Bem-vindo (a) ao site do Porvir

Aqui, mapeamos, difundimos e promovemos a troca de práticas educacionais inovadoras

Boas inspirações!

crédito Christophe Boisson/ Fotolia.com

Inovações em Educação

Projeto Âncora se inspira na Escola da Ponte

Em Cotia, São Paulo, 180 crianças estudam nos mesmos moldes da escola portuguesa, sem disciplinas ou divisão por séries

por Redação 10 de agosto de 2012

O modelo revolucionário da Escola da Ponte, referência mundial em educação, foi a inspiração para o Projeto Âncora – ONG em Cotia, São Paulo, com 17 anos de atuação na área social – lançar sua escola de educação básica. Assim como a portuguesa, a Escola Projeto Âncora não tem séries; alunos de 6 a 10 anos estudam juntos, desenvolvem projetos de pesquisa de acordo com suas afinidades e são orientados por professores e pedagogos.

Na escola, os alunos são colocados em contato com diferentes atividades: música, informática, esportes, circo, artes e culinária. Para se matricular, é necessário cumprir algumas exigências, como morar em um raio de até 3 km de distância da escola e ter renda familiar de até três salários mínimos – não há custo algum para os pais.

crédito Divulgação

 

O conhecimento é desenvolvido por meio de projetos de pesquisa. No primeiro semestre deste ano, por exemplo, um grupo de alunos escolheu estudar a escravidão africana no Brasil. A pesquisa abordou as viagens nos navios negreiros, as leis de abolição, a relação entre escravos e senhores de engenho e as heranças culturais africanas: a música, a dança, a capoeira, a culinária e a religião. Também foram pesquisados temas geográficos, como o clima africano e o brasileiro, para entender como se deu a adaptação a outro ambiente. Por fim, os estudantes fizeram paralelos com o preconceito existente até hoje contra os negros.

Quando os alunos apresentam o trabalho, eles ensinam aos colegas o que aprenderam, utilizando imagens, som, cartazes e slides. Como a busca pelo conhecimento parte das próprias crianças, de um interesse genuíno, segundo os organizadores da escola, a aprendizagem é mais eficiente e melhor absorvida.

Apoio de José Pacheco

O projeto pedagógico conta com a colaboração do educador português José Pacheco, idealizador e ex-diretor da Escola da Ponte. Pacheco começou a trabalhar com a equipe brasileira em abril de 2011. No começo deste ano, a escola iniciou suas atividades com sete educadores e 180 alunos no equivalente ao ensino fundamental I (1o ao 5o ano). Na educação infantil, outras 52 crianças são atendidas.

crédito Divulgação

 

A coordenadora-geral do Projeto Âncora, Suzana Maria de Camargo Ribeiro, conta que o trabalho é uma construção coletiva e prática. “O José Pacheco é nosso parceiro e nos faz as provocações. Temos quatro horas semanais de reunião no sentido de construir a nossa forma de trabalho. A transformação acontece realmente enquanto você faz. É como ele diz, estamos embasados na lei, na teoria e na comunidade”, diz.

Em entrevista ao Porvir, publicada em maio deste ano, José Pacheco mencionou a necessidade de “instituir novas e autônomas formas de organização das escolas”, mas também recuperar práticas antigas, sem cair na tentação de “clonar a escola da Ponte ou adotar modismos”. O educador, estudioso da realidade educacional brasileira, também destacou a importância de se buscar uma escola do conhecimento e abandonar um ensino meramente transmissivo.

A ONG

Criado em 1995 e localizado em um espaço de 11 mil metros quadrados, o Projeto Âncora já atendeu cerca de 5.000 crianças, em cursos profissionalizantes, artísticos e atividades de lazer. A estrutura conta com quadras de esportes, refeitórios, pista de skate, jardins e uma biblioteca com mais de 10 mil livros. Fundado pelo empresário Walter Steurer, o projeto é mantido pela iniciativa privada, com a colaboração de empresas, fundações e demais doadores.

