Bem-vindo (a) ao site do Porvir

Aqui, mapeamos, difundimos e promovemos a troca de práticas educacionais inovadoras

Boas inspirações!

Crédito: Halfpoint / Fotolia.com

Diário de Inovações

Professora usa Minecraft para ensinar Impressionismo

A partir de tour virtual por museus internacionais, alunos fizeram releituras de obras utilizando os blocos do jogo

por Sabrina Quarentani 12 de agosto de 2015

Na elaboração das minhas aulas de artes, sempre procuro entender a realidade dos alunos e buscar elementos que estimulem o interesse e a vontade de aprender. Desde o ano passado, eu percebi que as crianças dos 3ºs, 4ºs e 5ºs anos falavam muito sobre o jogo Minecraft. Então, a partir de conversas com os próprios estudantes, eu elaborei um projeto que trouxesse a história da arte para dentro do jogo. 

Nós usamos o tour virtual do Google Art Project para visitar museus ao redor do mundo. Eu escolhi trabalhar com o Impressionismo, já que esse movimento traz a questão das pinceladas rápidas e a importância de retratar a impressão do momento. Os alunos conheceram galerias e obras de artistas famosos mundialmente, como Monet e Renoir. Depois, eu propus que realizassem releituras das obras vistas usando os blocos do jogo ao invés de pincéis.  

A receptividade das crianças foi ótima. Aquelas que tinham mais dificuldade recebiam ajuda dos colegas, o que contribuiu muito para o trabalho colaborativo. 

Como conclusão das atividades das aulas de artes, nós geralmente fazemos exposições. Nesse projeto, eu queria uma forma de apresentar as releituras que os alunos fizeram digitalmente. A ideia de fazer um passeio pelas obras dentro do jogo veio dos próprios estudantes, que elaboraram um tour pelas produções: montaram o caminho, os trilhos e o carrinho, que passeava virtualmente.

O resultado não poderia ter sido melhor. Foram aulas muito interativas, porque todos deram ideias, já que eles entendiam muito mais do jogo do que eu. A partir desse espaço aberto para a troca e colaboração, a participação de cada um aumentou muito. Tanto que, depois do projeto, uma aluna sugeriu outro aplicativo, que nós já estamos trabalhando.

O engajamento dos pais também foi muito importante. Um dos alunos comentou em casa sobre as obras impressionistas. Então, a família resolveu visitar o Masp (Museu de Arte de São Paulo), para conhecer um pouco mais desse movimento.

Como os alunos têm um dia da semana em que podem levar eletrônicos para a escola, é importante aproveitar essa oportunidade e saber trabalhar de uma forma pedagógica, para que não fique como uma “aula livre”. Nesse sentido, o uso do jogo a partir de tablets e celulares conseguiu despertar o interesse pelo aprendizado da história da arte. 

Sabrina Quarentani

Professora de Artes, em São Paulo, do Ensino Fundamental I, II e médio. Graduada em Artes Visuais pelo Centro Universitário Ítalo Brasileiro. Especialista em Estéticas Contemporâneas pela Universidade Mackenzie. Atualmente, é mestranda no curso de Tecnologias da Inteligência e Design Digital na PUC- SP e leciona no Colégio Internacional Ítalo Brasileiro.

TAGS

aplicativos, dispositivos móveis, engajamento familiar, ensino fundamental, jogos, tecnologia

  • Antonio Francisco Lopes Gonçalves

    Ótima ideia bem renovadora

  • Beatriz

    Muito bom! Parabéns pela iniciativa!

  • Cláudia

    Gostaria de ver o resultado. Tenho percebido o mesmo envolvimento dos meus alunos com esse jogo. E tenho filhos que jogam também. Além de já ter imaginado a utilização do Minecraft em um desdobramento para o trabalho com o tridimensional. Abraços

  • Pingback: Agen Bandarq()

  • Pingback: قاب آیفون()

  • Pingback: ICQ Chat()

  • Pingback: yandex ankara()

  • Pingback: yandex ankara()

  • Pingback: yandex ankara()