem vira o alvo.

    Educadores ou teóricos como este senhor deveriam ouvir mais teóricos na área da psicologia familiar como Joel Birman, que afirma ser um dos problemas na educação a transferência que a sociedade e a família faz de suas responsabilidades para a escola, consequentemente para os professores. Em uma sociedade onde país precisam estar horas e horas fora de casa e em uma sociedade que cada vez mais exige mão de obras instantaneamente desses mesmos pais, as escolas acabam absorvendo os filhos com deficiências de “formação primária”, tendo que lhe dar primeiro com problemas de ordem básica educacional (moral, ética, valores), para só então tratar de assuntos eminentemente pedagógicos. Pior do que isto, as escolas viram grandes “depósitos” de crianças, já que elas estão superlotadas, sem aparato técnico, sem condições estruturais, o que dificulta diretamente o trabalho do professor, consequentemente da educação. Além dos professores que por baixos salários trabalham horas e horas dentro das escolas para compor salário e acabam deixando de se especializar, de se capacitar, atrofiando o próprio conhecimento, tornando-se repetidores de teorias e idéias.
    Então quando surgem professores que são considerados “diferentes” pela mídia, normalmente são professores que implementam métodos ou estratégias “lúdicas”, não que seja ruim, mas necessariamente não é sinônimo de “educação”, já que a educação é muito mais do que isto. Então quando saem os indicadores comparativos da educação, as escolas que estão sempre a frente nunca são as públicas, muito menos os tais professores lúdicos, mas as escolas privadas que normalmente estão afinadas com as exigências de cursinhos escolares visando provas tradicionais exigidas pelas melhores faculdades e universidades, inclusive públicas. Ou seja, uma emaranhado de retóricas e mentiras em nome da educação que nunca resolve de fato o problemas que longe está de ser esses discursos importantes de Portugal ou seja lá do país que for.

    Mas nada disto é novidade. Pessoas como este sr. apenas enxergam na nossa atual educação uma oportunidade para vender seus livros, dar suas palestras e cursos superficiais. Brasileiro adora ser enganado por “gringos”, faz parte da nossa história. Modelos escolares, educacionais e/ou pedagógicos que foram e são implementados em outros países, não podem ser jamais copiados pelos brasileiros, e isto pelo mesmo motivo que este sr. afirmou, já que o Brasil é feito de um povo com “mistura”. Além de termos uma cultura diferente da de um país como Portugal, já que além das enormes dificuldades que temos político-sociais, também temos uma grande defasagem econômica, e grande diferença territorial se comparado com estes países, também somos uma país que olha para a educação com desdém desde nossos primórdios pós-colonização.

    Sendo assim, por favor, senhores não venham com suas velhas (novas?) teorias, como esses que vem ao Brasil apenas para vender seus livros e soltar suas redundantes apreciações sobre a educação que em nada melhora nossa educação, ao contrário, continuam escondendo os reais problemas dela que está longe ser determinada a partir do professor.
    Com isto não digo que o professor não é a figura mais importante nesse processo, mas é exatamente por achar que ele é o mais importante, que não deveria ser colocado como o vilão da história, mas como uma das vítimas junto com os alunos e a sociedade, em um país onde valorizamos mais jogadores de futebol, ex-BBB, blogueiros e twitteiros, do que os professores. É exatamente por valorizar os professores que devemos ver que os vilões são aqueles que impedem que esta profissão seja exercida com excelência. E adivinha quem são os vilões: são os que ganham com a ignorância do povo, ou aqueles que vendem livros porque a ignorância abre caminho para ganhar dinheiro com suposto preocupação educacional. Verdadeiros teóricos são verdadeiros críticos. Mas não críticos de professores, mas críticos do atual sistema educacional. E pelo que eu saiba, um sistema educacional não é mudado apenas pelo desejo dos professores, pois se assim o fosse, já teria mudado. Ao contrário, o sistema é mudando pela sociedade em geral, o problema é que esta sociedade normalmente é cega para esses problemas, assim como o é para todos os demais problemas relacionados à política social, econômica e educacional do nosso país. Basta ver um pouco os noticiários e perceberá isto.