Em uma região na qual luxuosos condomínios fechados contrastam com inúmeras favelas, o projeto busca oferecer às comunidades próximas uma educação para o exercício da cidadania de forma ativa. Para a coordenadora-geral, com a implantação da escola inicia-se um trabalho bem mais profundo. “O projeto trabalhou durante 16 anos no contraturno. Há algum tempo começamos a sentir que estávamos enxugando gelo, porque quando a criança ia para a escola, antes ou depois das aulas no projeto, parecia que todo o trabalho que a gente fazia derretia”, conta Suzana.

TAGS

aprendizado baseado em projetos, aprendizagem colaborativa, autonomia, ensino fundamental, escolas inovadoras, personalização

  • Rita Sampaio

    … esperança… seria muito bom se mais e mais educadores tivessem a iniciativa de romper com o que está posto, tentando promover processos realmente educativos, formadores e transformadores.

    • Ednaldo

      Acredito que é um trabalho louvável, mas gostaria de saber de seus idealizadores como fica a questão pedagógica dos alunos, uma vez que os mesmo deverão realizar as avaliações externas, como por exemplo o SARESP/IDEB que exige um nível de competências e habilidades que talvez difere das apreendidas por estes alunos neste novo método autonomo?

      • Rita, isso está acontecendo por esse país todo, pequenas e grandes iniciativas que vão mudar a cara da educação um dia.

      • Ednaldo, as competências e habilidades que as crianças dessa escola adquirem vão além das obrigatórias, cumprimos com as obrigatórias e outras mais, principalmente as de valores humanos como solidariedade, honestidade, afetividade, respeito e responsabilidade. Além de escola o Projeto Âncora também tem foco na assistência social e desenvolve atividades na área de artes, cultura, esportes e lazer.

    • Isabel Cristina Bernardes

      Rita , eu acredito muito e não me deixo ser programada , me programo, improviso, coloco em pratica a pedagogia da esculta, realizo !!! Sei o qto é difícil mas se deixarmos do lado sabendo o que é melhor para nossas crianças não vamos conseguir mudar, Mude ! ! ! Aplique o que vc aprendeu nem se for para começar pequeno com certeza quem esta ao lado vai perceber a difença !

  • Gil dos Santos Neto

    Cumprimentos aos corajosos empreendedores. Mudar paradigmas é trabalhoso e há muita resistência. Só com muita coragem e resiliência consegue-se chegar a resultados favoráveis.Parabéns amigos.

  • Gil dos Santos Neto

    Devemos desenvolver um Sistema de Ensino capaz de acompanhar as transformaçõe da sociedade, ou contribuir na medida de nossas forças. Não é trabalho simples nem de curto prazo. Exige muita coragem e determinação. Muita variáveis não estão sendo contempladas. Componentes importantíssimas, daí sua complexidade .Aos que tomam a iniciativa, nossos essenciais e carinhosos apoio e aplausos.

  • cleri

    Ex celente!!!!!

  • Pingback: Brinquedos sustentáveis para ensinar educação ambiental | PORVIR()

  • Clara de Assis

    Parabéns, pela iniciativa, precisamos sermos mais conscientes com o meio ambiente.

  • angela maria do nascimento lima

    Este projeto é belissimo e precisamos multiplicar.
    Gostaria de mais informações para desenvolver este projeto junto a ONG que estou presidente. Angela Lima

  • geuza

    Hoje vi José Pacheco no esquenta,muito interessante esses projetos e como referencial a escola da ponte,o projeto Âncora,sou pedagoga,formei ano passado,quero muito conhecer o José Pacheco,parabéns pela visão educacional,como estamos começando a profissão precisamos de um José Pacheco na educação brasileira.

  • Gisele Silveira Tigre

    Gostaria de saber como
    Faço pra conhecer a
    Escola … O projeto sou professora e trabalho como psicopedagoga . Obrigado Gisele11 97329-4222

  • Priscilla Lessa

    Sou professora da rede pública do município do Rio de Janeiro. Preciso conversar com o Professor José Pacheco. Ele é uma pessoa acessível? Como posso encontrá-lo??? Gostaria de ter mais informações sobre o projeto. Agradeço desde já a atenção e aguardo ansiosamente a resposta. Um forte abraço, Professora Priscilla.

