Bem-vindo (a) ao site do Porvir

Aqui, mapeamos, difundimos e promovemos a troca de práticas educacionais inovadoras

Boas inspirações!

skatzenberger / Fotolia.com

Inovações em Educação

Projeto Escola de Rua leva filosofia a filas e parques

Com quadro branco e caneta na mão, psicólogo compartilha conhecimento em restaurantes populares de São Paulo

por Vinícius de Oliveira 11 de agosto de 2014

Onde todo mundo vê perda de tempo, o psicólogo Diego Macedo, de 25 anos, achou uma oportunidade. Há dois meses, ele leva quadro branco e caneta para oferecer aulas em filas de restaurantes de São Paulo. É a chamada Escola de Rua, que leva no cardápio cerca de 100 microideias sobre filosofia, questões pessoais e de relações no trabalho.

Natural de Petrópolis, no Rio de Janeiro, Macedo trabalhou com crianças especiais e como palestrante em escolas antes se de mudar para São Paulo em busca de conseguir maior liberdade para trabalhar de forma inovadora e compartilhar seu conhecimento. “A clínica é excludente, enquanto a rua é inclusiva. Você não sabe o que vai acontecer e que tipo de problema as pessoas vão trazer. É sempre uma novidade”, diz.

Para desenvolver tal tarefa, segundo ele, era necessário autoconhecimento. Foi então que começou a frequentar o cursos de empreendedorismo no Lab89, ambiente colaborativo na Vila Madalena, na zona oeste da capital paulista.  A Escola de Rua é resultado desse processo.

O momento “eureka!” veio quando estava na fila de um restaurante popular e viu um músico tocando violão. “O que posso entregar de mais precioso e legal para as pessoas? Assim como ele, eu também tenho a minha arte”, explica Macedo. No dia seguinte, improvisou uma parceria com o artista e conseguiu R$ 40. Ao longo do tempo, Macedo conta que suas palestras de três minutos, como pequenas conferências TED, começaram a fazer sentido para os clientes dos restaurantes.

De olho na conquista de novos espaços, começou a levar a Escola de Rua para os parques da cidade e ter um contato mais próximo com o público.

“Tem duas formas que as pessoas podem usar minha aula: uma é falar dos problemas dela e a outra é quando eu levo algo do meu repertório. Eu faço parte da Escola de Rua, mas ela não se restringe a mim”, explica.

Para manter o projeto e expandir sua rede com novos professores, Macedo lançou uma campanha no site de financiamento colaborativo Catarse. Para custear cada dia de atividade, são necessários R$ 100. Como recompensa, o empreendedor oferece desde citações no blog do projeto, a links para videoaulas, workshops em grupos e metodologia para novos interessados.

Por enquanto, Macedo conta que não tem uma agenda fixa e que prefere  anunciar suas próximas aulas de rua em sua página na rede social Facebook.
Assista abaixo ao vídeo da campanha com mais detalhes sobre a Escola de Rua.

TAGS

aprendizado baseado em projetos, empreendedorismo, financiamento coletivo, uso do território