Como jogos apoiam a interação entre crianças com e sem deficiência - PORVIR
Crédito: kali9/iStock

Inovações em Educação

Como jogos apoiam a interação entre crianças com e sem deficiência

Na retomada gradual das aulas presenciais, brincadeiras e materiais lúdicos ajudam no desenvolvimento de todas as crianças e promovem inclusão de alunos com algum tipo de deficiência

Parceria com Brink Mobil

por Maria Victória Oliveira ilustração relógio 3 de fevereiro de 2022

Além das dificuldades na entrega e acesso aos conteúdos pedagógicos, o fechamento das escolas em razão da pandemia da Covid-19 provocou outra consequência, principalmente para crianças: a falta de convivência com seus pares e estímulos sociais. Essa realidade foi ainda mais desafiadora para crianças com deficiência, que, em muitos casos, ficaram isoladas até mesmo do convívio de familiares para evitar a contaminação pelo novo vírus.

Nesse sentido, Ana Karine Chiquim, coordenadora pedagógica da Brink Mobil, aponta o uso de jogos e brincadeiras como uma ferramenta potente para facilitar a aprendizagem e promover o contato e socialização de crianças com e sem deficiência durante a retomada gradual das aulas presenciais, além de ajudar na formação de valores e aquisição de conhecimentos.

“Hoje, uma educação inclusiva de qualidade não pode estar desassociada da brincadeira e do jogo, porque é por meio delas que a criança vai desenvolver uma série de capacidades e terá seu pleno desenvolvimento, compreendendo a questão de conteúdos, de atividades de seu cotidiano como as regras, as interações com os objetos e o meio e a diversidade de linguagem”, diz Ana.

Para Idamaris Costa, diretora do Centro de Atendimento Educacional Especializado – CAEE Professor Osny Macedo Saldanha, do IPC (Instituto Paranaense de Cegos), ao trabalhar com jogos e atividades, é primordial selecionar materiais e estímulos adequados à faixa etária.

“É através do lúdico que as crianças se observam mutuamente, movimentam-se juntas, imitam e participam de jogos e atividades, o que proporciona o desenvolvimento integral e uma maior interação entre todos”, reforça.


Ouça agora o sexto episódio de O Futuro se Equilibra, sobre acessibilidade na educação:


A importância do convívio
De acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), cerca de 24% da população brasileira – quase 46 milhões de pessoas – declararam ter algum grau de dificuldade em enxergar, ouvir, caminhar ou subir degraus, ou possuir deficiência mental/intelectual.

Mesmo que seja alta a parcela da população com algum tipo de deficiência, essas pessoas ainda não estão totalmente incluídas em todos os espaços da sociedade. Para Camila Aguiar, assistente de formação do Instituto Rodrigo Mendes, e Lailla Micas, editora do portal DIVERSA, a convivência entre crianças com e sem deficiência possibilita o aprendizado concreto sobre a importância da diversidade e o respeito às diferenças humanas, fortalecendo o repertório social e emocional de todas as crianças e, por consequência, de todas as pessoas pertencentes a sua rede de convívio.

A dupla cita que estudos e pesquisas do campo acadêmico reforçam os benefícios dessa integração, e defende que por meio da convivência é possível desenvolver empatia, habilidades emocionais e de resolução de conflitos. Além disso, a promoção desse contato pode constituir uma ferramenta para identificar as possíveis barreiras que impedem a plena participação das crianças com deficiência em igualdade de condições com as demais crianças.

“Assim, podemos nos mobilizar para eliminar estas barreiras, garantindo o direito de acesso à educação inclusiva, de qualidade e equitativa e promovendo oportunidades de aprendizagem ao longo da vida para todas as crianças, conforme um dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável [ODS] da Organização das Nações Unidas”, comentam.

Ana Karine completa e lista uma série de habilidades que podem ser desenvolvidas a partir dessa convivência: tolerância, respeito, empatia, solidariedade, autonomia, limites, aspectos emocionais, concentração, coordenação motora, atenção, raciocínio, criatividade, interações sociais, entre outros pontos.