  • Diógenes

    Como é possível educar num país que deseduca seu povo. A “presidenta”, as “atendentas”, os médicos, as “pacientas”, todos devem se envolver nesta causa.

  • Jurandir Paes de Oliveira

    Sou prof de ed fisica e pos em fisiologia esportiva ( tecnico de futebol profissional , estou vendo um trabalho maravilhoso e quero deixar meu registro que me emociona ver no mundo atual tamanha responsabilidade ssendo colocada em pratica de maneira tao seria e amorosa!!! parabensssssssssssss!!!!!!

  • ANDREIA LEAL

    SOU EDUCADORA EM MINAS GERAIS ,BELO HORIZONTE E TIVE A OPORTUNIDADE DE VER O PROFESSOR PACHECO NA REDE GLOBO ( PROGAMA ESQUENTA ), ESTOU MUITO FELIZ .POR SABER QUE AINDA EXISTE UM CAMINHO PARA EDUCAR !!!!!!!!!!ESTE PROJETO LINDO TEM UM OLHAR DE VANGUARDA….
    PARABÉNS, TUDO QUE ADORARIA É APLICAR EM NOSSA ESCOLA,MELHOR REFORMULAR .QUE HOJE TEM UMA METODOLOGIA RETROGATA,QUE SUFOCA E NÃO TEM UM RUMO VERDADEIRO ! ENFIM ,HOJE COORDENO O ENSINO MÉDIO DE UMA ESCOLA ESTADUAL . DESEJO CONHECER MELHOR O PROJETO ,UM GRANDE ABRAÇO E ALEGRE POR UM RUMO RESPEITOSO NO MODELO DE EDUCAR …….

  • Rosângela

    Ola´, boa noite gostaria de conhecer o projeto pessoalmente fazer uma visita, sou professora e como sempre estamos em busca do novo de algo que possamos transforma a vida dos nossos alunos. Tai gostei desse projeto

  • Pingback: Professor Zé Pacheco mostra uma maneira de ensinar nada convencional | PORVIR()

  • raimundo nonato bezerra

    para informações

  • Angelita Crepaldi Rufino

    Eu assisti o programa Esquenta e fiquei encantada com as falas do professor Pacheco e resolvi pesquisar estou me apaixonando pelo projeto
    porque tudo isso que estou conhecendo fa parte do que acredito.

  • Pingback: Documentário nacional retrata autonomia na educação | PORVIR()

  • Lourdes

    Olá, também assisti o “esquenta” e fiquei antenanda no assunto,
    realmente precisamos de novas tentativas.
    Contagem e a cidade em que leciono e temos algumas flexibilizações neste sentido, estamos ainda engatinhando…
    espero que possamos nos reunir num grande grupo.
    Abraços a todos.

  • Cleonice Maria Tomazzetti

    Gostaria de acompanhar, conhecer mais e melhor dessa proposta. Porquetambem me sinto enxugando gelo, ou melhor, fazendo os cubanos de gelo, já que sou formadora de professores que vão, depois, fabricar as formas.
    Abraços,
    Cleo

  • Selislei de Cássia Coról de Pontes

    Sou Supervisora geral da Escola de Tempo Integral do Município de Andradas – MG, Já assisti alguns seminários com o Professor José Pacheco e sou encantada por sua filosofia.
    O nosso Projeto existe desde 1998 e se chama Projeto “Vida Nova”. Nossos professores são escolhidos, como na Escola da Ponte. Gostaria muito de conhecer seu trabalho, levar nossa Secretária de Educação e o Prefeito da cidade. Aguardo contato.
    Att.
    Selislei(Cassinha)

  • Isabel Cristina

    Bom dia!
    Eu gostaria muito de obter recursos didáticos mais interessantes para trabalhar com meus alunos de EJA Fundamental. Leciono Português e percebo um desinteresse enorme por parte dos alunos e também sinto que estamos perdendo os nossos alunos com uma velocidade muito maior para os aparelhos eletrônicos, drogas, falta de respeito, etc.
    Gostaria de poder ajudá-los, mas existe uma muralha entre nós e não sei como quebrá-la.