    E por favor, paremos com esta mania de achar que só professor deve trabalhar “por amor”. Todos deveríamos trabalhar por amor, pelo menos aqueles que enxergam no trabalho uma forma de manifestar a dignidade humana. E não é pelo fato de achar que a profissão de educador é uma das mais excelentes que o professor é o único de deve amar o que faz. O político, o bombeiro, o policial, o médico, etc., todos deveriam amar o que fazem, e nem por isso achamos que estes devem ganhar baixos salários ou serem desvalorizados. Então porque o professor deveria ganhar pouco e ser desvalorizado e ainda assim continuar se esforçando (“se mantando”) para exercer sua profissão com excelência, se para ter excelência num mundo globalizado e capitalista é preciso dinheiro? Então paremos com esta retórica barata, com estes discursos fajutos, com esta mania piegas de tratar o professor e incentivá-lo à base de sentimentalismo romântico de quinta categoria. Professor deve amar sim o que faz, mas amor não enche barriga. Façamos nossa parte e amemos também os professores, pagando bons salários, dando condições de trabalho, recuperando a dignidade dele e ajudando-os a educar os alunos. A educação não é função apenas do professor, mas da família e da sociedade.
    Aí quem sabe poderemos dar uns minutos do nosso tempo para ouvir esses teóricos “importados” que gastam bastante tinta de caneta pensando em ganhar muito dinheiro com suas teorias, mas pouco a favor para a educação “de fato”.

    Passar bem!

    Fabiano Mina

    • Olá Fabiano!

      Bem, pelo seu grande comentário pude imaginar que tu és professor. Admiro sua coragem para enfrentamento da difícil vida dos Professores no Brasil.

      Sobre sua crítica ao professor José Pacheco, percebi em suas palavras que você está generalizando e deturpando a ação de um experiente educador. Destaco apenas dois pontos, e recomendo que você aprofunde, para que você não perca mais tempo fazendo avaliações superficiais de uma prática educativa revolucionária, uma das poucas focadas na emancipação e felicidade do ser humano.

      Primeiro é que o Professor José Pacheco, não é um aventureiro, muito menos um teórico, se você conhecesse um pouco saberia que Pacheco é um grande crítico aos grandes teóricos da atual pedagogia, que nunca trabalharam como educadores. Ao contrário do que você diz, Pacheco antes de tudo é um prático, que fundamenta teoricamente o que faz, diferentemente do que é visto no atual modelo educacional: Por que as aulas têm 50 minutos? Por que é necessário separar os estudantes por faixa etária? Por que a escola elimina os que são diferentes? estude mais e veja sobre outras questões que o Pacheco levanta.

      Segundo ponto é que você fez uma leitura errônea sobre o que o Professor Pacheco diz a respeito do professor. Você escreveu um monte de baboseira para dizer que os professores são vítimas de um modelo de educação ultrapassado e falido. Concordo plenamente contigo sobre a valorização do professor, sabemos a URGENTE necessidade de criarmos condições estruturais para estes profissionais trabalharem e reivindicar por salários condizentes com sua importância de sua atividade para a humanidade. O que o Pacheco diz é que a educação não está centrada no professor, muito menos no estudante, o processo de aprendizagem tem foco nas interações que fazemos para compreender e agir no mundo.

      Para fundamentar isso Pacheco cita Paulo Freire “ninguém ensina ninguém aprendemos uns com os outros mediatizados pelo mundo”.

      Como você pode ver, o Professor Pacheco não está no Brasil para vender livros como você diz, mas ele vem do antigo continente para dar um tapa na cara dos brasileiros e dizer, o que vocês estão esperando, o brasil tem de tudo, teoria, prática e exemplos de uma nova educação, voltada ao bem da estar das pessoas (todas elas), da comunidade e do planeta.

      Infelizmente temos professores como você, que ainda acreditam que a finalidade da escola é qualificar mão de obra. Reflita sobre sua prática e veja que no final das contas você está sozinho.

      Caso queira conversar mais sobre o assuntos podemos continuar conversando.

      Passar bem

      Osni Arturo Francisco Junior
      Motirõ Sociedade Cooperativa

      • Poliana christina

        Muito bem colocada suas palavras, sem duvida nenhuma essa pessoa esta sozinha, e sozinha e muito difícil compreender o mundo, as pessoas e suas prioridades , por isso e tao difícil para ele acreditar em pessoas inovadoras como Pacheco.
        Talvez Fabiano desconheça 0 real significado de educação Ensinar…Levar o conhecer…Levar a conhecer…Levar a se ver….

