Bem-vindo (a) ao site do Porvir

Aqui, mapeamos, difundimos e promovemos a troca de práticas educacionais inovadoras

Boas inspirações!

Inovações em Educação

Rede pública de Pernambuco manda alunos para exterior

Programa Ganhe o Mundo está levando mais de 1.000 estudantes de ensino médio para Estados Unidos, Canadá e Nova Zelândia

por Vagner de Alencar 9 de novembro de 2012

Maria Carolina Carvalho, 17, sonhava em conhecer o Mato Grosso do Sul “por causa do  verde”, mas deixou pela primeira vez sua cidade natal – Glória do Goitá, a 60 km de Recife, Pernambuco – para pisar não no estado do centro-oeste do país, mas em outro país.  Há menos de um mês, Carolina vive em Ontario, Canadá, onde permanecerá por um semestre estudando em uma high school (escola de ensino médio). A jovem é uma entre os 1.103 estudantes de escolas públicas de Pernambuco que participam do programa de intercâmbio Ganhe o Mundo, iniciativa do governo estadual que está levando alunos para países como Estados Unidos, Canadá, Nova Zelândia e Espanha.

Segundo Anderson Gomes, secretário de educação de Pernambuco, o programa quer fazer com que estudantes, em larga escala, aprendam uma segunda língua visando as oportunidades do Ciência Sem Fronteiras, da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos. “A proposta é sem precedentes não apenas no Brasil, mas no mundo. Queremos fazer uma ação mais abrangente, de grande impacto, para que os estudantes tenham uma imersão na educação de uma maneira diferenciada. A grande maioria dos alunos é desmotivada porque só têm a sala de aula como a referência”, diz.

clabert / Fotolia.comEstudantes de Pernambuco vão para o exterior

A primeira turma, com 560 intercambistas, embarcou para fora do país entre os meses de agosto e setembro. Maria Carolina foi uma delas. “ As pessoas aqui no Canadá são muito acolhedoras. No início, tive um pouco de dificuldade, mas agora está melhorando. Eu sou apaixonada pelo o inglês e meu sonho está sendo realizado a cada dia que passa”, afirma. Maria Carolina volta ao Brasil em fevereiro.

“Muitos alunos perdem a oportunidade de estudar fora por conta da baixa ou nenhuma fluência de uma segunda língua. Os estudantes pernambucanos estarão em uma plataforma diferenciada, capazes de competir por essas vagas”

O próximo grupo está com viagem marcada para janeiro do ano que vem. Durante o período do intercâmbio – que dura em média seis meses –, os estudantes moram na casa de uma família e continuam os estudos em uma escola de ensino médio local. Além disso, recebem uma bolsa mensal no valor de US$ 300 (cerca de R$ 600).

O processo seletivo do programa começa com 24 mil vagas para os cerca de 100 mil alunos do 1o ano. As vagas são para participar de cursos intensivos de espanhol e inglês (23 mil deles estudam a língua inglesa e 1 mil aprendem o espanhol). Os alunos, nessa primeira etapa, são selecionados de acordo com seu rendimento escolar. Até o final 2014, afirma Gomes, a estimativa é que ao menos 50 mil jovens estejam dominando um segundo idioma.

Numa segunda fase, aqueles que tiverem notas acima de sete em todas as disciplinas e uma frequência escolar e no curso acima de 80% são ranqueados por desempenho. Os melhores preenchem as vagas para o intercâmbio. 

divulgação

Perspectivas 

A experiência de intercâmbio, afirma o secretário, vai garantir aos estudantes mais chances em outros programas já existentes como o Ciências Sem Fronteiras. “Muitos alunos perdem a oportunidade de estudar fora, como é o caso desse programa federal, por conta da baixa ou nenhuma fluência de uma segunda língua. Daqui a três anos, os estudantes pernambucanos estarão em uma plataforma diferenciada, capazes de competir por essas vagas”, diz. Outra preocupação, afirma Gomes, é o fato Recife ser uma das sedes da Copa do Mundo de 2014. 

Pernambuco tem se destacado no cenário nacional por meio das suas inciativas de educação, como é o caso do chamado Colégio Pernambucano, de educação integral como já contamos aqui no Porvir. Segundo Gomes, a estimativa é que em 2014, todas as escolas de ensino médio adotem o modelo de educação integral, de tempo integral ou semi-integral. Atualmente, há 217 escolas que desenvolvem esse modelo na rede estadual. “A educação integral faz com que o aluno e os professores estabeleçam um vínculo maior com a escola e a comunidade. Proporciona uma grande diferença na formação dos estudantes, porque desenvolve o protagonismo juvenil por meio dos ‘projetos de vida’ dos jovens”, diz.

Post atualizado no dia 19/11/2012, às 10h28

TAGS

ensino médio

  • Stefane Araujo

    Bom dia! Meu nome e Stefane estou no terceiro ano do segundo grau, moro no Rj, meus pais pretendem mudar se para pernambuco, li sobre o programa ganhe o mundo e sobre as parcerias com as escolas para um intercambio escolar. Gostaria de saber quais são as escolas que estão inscritas neste projeto ? Desde ja obrigada e aguardo contato.

    • Vagner de Alencar

      Olá Stefane, tudo bem?

      Todas as escolas públicas podem participar do programa. As próximas inscrições para 2012 já foram encerradas e ainda não há previsão de quando serão abertas as próximas.
      Vale acompanhar o site da Secretária de Educação de Pernambuco: http://www.educacao.pe.gov.br/?pag=1&cat=36&art=348

      Um abraço,

      Vagner de Alencar

  • Ivone Gallindo

    APROVADO. GOSTEI DISSO. MESMO PORQUE, O PREMIO EH CONTINUAR ESTUDANDO. ESTIMULAR OS ADOLESCENTES A TEREM NOTAS BOAS COM ESSE INCENTIVO, EH SHOW. ELES PODERÃO DIZER: CONSEGUI COM MEU PRÓPRIO ESFORÇO. MERITOCRACIA: ISSO EH FANTÁSTICO.

  • Allan

    A iniciativa é ótima mesmo.

    Mas o Canadá está no mesmo continente onde o Brasil está. O continente americano.

    • Vagner de Alencar

      Oi Allan, tudo bem?

      Já alteramos a informação. Obrigado pela dica!

      Um abraço,

      Vagner de Alencar

  • Pingback: 10 plataformas gratuitas ensinam idiomas | PORVIR()

  • Jennifer

    gostaria de saber o e-mail da Maria Carolina que foi fazer intercambio no canada…pq gostaria muito de tirar umas duvidas com ele quem souber me ajude!
    obrigada desde já!

  • gostei muito desse programa mas ,ele da muitas oportunidades aos alunos de rede pública ,mas acho um pouco injusto com os alunos do segundo e terceiros anos pois eles tem sonhos e gostariam muito de ter essa oportunidade . é realmente algo que motiva a estudar .eu gostaria muito de ter uma oportunidade dessa ,mas como já estou no terceiro ano do ensino médio não posso fazer nada apenas torcer pelos intercambistas e desejar uma boa viagem e que ele aproveite o máximo.

  • Prezados Senhores,

    Preciso que voces nos envie um endereço de e-mail para que possamos apresentar nossos trabalhos a voces.

    Sem mais

    Obrigada.

  • laura

    Gostaria de saber se isso só ocorre para alunos que estão cursando o 1°ano do ensino médio .