    Atenciosamente,

    (Uma professora que quer ser incomodada por novas ideias)
    Isabel

    • Isabela Valderis Seabra

      Sou professora da rede municipal de Queimados, no Rio de Janeiro, há 16 anos e já tive o prazer de conversar com o professor José Pacheco em junho de 2007 durante uma palestra. Gostaria muito de poder vivenciar o trabalho desenvolvido pelo Projeto Âncora. Em conversa com a Diretora do Departamento de Educação de Queimados e após a exibição do Programa Esquenta, o desejo de transformar nosso modo de ensinar se intensificou e gostaríamos muito de saber como contactar com vcs e, se possível, trazer o Professor José Pacheco até aqui para nos ajudar a implantar uma nova maneira de educar nossas crianças e jovens. Parabéns pelo trabalho!
      Tel. (21) 9407 3845
      (21) 8916 4263

  • professora Regina Steura,acho a proposta extremamente viril e necessária no sentido de aprender a aprender e até na motivação para tal aprendizado, visto que se aprende melhor quando é algo do nosso universo;mas quanto o preparo para vestibular e outros concurso que trata-se de assuntos extremamente sistematizados dentro da grade curricular para o ensino médio, como fica a preparação dos jovens para esta etapa?
    Atenciosamente,Terezinha professora da escola Rosa Mística na cidade de PATOS PB.

  • professora Regina Steura,acho a proposta extremamente viril e necessária no sentido de aprender a aprender e até na motivação para tal aprendizado, visto que se aprende melhor quando é algo do nosso universo;mas quanto o preparo para vestibular e outros concurso que trata-se de assuntos extremamente sistematizados dentro da grade curricular para o ensino médio, como fica a preparação dos jovens para esta etapa?
    Atenciosamente,Terezinha professora da escola Rosa Mística na cidade de PATOS PB.

  • RODRIGO SABINO DE MOURA

    Olá!

    Sou estudante do curso de licenciatura em Educação Física e fiquei fascinado com o projeto e gostaria muito de conhecer de perto!
    Sou do interior do Rio de Janeiro. Gostaria de saber da possibilidade de um curto estágio na escola do Projeto Âncora?

    Uma boa tarde e parabéns pela iniciativa!

  • jose lopes de arruda silva de paula

    Olá, sere humanos educadores, que juntos , ao querer ensinar acaba apreendendo muito mais com esses seres maravilhosos que são as nossas crianças. Sou pedagogo, estou aqui no Acre, alguns anos, já trabalhei com enisno em escolas públicas, de PERIFERIA da cidade, série inicial, educ jovem e adultos, etc. .. me sinto muito bem com os desafios, e anseios dessas comunidades. Vejo no projeto Ancora, e da iniciativa do profº Pacheco, algo de ter o ser humano em primeiro lugar mesmo!, tendo a vida como a real escola. Quero poder conhecer, vivenciar este lugar, este espaço, desse projeto… e se possível auxiliar outros grupos de pessoas a continuar desenvolvendo esta boa ideia no nosso país e no planeta.
    abraços José Lopes

  • daniela moreira de medeiros

    oi .
    tenho um sobrinho de 9 anos e quero saber se existe em cotia alguma atividade para ele fazer fora do periodo de aula, pois ele esta morando comigo e com meus Pais ele e o irmao dele e como todas as criancas de hoje ele é muito ativo e precisa desenvolver mais isso, nao sei onde procurar pois ja procurei e nao encontrei nada até agora.
    desde ja obrigado.

  • Maria Farias

    Bom dia

    Trabalhamos em uma escola de educação infantil em São Carlos -SP,com as mesmas filosofias de ensino.
    Gostariamos de fazer uma visita com a equipe pedagogica.
    Pedimos então oorientações sobre a possivel visita
    Nosso contato: (16)3375-3507/9222-5864
    Casa da Infância Estrela da Manhã
    Amigos de São Judas Tadeu

  • CENIRA

    Hoje tive um momento único em minha vida profissional, conhecer e assistir uma conferência com José Pacheco. A escola ÂNCORA é o exemplo de projeto dos sonhos para a educaçâo no Brasil.

