Bem-vindo (a) ao site do Porvir

Aqui, mapeamos, difundimos e promovemos a troca de práticas educacionais inovadoras

Boas inspirações!

Crédito: Manoel Ribas

Como Inovar

Aproximação das famílias e tempo integral revitalizam escola do Paraná

Com gestão inovadora, Colégio Estadual Manoel Ribas diversifica currículo e firma parceria com instituições para revitalização do espaço físico

por Redação na Rua 22 de outubro de 2015

Do Centro Referências em Educação Integral

Abrir a escola e convidar os pais para conhecer o cotidiano de seus filhos foi uma das soluções encontradas pelo Colégio Estadual Manoel Ribas para vencer a resistência ao processo de implementação da educação em tempo integral, iniciado em 2010, para os alunos dos anos finais do ensino fundamental.

O diretor da escola, Wilson João Alves, conta que a escola fica próxima a uma comunidade violenta e com alto nível de vulnerabilidade. A maioria dos pais dos alunos que estudam na escola vive como catador de papel. Em muitos casos, os filhos estudavam em um período e no outro auxiliavam os pais no trabalho.

Quando a escola passou a dar aulas em dois turnos, os alunos não podiam mais trabalhar com os pais e, por isso, houve certa resistência ao novo modelo. A escola resolveu, então, convidar os pais para conhecer a rotina de seus filhos.

“Eles podem ir à escola para comer com seus filhos e ver quem estão sendo bem alimentados; podem assistir a algumas aulas se quiserem. Também abrimos a escola em diversos sábados, com atividades para a comunidade. Aos poucos, o espaço escolar foi sendo valorizado por todos e hoje temos pouca resistência”, relata o diretor.

O currículo foi outra maneira de enfrentar essa resistência inicial. Ao contrário de muitas escolas, no Manoel Ribas as matérias da grade comum e da parte diversificada estão distribuídas entre o turno e o contraturno.

Para Wilson, essa forma de organização evita que alunos vejam algumas aulas como “importantes” e outras como “menos necessárias”; separem-as entre aulas “divertidas” e “chatas”.

“Como espalhamos as matérias pelo turno e pelo contra-turno, tantos os pais quantos os alunos passam a compreender que todas elas são igualmente relevantes para o desenvolvimento integral”, afirma.

Outro elemento importante para a revitalização do colégio foram as diversas parcerias que foram estabelecidas com universidades, órgãos públicos e com Organizações Não Governamentais (ONGs) .

O diretor conta que através de uma parceria com a Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR), os professores têm acesso à formação cotidiana. “Sem formação não dá para melhorar a qualidade do ensino”, enfatiza.

Os estudantes da universidade também fazem atividades com os alunos da escola sobre diversos temas, desde Direitos Humanos até prevenção de doenças parasitárias a partir de práticas de higiene.

O colégio mantém uma parceria com o Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) que atende às demandas que são sentidas pelos professores, a partir do diálogo com os adolescentes.

Outra medida importante foi revitalizar o espaço físico do colégio que, até 2010, estava deteriorado. As salas de aulas foram pintadas, alguns espaços foram reformados e foi construída até mesmo uma pista de skate para os estudantes.

O dinheiro para a construção da pista foi obtido pela escola em diálogo com os pais e principalmente com pequenos empresários do entorno do colégio, que levantaram os recursos necessários para concluir as obras.

Depois de construída, os alunos, pais e membros da comunidade foram chamados para fazer uma intervenção, pintando a pista.

“A construção foi pensada junto com os alunos que demandavam um espaço como esse para seu lazer. Construímos e os próprios estudantes, junto com a comunidade, pintaram o espaço”, conta Wilson.

Resultados

O colégio, antes da educação integral, era um e agora é outro. É dessa forma que o diretor define as transformações que foram sentidas nos últimos cinco anos. Os casos de violência, depredação do espaço público e até mesmo tráfico de drogas eram uma realidade dentro da escola.

“Os alunos vinham para o colégio, mas saíam, seja porque tinham que ajudar os pais no trabalho, seja porque não viam sentido em estar naquele espaço, ou porque tinham medo de sofrer com a violência”, relata Wilson.

As condições mudaram diante das transformações. Atualmente, a instituição é vista como um “território neutro” dentro da comunidade e isso foi fundamental para que os alunos frequentassem as aulas.

Wilson relata que o próximo passo é ampliar o ensino em tempo integral para os estudantes do ensino médio. A intenção é tentar implementar a educação profissionalizante a partir do ano que vem, mas isso ainda não está definido.

A dificuldade maior para tal ampliação é porque o estado do Paraná ainda não tem um programa específico para o ensino médio. Segundo a assessoria de imprensa da Secretaria de Educação do Estado, o governo estadual ”estuda é a possibilidade de implementar um piloto de educação integral no ensino médio em 2016. Mas isso está em análise”.

Mesmo sem um programa de educação integral, a escola mantém aulas e atividades à disposição dos adolescentes do ensino médio, iniciativa definida a partir da demanda dos próprios estudantes que se formaram já com o novo modelo adotado no ensino fundamental.

“Os estudantes que estão entrando agora no ensino médio são mais participativos e demandam da escola. Por isso buscamos oferecer o máximo de atividades para eles, com cursos em direitos humanos, esportes e oficinas de dança”, explica o diretor do Manoel Ribas.

Desafios

Apesar dos inúmeros avanços, a escola encontra vários desafios e um dos principais é garantir que os professores tenham dedicação exclusiva e que o nível de rotatividade seja diminuído sensivelmente.

“Estamos em diálogo com a Secretaria de Educação para criar um operativo para garantir que os professores possam permanecer por mais tempo na escola, pois quando a troca é constante a educação é prejudicada”, explica.

Outra importante medida que o colégio está buscando é ampliar o número de disciplinas optativas na grade curricular. Atualmente, os estudantes têm apenas três aulas por semana, escolhidas livremente. As opções são aula de dança, coral e banda e alguns esportes.

*Fazem parte do Redação na Rua os sites Catraca LivreCentro de Referências em Educação IntegralGuia de EmpregosPortal AprendizPorvir e VilaMundo.

TAGS

brincadeiras, educação integral, engajamento familiar, ensino fundamental, uso do território