    • Luciene Meza

      Fabiano,

      me dediquei a ler sua quase e (pobre) tese que escreveu aqui. É surpreendente ver como você conseguiu deturpar a entrevista do professor, e deturpou de maneira agressiva e infantil.
      Pois bem, me questiono o que você como professor – se é professor, é claro, atua para a melhoria ou mudanças na educação brasileira. E mais, que sua quase tese aqui, refuta o quê exatamente. Pois seus argumentos iniciam de uma maneira quase que xenófoba.
      Vejo que desconhece o projeto da Ponte, bem como outros projetos inovadores na educação brasileira. Por que, afinal, como diz Pacheco professores devem abrir suas cabeças – e isso, para alguns é um tanto difícil e até desafiador. Porque o que vale são discursinhos infundados e cheios de amarras e raiva.
      E por causa de profissionais que agem assim, não posso afirmar que você é professor, que a educação brasileira é como está. Enquanto muitos de nós estamos trabalhando para uma melhora na educação, esbarramos em pessoas como você que adora discursar, escrever laudas e mais laudas – mas que não levantam a bunda da cadeira para nada. Tão pouco para fazer mudanças que sejam em suas salas de aulas. Reproduzem exatamente a educação verticalizada e manipuladora que recebeu. Enche a boca para falar de experiências novas, como se atuassem de maneira diferente das práticas tradicionais.
      Se você é professor, lamento profundamente sua postura aqui, se não é – aproveite a oportunidade para abrir sua cabeça e ver além de seu umbigo. Aproveita e tenta se aprimorar, sair da academia e se esconder na máscara do pseudo intelectual que aponta o dedo. Ao apontar o dedo para alguém Fabiano há mais três apontando para você. Seja mais maduro e tente travar uma discussão a altura da entrevista, sua agressão foi feia e leviana.

    • Bianca Ribeiro

      Fabiano, o José Pacheco não é um aventureiro..procure saber mais sobre ele para depois fazer este grandeeee comentário..ele é o melhor dos melhores,,,

  • Pingback: José Pacheco critica maneira como tecnologia é usada em sala e chama de “miserável” formação de professor no Brasil | PORVIR()

  • Pingback: José Pacheco critica o uso da tecnologia em sala e chama de “miserável” formação de professor no Brasil | PORVIR()

  • A METODOLOGIA DO PROFESSOR PACHECO É,SEM DÚVIDA, MUITO AVANÇADA PARA A NOSSA REALIDADE, MAS NO ENTANTO, ATÉ SIMPLES DE REALIZAR. IMAGINO OS ALUNOS COMO AUTO DIDATAS CONSTRUINDO O CONHECIMENTO. MAS INFELIZMENTE, COMO DIZ NA ENTREVISTA, ENCONTRAMOS AINDA, PROFESSORES QUE MESMO COM A FALTA DE APOIO, CRIAM SEUS MÉTODOS (SIMPLES) QUE NO FIM, SÃO SUPER EFICIENTES. QUEM SABE DA SALA DE AULA, É O PROFESSOR.

  • Do velho continente, fico com o português António Nóvoa e sua ideia de Transbordamento Escolar.

  • Pingback: banho radioativo de loja | Hermano Vianna()

  • Pingback: Conferência e manifesto por uma educação inovadora | PORVIR()

  • Concordo plenamente com a visão do Prof. lusitano José Pacheco sobre a situação caótica da qualidade do ensino brasileiro e da problemática que vivenciam as pessoas comprometidas em alterar esta situação. Como exemplo sugiro que vejam a extraordinária matéria no site http://www.aprenderaler.com.br, método excepcional de alfabetização desenvolvido por uma psicóloga catarinense, a qual alfabetiza em APENAS OITO AULAS, de até duas horas cada. Assista e lhe asseguro, pode acreditar! Só falta vontade política para erradicarmos o analfabetismo no Brasil. Será que o Governo tem Interesse??? Att. Edelson/Lages/SC

  • Undeniably believe that which you stated. Your favorite justification seemed
    to be on the internet the easiest thing to be aware of. I say to you, I definitely get annoyed
    while people think about worries that they just don’t know
    about. You managed to hit the nail upon the top and also
    defined out the whole thing without having side effect , people can take
    a signal. Will likely be back to get more. Thanks

  • judite Brasil

    Texto muito bom. Valeu!

