Bem-vindo (a) ao site do Porvir

Aqui, mapeamos, difundimos e promovemos a troca de práticas educacionais inovadoras

Boas inspirações!

Inovações em Educação

Química une alunos de escolas pública e particular

Estudantes da Canuto do Val e do Colégio Bandeirantes estão criando moléculas tridimensionais a partir de garrafas PET

por Vagner de Alencar 31 de agosto de 2012

Garrafas PET e conduítes fazem parte da cadeira de química de duas escolas de São Paulo, uma pública e outra particular. Engana-se quem acha que os alunos de ensino médio estão aprendendo apenas os componentes químicos desses materiais. Pelo contrário, estão indo além: reciclam e transformam os produtos em moléculas tridimensionais de até 2 metros de altura.

O projeto experimental Inovação no Ensino de Química: Construção de Modelos Moleculares Utilizando Garrafas PET foi criado em março deste ano por dois alunos do Colégio Bandeirantes, na região sul de São Paulo, que se uniram a sete estudantes da escola estadual Canuto do Val – que fica num local pouco povoado, em frente a um fórum criminal, no Bom Retiro, na região central de SP.

crédito Divulgação

Os estudantes das duas escolas dividem as atividades, que incluem aprender os conceitos teóricos de química orgânica e, em seguida, literalmente, construir as moléculas estudadas. A mobilização surgiu depois que eles descobriram que a compra de kits tradicionais de estruturas de moléculas, de 40 cm, custavam em média US$ 100, cada, e seriam necessários vários kits para atender todos os alunos de uma turma. Curiosos, os alunos resolveram pesquisar outras formas de simular as moléculas em sala de aula e chegaram a modelos feitos com PET e que tinham 2 metros de altura.

A criação dos modelos pretende ser o mais real possível. As garrafas são coloridas de acordo com a cor associada a cada átomo de uma determinada molécula: o carbono simbolizado sempre pela cor preta, o oxigênio pela vermelha e o hidrogênio pela branca. No caso da fabricação de molécula de água, por exemplo, a parte vermelha da garrafa representa o oxigênio, enquanto os tubinhos brancos –  feitos dos potinhos utilizados para guardar filmes de máquinas fotográficas analógicas – simulam o hidrogênio.

A ideia é que os modelos ajudem os alunos a quebrar os estereótipos da disciplina que, muitas vezes, acaba se tornando muito complexa, se trabalhada apenas de modo teórico. “Quando a gente constrói uma molécula, acaba se tornando bem mais claro a sua funcionalidade. O que era muito abstrato passa a fazer sentido, se torna concreto”, afirma Rafaela Casanova de Alcântara, 16, que estuda o 2o ano do Colégio Bandeirantes, ao mostrar uma molécula de gás carbônico.

crédito Divulgação

É o que também reforça a Elisabeth Pontes, professora de química do Colégio Bandeirantes: “Muitas vezes no ensino médio explorar determinados conteúdos apenas falando é complicado, quando o professor leva um modelo tridimensional, fica muito mais claro o conceito para o aluno”.

Cada estrutura gasta até 400 garrafas PET, por isso, para criá-las , os estudantes receberam a doação de 1.000 garrafas da Coca-Cola. “Quando passamos para a parte da montagem, fomos atrás de patrocínio, até porque para a quantidade de moléculas que queremos, precisamos de muitas garrafas”, afirma Rafaela.

Interesse pela química

Renato Sampaio Gobashigawa, 15, que estuda o 1o ano na escola estadual Canuto do Val, afirma que o interesse pela química tem sido despertado também nos demais colegas. “Os meninos do ensino fundamental II, principalmente, ficaram curiosos. Depois que começamos a participar do projeto, sempre fazem perguntas e querem saber o que estamos fazendo”, diz.

Os alunos vão montar oito estruturas gigantes que serão apresentadas e outubro na Feira de Ciências no Colégio Bandeirantes.  Para José Ricardo Almeida, coordenador da feira, o principal objetivo dessa iniciativa é levar à sala de aula, tanto da escola privada quanto da pública, novas metodologias e outros formatos para o ensino da disciplina, considerado “árduo”. “O que a gente precisa, de fato, é encontrar formas alternativas de ensinar, sempre de modo mais lúdico e interativo”, afirma.

Após a exposição, os modelos serão divididos entre as duas escolas para serem utilizadas em sala de aula. “Essa é uma alternativa interessante para que a escola pública possa fazer coisas muito mais baratas que podem implantadas com muita facilidade”, afirma Rosa Maria Teixeira, professora de química na escola Canuto do Val.

TAGS

ciências

  • rosana

    Parabéns Colégio Bandeirantes, Colégio Canuto Do Val , equipe e alunos pelo excelente trabalho
    Parabéns Coca-Cola, que reconhece instituições de ensino que valorizam a importância do aprender, reciclagem e cidadania.

  • siro casanova

    Muito interessante. A CRIATIVIDADE somada ao interesse destes alunos das duas escolas pode estar mostrando como uma aula considerada difícil e “chata” pode se tornar extremamente interessante e os alunos poderão aprender muito mais fácil sobre o assunto.

  • Flavio

    Parabéns aos alunos e alunas, dos colégios Bandeirantes e Canuto Do Val, aos professores, a direção dos mesmos, e a Coca- Cola, por incentivarem e facilitarem a aprendizagem. Espero que este projeto experimental sirva de exemplo para outros colégios estaduais, federais e particulares.

  • Pingback: Química une alunos de escolas pública e particular | Portal Aprendiz()

  • Pingback: Por Vir destaca parceria entre Band e escola pública | Deu na Mídia()

  • Pingback: Agen Bandarq()

  • Pingback: フã‚()

  • Pingback: economics tuition()

  • Pingback: yandex ankara()