Pesquisa nacional analisa violência contra professores e comunidade escolar - PORVIR
Crédito: Rodrigo Zaim - R.U.A Foto Coletivo

Inovações em Educação

Pesquisa nacional analisa violência contra professores e comunidade escolar

Dados obtidos com questionário online devem apoiar elaboração de políticas públicas e um canal de denúncias em parceria com o Disque 100

por Ana Luísa D'Maschio ilustração relógio 11 de junho de 2024

O Onve (Observatório Nacional da Violência contra Educadoras/es) acaba de lançar um movimento de pesquisa e ação para produzir dados nacionais sobre a perseguição a educadores de todo o país. A concepção do termo abrange todos os profissionais envolvidos na escola: diretores, merendeiras, porteiros, técnicos de assuntos educacionais, além, claro, dos próprios professores, da educação básica e do ensino superior, de instituições públicas e privadas. 

📳 Inscreva-se no canal do Porvir no WhatsApp para receber nossas novidades

Intitulado “A violência contra educadores como ameaça à educação democrática: um estudo sobre a perseguição de educadores no Brasil”, o estudo é composto por um questionário online, disponível no site do Observatório até o final de julho.  Além do questionário, haverá uma fase de entrevistas com uma amostra selecionada dos participantes. Os resultados estão previstos para serem divulgados em setembro. 

O Onve é um projeto de extensão vinculado à Faculdade de Educação da UFF (Universidade Federal Fluminense), que reúne pesquisadores, estudantes de graduação e pós-graduação. Foi criado em parceria com a Secadi (Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização de Jovens e Adultos, Diversidade e Inclusão) do MEC (Ministério da Educação).

Dica
Lançado pelo Porvir, o guia especial “Escola Livre de Ódio” traz recursos, boas práticas e experiências inspiradoras para que as escolas desenvolvam seus processos com o objetivo de vivenciar uma cultura de paz. Acesse já!

A partir da pesquisa, será criado um banco de dados para que possa ser feita uma estimativa do que acontece em todo o Brasil em termos de violência contra educadores. Esse material também apoiará políticas públicas sobre violência. 

“Nossa expectativa é que, se conseguirmos dados significativos sobre a violência, eles possam ajudar na elaboração de políticas públicas pelo MEC e, também, pelos governos estaduais e municipais”, afirmou Fernando Penna, professor da Faculdade de Educação da UFF e coordenador do Observatório, à Agência Brasil. 

➡️ Leia também: um levantamento da ONG Nova Escola e do Instituto Ame Sua Mente mostra que os casos de agressões e violência contra professores e funcionários de escolas aumentaram 20% em 2023 se comparados a 2022. Clique para ler a íntegra da pesquisa.

Relacionadas

Cultura de paz: 5 pontos de atenção para as escolas

ACESSAR

Combate à violência na escola começa por escuta e acolhimento de estudantes, professores e

ACESSAR

O que significa um ataque em escola para educadores e estudantes

ACESSAR

Ações do Onve

O Observatório deve elaborar um documento técnico para apoiar a criação de um canal de denúncias em parceria com o Disque 100, em acordo de cooperação com o Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania. Também está no escopo do Observatório a elaboração de protocolos para atendimento e acolhimento jurídico e psicológico para os educadores que sofrem violência. 

“Certamente, os dados da pesquisa irão contribuir para isso. O Disque 100 é uma política pública muito importante. Vai ser ótimo ter um protocolo específico para os professores e professoras reconhecidos como categoria vulnerável no Disque 100”, avalia o coordenador.

Em pesquisas anteriores, os educadores ouvidos indicaram que o acolhimento jurídico e psicológico eram suas principais demandas. De acordo com Fernando Penna, o Onve tem equipes jurídica e psicológica que estão trabalhando na elaboração desse protocolo, que deverá ser viabilizado em parceria com a sociedade civil e sindicatos, porque o observatório não tem estrutura suficiente para fazer esse acolhimento em nível nacional. “A gente vai discutir esse protocolo e fazer parcerias para que os grupos que defendem educadores possam implementá-lo”, afirma.

Confira como foi o lançamento:

*Com informações da Agência Brasil


TAGS

carreira, gestão escolar

Cadastre-se para receber notificações
Tipo de notificação
guest

0 Comentários
Comentários dentro do conteúdo
Ver todos comentários
Canal do Porvir no WhatsApp: notícias sobre educação e inovação sempre ao seu alcanceInscreva-se
0
É a sua vez de comentar!x