  • Luciano José Rodrigues

    Boa tarde, Porvir!

    Esclarecedor a entrevista, muito obrigado!

    Sou de Minas Gerais, aqui temos a sensação mais terrível que a educação possa ter, pois salvo alguns projetos de libertação da criatividade e produção do conhecimento, temos uma educação totalmente dogmática, pois restringe a liberdade, traçando objetivos de resultados, e índices. O professor transformou-se em nada mais nada menos do que um executor de programas governamentais…Não é considerado um ser pensante, não é ouvido e quando isso acontece suas ideias não são relevantes, pois choca-se com o que está previamente determinado.
    A educação aqui é muito mais uma moeda de troca dos interesses políticos do que uma política de desenvolvimento de potencialidades.

    Abraço! E obrigado pelo espaço.

    • Luciana Lima Gambarra

      Caríssimos,comentaristas.Quando ouvi o Professor Pacheco pela primeira vez fiz uma rápida análise da minha trajetória de quinze anos como educadora e conclui: Como preciso aprender!Na minha opinião o professor Pacheco tem contribuído bastante para o crescimento profissional dos educadores brasileiros, que mesmo diante dos problemas educacionais,não desistem de lutar por uma educação de qualidade.Os problemas brasileiros são muitos,é claro.Mas, precisamos cada dia aprendermos a desempenhar melhor nossa profissão para darmos aos nossos alunos o nosso melhor.Infelizmente não podemos oferecê-los o melhor do sistema, o melhor do poder público,mas podemos dar-lhes o melhor de nós.E para isso, ler e ouvir pessoas com Pacheco é fundamental.

  • lemona

    Seria injusto de ma part não fazer o elogio do que tem-me
    licença de obter um empréstimo de dinheiro o Mês último do qual tinha necessidade
    para salvar uma vida em perigo à partida não havia só um
    momento mas a minha curiosidade meu empurrado de tentar e finalmente pude
    obter este empréstimo que a minha saída desta impasse na qual mim
    viva, preenchi as condições e sem preocupações, a minha conta tem
    creditado dos 1.400.000€ que pedi. Tinha necessidade de empréstimos
    de dinheiro entre particulares para
    fazer face às dificuldades financeiras para por último sair da impasse
    que provocam os bancos, pela rejeição dos vossos processos de pedido
    créditos? Aconselho-vos um particular especializado em financiamento d
    empréstimo, solicito-os tomar contacto com Monsieur Lucenti Mario
    quem ele apertou em condições de fazer-vos um empréstimo tem qualquer pessoa
    capaz de reembolsar e com condições que facilitá-las-ão
    vida. Eis os domínios nos quais podido ajudá-los: * Financeiro
    * Empréstimo imobiliário * Empréstimo ao investimento * Empréstimo automóvel * Dívida
    de consolidação * Margem de crédito * Segunda hipotequa * Resgate
    crédito * Empréstimo pessoal vocês
    são fixados, proibições bancárias e não tem o favor
    bancos ou melhor tem um projeto e necessidade de financiamento, um
    mau processo de crédito ou necessidade de dinheiro para pagar faturas,
    fundo a investir sobre as empresas. Então se tiver necessidade
    empréstimo de dinheiro não hesitam a contactá-lo, far-se-á um prazer
    imenso ajudá-los obrigado de fazer como mim e enviar vosso
    pedido para obter o vosso empréstimo em 48 horas. Eis o seu correio eletrónico:

    duvalles.phillips@outlook.com

    Obrigado de passado a mensagem por último de ajudar aqueles que estão na necessidade

    Boa Possibilidade!

