Bem-vindo (a) ao site do Porvir

Aqui, mapeamos, difundimos e promovemos a troca de práticas educacionais inovadoras

Boas inspirações!

Inovações em Educação

Skype na Sala de Aula faz parceria com a NASA

Rede social de crowdlearning vai oferecer cursos da agência norte-americana sobre missões espaciais e a vida no espaço

por Vinícius Bopprê 29 de outubro de 2012

Há 43 anos a tecnologia permitiu que o homem deixasse sua marca na Lua. Até hoje, só outros doze sortudos conseguiram caminhar por lá. E o que não faltam são pessoas curiosas e encantadas sobre o que se passa nessas viagens. Agora imagine poder tirar as dúvidas sobre a construção dos foguetes e o funcionamento das estrelas com alguém que realmente tenha vivenciado isso tudo? O Skype na Sala de Aula (Skype in the classroom, em inglês), programa criado no ano passado para agregar professores e alunos do mundo inteiro, fechou, neste mês, mais uma parceria. Agora, o Centro de Aprendizagem Digital da Nasa permitirá que alunos e professores do mundo inteiro façam contato com seus engenheiros e especialistas.

Uma das primeiras aulas que será transmitida com o novo parceiro é a Mission Patch Design (Desenho do Roteiro da Missão, em livre tradução), que já conta com 65 pessoas cadastradas, entre as quais 15 serão escolhidas. Durante a aula, os estudantes vão aprender a projetar um pacote de missão espacial, entender a preparação para a decolagem de um foguete e vão descobrir como é trabalhar e viver no espaço. Apesar da preferência para as escolas dos Estados Unidos, também podem participar escolas internacionais, desde que estejam envolvidas em um projeto com alguma dessas instituições norte-americanas.

crédito Olmarmar / Fotolia.com

Mas essa é apenas uma das várias opções de cursos que já circulam dentro do Skype na Sala de Aula. Há quem esteja oferecendo aula de culinária e música, cobrando por isso. E também há quem procure trocar conteúdos e aulas, como professores que queiram colocar sua turma de alunos em contato com outras turmas, de cidades, culturas e países diferentes para enriquecer o aprendizado.

A plataforma funciona basicamente como uma rede social de crowdlearning. O usuário deve logar no site education.skype.com com as informações de sua conta Skype e depois inserir seus dados profissionais, como o que leciona, onde vive e quais idiomas domina. Realizada essa primeira etapa, o usuário pode buscar professores e especialistas com os mesmos interesses ou se cadastrar em um desses eventos, como o Mission Patch Design, por exemplo. O programa também permite que os cadastrados criem suas próprias aulas. Basta ir até a opção de Criar uma Lição Skype e dar um título, inserir uma foto, determinar os idiomas envolvidos e para qual faixa etária ela será destinada. A partir de então, o evento criado estará disponível para que outros usuários possam encontrá-lo e solicite a participação na aula.

É por conta dessa facilidade que, desde março de 2011 – quando o Skype na Sala de Aula foi lançado -, mais de 38 mil professores já estão cadastrados. Foi na rede social, por exemplo, que o norte-americano Lance Allen, professor de guitarra, conseguiu encontrar seus alunos na Escócia, Austrália, China e Inglaterra. Dos mais de 70 alunos que chegaram até ele por meio da plataforma, “só um deles preferiu uma lição ao vivo e foi procurar um professor local”, diz.

Já brasileira Priscila Cheroto é dona da escola de idiomas Easy Peasy que, além do método presencial de aulas, oferece cursos de inglês e português via Skype desde 2008. Hoje a plataforma a ajuda a encontrar mais facilmente seus alunos. Segundo ela, as aulas on-line devem ser direcionadas para alunos disciplinados e com um pouco de domínio do idioma. “Meus alunos optaram por esse método por  vários motivos, como ganho de tempo em seu dia a dia, custo x benefício”, diz a professora. Como todo aprendizado, esse método de ensino tem lados positivos e negativos. “O melhor da plataforma”, para ela, “está na possibilidade de manter uma aula virtual com um aluno que precisou morar em outro lugar do mundo por conta do trabalho; o pior é quando falha a conexão da internet”.

TAGS

aprendizagem colaborativa

  • Ivone Luiz

    Woooooooooow incrível…fantástico Obrigadapor compartilhar conosco essa preciosidade…Abraços a todos da equipe!!!