  • CENIRA

    Tive o a oportunidade de assistir uma conferência e conhecer o José Pacheco e o projeto da Escola Âncora. É o modelo da escola do futuro com que se sonha, parabéns a todos.

    CENIRA

  • Maria de Lourdes São Bento

    Meu sonho seria uma escola assim, fazer um modelo piloto para ver a melhor forma de adaptação aqui no Sul. Não precisamos copiar na íntegra . o modelo de São Paulo ou de Escola da Ponte e Portugal, mas apenas nos moldes. Escolheria primeiramente, professores que quisessem aceitar esse desafio, estudaríamos muito para ver a melhor metodologia a ser aplicada e teríamos reuniões constantes de planejamento e avaliação do trabalho! Nem é um sonho tão difícil de ser atingido! Quem sabe até eu me aposentar, ou depois, vou atrás de educadores que tenham o mesmo ideal que eu,( sei que muitos possuem também esse sonho)e criamos essa escola modelo? É…sonhar não faz mal à ninguém!

  • ALINE

    Olá! Sou estudante de pedagogia. E preciso apresentar um trabalho sobre projetos na educação brasileira. Achei muito bacana esse projeto.
    Mas, gostaria de entender melhor, por favor, como as crianças aprendem a ler de início. Obrigada!

  • rosilene ramos

    Achei muito interessante,comecei a fazer o curso de pedagogia ,e fiquei surpresa com esse projeto.

  • maria de lourdes souza de araujo

    Boa tarde! Eu gostaria de saber mais informações sobre essa escola.
    Obrigada
    Maria de lourdes – JUIZ DE fORA – MG

  • Como aluno aprendi muito nessa entidade, e tudo isso graças ao desempenho por parte desses profissionais que se dedicam com amor a preparar essas crianças que serão o futuro desse país, parabéns ao projeto ancora e que Deus possa tocar no coração de muitos empresários para que possam está contribuindo para o futuro desses pequeninos.

  • Estou muito Orgulhosa de vcs

  • Quero conhecer de perto esse tralho

  • Pingback: Estrangeiros buscam práticas inovadoras no Brasil | PORVIR()

  • GOSTARIA DE SABER COMO FASSO PRA ESCREVER MEU FILHO NESTA ESCOLA POIS SOU SOZINHA E NESSECITO DE TRABALHAR E NAO POSSO DEIXAR MEUS FILHOS SO EM CASA PRECISO URGENTE DE UMA ESCOLA INTEGRAL ME AJUDE OU ME INDIQUE ALGUM COLEGIO MUNICIPAL E ESTADUAL PRA MIM OBRIGADA ENTRE EM CONTATON COMIGO 42438118 OU964936771 OBRIGADA MAIS UMA VEZ

  • PAULO CESAR BORSATTO

    A reportagem não leva em conta um assunto muito importante.
    O custo desse processo de ensino-aprendizagem.
    O interesse de utilizar esse processo pedagógico em instituições públicas ou privadas esbarra altos custos.
    Qualidade com baixo custo inexiste no mundo real.
    O estudo dirigido não é novidade porém temos uma certeza o custo é alto, portanto esse processo de ensino-aprendizagem só deve ser utilizado em projetos especiais de recuperação dos alunos marginalizados e/ou discriminados como ocorre na Escola da Ponte Portugal.
    Creio também que as escolas das elites possam adotar o modelo, em decorrência da possibilidade de cobrar altas mensalidades pelo trabalho de qualidade diferenciado.

  • JOSÉ RICARDO

    Acima de tudo temos como exemplo no outro o valor humano e no Projeto Âncora os alunos sentem o que fazem e levam para sempre esses princípios fundamentais a alegria e a aprendizagem da escola da vida! Simples e espetacular… Parabéns a todos… Meu desafio e sonho é conhecer de pertinho esse maravilhoso coletivo educacional. abraços!