  • CANDELARIA

    O ENSINO NO BRASIL AINDA É MUITO ARCAICO,SEM METODOLOGIAS, SEM PRÁTICA E TAMBEM MUITO SEM ESTÍMULO. VEJO MUITA ACOMODAÇÃO POR PARTE DOS PROFESSORES EM NÃO ACEITAR UM TRABALHO INTERDISCIPLINAR.PRECISAMOS MUDAR ESSA RETÓRICA.E PRECISO APOIO POR PARTE DO GOVERNO, EM MELHORAR A INFRAESTRUTURA DAS ESCOLAS,CAPACITAR PROFESSORES COM CURSOS DE ALTO NÍVEL.ENVOLVER A COMUNIDADE NA ESCOLA.TER UM BOM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO, UMA BIBLIOTECA BEM INFORMATIZADA,COM BIBLIOTECÁRIA FORMADA PARA DAR SUPORTE AOS PROFESSORES E ALUNOS.

  • antoinetta

    Bom-dia tenho um TESTEMUNHO tenho vocês trago: Se quiser fazer um empréstimo entre particular com 2% de taxas de interesse obrigado tomar contacta com DAVIRES LANDERICO o Sr. que o meu certamente concedido empréstimo Do mil Euro (190.000€), à partida não havia um só um momento, dado que o más intentionnées do empréstimo sobre Internet tinham-me totalmente esvaziar, mas a minha curiosidade empurrou-me de tentar uma segunda vez. Finalmente pude obter este empréstimo que a minha saída desta impasse na qual vivia. Tenho vários colegas que também receberam empréstimos ao seu nível sem problemas em vez fazer-vos ter por indivíduos mal intentionnés que tomam para trabalham enganar os inocentes, mim publica esta mensagem porque fez-me bem com este empréstimo e desencorajados não porque mim fiz-me de ter mas encontrei-vos este Sr. honesto e generosos então tomam contacta com ele:
    Eis o seu Correio eletrónico: (davires.landry@outlook.com)
    Está à investigação de empréstimo para quer relançar as vossas atividades quer para a realização de um projeto, quer para comprar-vos um apartamento mas são proibidos bancários ou o vosso processo à verão rejeitado ao banco o este Sr. é o único que ajudá-los-á. Solicito-os contactar-o
    Obrigado fazer como mim e enviar o vosso pedido para obter o vosso empréstimo em 48 horas. OBRIGADO COMPARTILHAR ESTA INFORMAÇÃO PARA AJUDAR O NOSSO IRMÃO OS NOSSOS AMIGOS E OUTRO

    • Pedrita

      a coisa tá feia, né filha!?

  • ROSARIO

    testemunho de empréstimo entre particulares ROSARIO
    Bom-dia reencontrei o sorriso sou graças ao este Sr. DAVID BUSQUET, que recebi um empréstimo de 200.000€ e um do meu colega recebeu igualmente empréstimos deste o Sr. sem nenhuma dificuldade. Aconselho-os mais vocês não engano em pessoa nem de caminho se certamente quiser
    fazer um pedido de empréstimo de dinheiro para o vosso projeto e qualquer outro. Publico esta mensagem porque o Sr. DAVID BUSQUET, fez-me bem com este empréstimo; jurar-los mim sou proprietário de uma loja. Então aconselho-vos que contacte-o e satisfá-los-á para todos os serviços que pedir-lhe -á. Eis o seu endereço eletrónico: davidbusquet05@gmail.com

  • Pedrita

    É, professores precisam “abrir a cabeça” e vcs precisam “fechar a boca” para não falarem mais asneiras… ( se possível, os bolsos tb). Está cheio de ‘palpiteiros’ de plantão na Educação e todos eles só sabem criticar e achar que têm a solução para os males da Educação como se tais mudanças acontecessem da noite para o dia… Essa maioria palpiteira e repleta de teorias (por vezes infindáveis) um dia saíram das suas salas de aula e jamais praticaram ou tiveram tais idéias quando lá estiveram e, se as tiveram, não lutaram junto à sua categoria para aplicá-las … Transformaram-se todos em “consultores, estudiosos e especialistas da área”, contudo, agora que acham que possuem a tal ‘solução’ empurram toda a culpa de um problema acarretado e enraizado há séculos em cima dos sacrificados professores, enfim, estes tais nunca mais pensaram em voltar às salas de aula… por que será?

  • anna

    Bom-dia, tem necessidade de um financiamento. Obrigado à Sr. Victor recebi um empréstimo de 70.000€ e muitos meus amigos receberam o seu financiamento. Oferece empréstimos entre privado de 2500€ à 2.500.000€ à uma taxa razão de 2%. seu correio eletrónico: victorboulo@gmail.com