A coordenadora da Brink Mobil reforça, ainda, que a inclusão não se limita à permanência física de alunos com deficiência em sala de aula junto a outros estudantes. “A inclusão só acontece na prática, e representa a ousadia de rever concepções e paradigmas, pensando em como desenvolver o potencial dessas pessoas respeitando suas diferenças e atendendo suas necessidades, sempre olhando para esses alunos como sujeito de direitos e desejos como qualquer outro.”


Leia também:

Professor da Bahia mobiliza escola e famílias ao levar Libras à educação infantil

Projeto cria pontes entre escolas para apoiar a inclusão

Tecnologias e bolsas ajudam, mas inclusão exige intencionalidade

Brincar ao ar livre nunca foi tão urgente, dizem especialistas


Jogos como mediadores
Considerando os desafios enfrentados durante quase dois anos de pandemia, Camila e Lailla defendem que o uso de jogos e materiais pedagógicos acessíveis são uma ferramenta muito importante para a uma nova aproximação e o restabelecimento de vínculos entre as crianças e toda a equipe escolar. Se trabalhadas a partir de uma perspectiva inclusiva, essas atividades podem eliminar barreiras e garantir a participação de todas as crianças.

“Os materiais pedagógicos acessíveis, construídos a partir da realidade de cada turma, consideram as especificidades de todas as crianças com ou sem deficiência, fortalecendo a compreensão de que todos possuem habilidades e potencialidades e que é responsabilidade coletiva dar espaço para que elas sejam reconhecidas e ampliadas”, afirmam.

Na aula de educação física, por exemplo, é possível promover jogos, brincadeiras, atividades lúdicas, danças e lutas a serem realizadas conjuntamente por todas as crianças, estimulando habilidades desde a motricidade até a cooperação para resolução de conflitos. Por acreditar na possibilidade desse trabalho pedagógico inclusivo, o Instituto Rodrigo Mendes desenvolveu, em parceria com o Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância), o curso gratuito Portas Abertas para Inclusão – Educação Física Inclusiva.

“Em Belo Horizonte, na Escola Municipal Dom Orione, educadoras cursistas do Portas Abertas para Inclusão adequaram o jogo de bocha para que se tornasse inclusivo. Os estudantes praticavam em dupla, variando a forma de arremesso em pé, sentados e até com a calha adaptada para que todos jogassem nas mesmas condições. O tapete esticado na quadra evitava que as bolas rolassem demais e os arremessos eram alternados, totalizando três para cada time, que deveria usar sempre a mesma cor de bola.”

Para Idamaris, as trocas e aprendizagens que a brincadeira proporciona no ambiente escolar foram dificultadas com a chegada da pandemia. Entretanto, é importante continuar o uso desses recursos, sobretudo na retomada às aulas presenciais. “Quando pensamos em jogos, todos podem ser usados com viés pedagógico e também devem ser adaptados de acordo com o público que será atendido. Crianças com deficiência visual, por exemplo, precisam de atividades interativas e adaptadas para propiciar sua aprendizagem e participação”, comenta.

Desenvolvimento no jogo
Outro ponto que merece destaque é a possibilidade dos jogos e brincadeiras incentivarem o desenvolvimento de todos os estudantes.“Os jogos ajudam a estruturar a personalidade do aluno, que passa a conhecer as relações com o mundo a partir de suas experiências. É por meio dessa interação com o mundo e com a brincadeira que ele vai aprendendo a se comunicar e a se relacionar nesse meio social que nós vivemos”, reforça Ana.

Para a coordenadora pedagógica, além de promover o desenvolvimento de crianças com e sem deficiência, pensar a educação pelo viés da ludicidade propõe um sistema de aprendizado mais satisfatório e prazeroso, que contribui para internalizar experiências e conhecimentos.

Quer conhecer equipamentos recreativos e brinquedos pedagógicos?
Clique e acesse

Brink Mobil

TAGS

brincadeiras, educação inclusiva, educação infantil, inclusão

Cadastre-se para receber notificações
Tipo de notificação
guest
0 Comentários
Comentários dentro do conteúdo
Ver todos comentários
Conheça os professores homenageados na exposição do Porvir no Museu Catavento (SP)Saiba mais
0
É a sua vez de comentar!x
()
x