  • rita baratieri

    Olá sou educadora em Sta Catarina.
    Estamos iniciando um trabalho de fortalecimento de vínculos com crianças e comunidades com realidade social e econômica, enquadrados, ainda como classe de necessitados por direito a cidadania.

    Se for possível quero conhecer melhor o trabalho de vocês.
    Já amo a filosofia do prof º José Pacheco.

    Grata.
    Rita Baratieri

  • Pingback: ‘Não existe o saber fragmentado, ele é um só’ | PORVIR()

  • Pingback: ‘Não existe o saber fragmentado, ele é um só’ | Envolverde()

  • Pingback: ‘Não existe o saber fragmentado, ele é um só’ | Blog | Akdemy.com()

  • Iara Azevedo

    Na verdade tenho uma dúvida sobre este projeto e a própria escola da da ponte. O governo reconhece esses cursos? Um aluno que tenha feito o ensino fundamental 1 e 2 nesta escola dará continuidade em qual escola?Se quiser fazer um curso técnico ou ensino médio, será reconhecido? Terá condições de passar em um vestibulinho?
    Tenho duvidas práticas de como esse processo funciona.
    Há alguma outra escola que tenha um ensino mais focado na prática e não na transmissão de informação/dados?
    Adoro seu site, e muito inspirador.
    Obrigada.

  • Isabella

    Tenho um filho especial que e muito inteligente mas não consegue se enquadrar em nenhuma escola. Gostaria de saber se na região de Belo Horizonte existem escolas que se inspiram na Escola da P

  • Clesio Barcelos machado

    Gostei muito do projeto, é bom estender para todas cidades brasileiras. Plantar esta semente para colher alguns frutos no futuro. Muito bom, interessante o projeto….. Gostaria e receber pelo meu mail mais informações, e material para leitura.. Abraçoss

  • vera lucia moreira

    Olá pessoal, sou Vera Lucia, tenho um espaço muito grane em Salto e Pirapora, gostaria de contar com vcs, sobre a apossibiliade de uma reunião para verificar a possibilidade de viabilizar uma escola humanitária .

  • Este é um sonho que busquei de todas as formas e caminhos realizar aqui na cidade do RJ, mas não consegui. Fico feliz que já esteja acontecendo; que seja uma realidade! Continuem…jamais desistam. Quem sabe um dia irei visitá-los!

  • maura trevisan

    O MEC deveria conhecer esse projeto.

  • Pingback: Como a tecnologia pode impactar na educação do campo | PORVIR()

  • haydee moraes

    Entendi que é educação com e para o desenvolvimento humano. Que esperança!
    É dar vida à escola para deixar o educando ter vida. Consequência, formação de pessoas pensantes que amam aprender e terão um lugar importante na sociedade e certamente não será nem nas instituições para reeducação e tampouco nas cadeias.
    Que haja multiplicação e continuidade de tão importante pedagogia para que sejam salvos muitos brasileirinhos!

  • JACINTA CARVALHO DE MORAIS VERSIANI

    SOU COORD. PEDAGÓGICA EM UMA ESCOLA MUNICIPAL EM MINAS GERAIS E SEMPRE ME INTERESSEI MUITO PELA PEDAGOGIA APLICADA Á ESCOLA DA PONTE,SERÁ MARAVILHOSO PODER COBNHECER DE PERTO ESTA ESCOLA EM FUNCIONAMENTO.

    ATT,

    JACINTA VERSIANI

  • Ana Kawata

    Sem mais. O projeto é sem dúvida transgressor. Ainda que há resistência, as bases da escola da ponte nos dá suporte para acreditar em uma autonomia solidária e fraterna, tão importante ,visto o atual cenário conteporâneo capitalista no qual estamos inseridos.
    Sou Educadora Física, e me apoio muito nas ideias de Pacheco que podem ser aplicáveis cotidianamente. ..Os temas tranversais de Suraya Darida no contexto escolar da Educação Física dialoga e muito com a compreensão, autonomia e reflexão aqui expostos.