Vaquinha virtual muda a vida de alunos e professores - PORVIR
Crédito: M.studio/Fotolia.com

Inovações em Educação

Vaquinha virtual muda a vida de alunos e professores

Na abertura do SXSWEdu, nos EUA, fundador do DonorsChoose.org diz que a filantropia pode transformar sistemas educacionais

por Tatiana Klix ilustração relógio 10 de março de 2015

Em 2000, Charles Best tinha 25 anos, era professor de uma escola pública do Bronx, em Nova York, e se frustrava com a falta de recursos para comprar materiais ou organizar viagens de campo para seus alunos. Ao mesmo tempo, percebia que muitas pessoas tinham interesse em fazer doações para educadores realizarem seu trabalho em melhores condições. Para juntar essas duas pontas, criou um site, que ele acredita − 15 anos depois − ser o caminho para a filantropia transformar a educação, assim como os sites de financiamento coletivo, como o Catarse e o KickStarter, conseguiram potencializar a concretização de boas ideias.

“O financiamento coletivo tem potencial para revolucionar o sistema educacional e todas as pessoas podem participar diretamente dessa mudança”, disse o fundador do DonorsChoose.org, na abertura do SXSWEdu, em Austin, Estados Unidos, na segunda-feira. O Porvir acompanha in loco o evento que ocorre até quinta-feira e abriga 400 sessões sobre inovações educacionais, em que educadores, empreendedores, gestores, desenvolvedores e pesquisadores debaterão tendências, práticas, desafios e ferramentas para o setor.

Quando teve a ideia de criar um site para conectar diretamente professores e doadores, Best chegou levar doces para seus colegas postarem os primeiros 11 projetos para os quais precisavam recursos no DonorsChoose.org e fez do próprio bolso – de forma anônima – a primeira doação. “Como eles não sabiam quem tinha financiado o projeto, passaram a acreditar que o site funcionava”, relatou de forma bem humorada em palestra para cerca de 800 pessoas em Austin. Depois, ainda contou com a ajuda de alunos da sua escola, que escreveram milhares de cartas para sensibilizar doadores em todo o país a entrarem DonorsChoose.org, e implorou por divulgação na mídia.

O esforço funcionou. Após 15 anos, Best não é mais professor, e seu site já intermediou doações que somam US$ 313 milhões para projetos em 63% das escolas públicas dos Estados Unidos que beneficiaram 14 milhões de estudantes. Pelo DonorsChoose.org, qualquer professor americano pode pedir recursos para concretizar projetos educacionais que tornem suas aulas mais significativas e desenvolvam seus estudantes. Entre os desejos estão desde impressoras 3D, para realizar projetos na área de ciências no ensino médio, até tinta e papel, para atividades artísticas de crianças do jardim da infância. Do outro lado, qualquer pessoa pode doar quantias a partir de US$ 10 para concretizar trabalhos que acharem interessante.

Cada professor experiente da nossa rede contribuiu revisando projetos com os quais têm afinidade

Para garantir que a realização dos desejos dos professores realmente tenha um impacto educacional positivo, o site se compromete em verificar o que os alunos vão aprender com seus projetos. Essa checagem, que em princípio era realizada pela equipe do DonorsChoose.org e demorava 10 dias para ficar pronta, agora é feita em um dia pela própria rede de professores voluntários do site. “Cada professor experiente da nossa rede contribui revisando projetos com os quais têm afinidade”, explicou.

Outra providência tomada para evitar que as doações não sejam desviadas ou mal utilizadas é entregar os recursos arrecadados em materiais e não em dinheiro. Para completar o ciclo, cada doador recebe fotos, mensagens de agradecimento de professores e alunos e um relatório sobre como o recurso foi gasto e que impacto os materiais adquiridos causaram. “É um processo absolutamente transparente e direto, sem intermediários”, explicou o fundador do DonorsChoose.org, que não se contenta em ter inventado apenas uma ferramenta de filantropia para resolver problemas pontuais.

Best acredita que as vaquinhas virtuais aplicadas à educação são um movimento que pode causar impacto no sistema. Na apresentação, ele elencou três motivos para defender sua tese. Em primeiro lugar, entende que o site ajuda empreendedores e inventores a introduzirem novos produtos dentro das salas de aula, sem precisar passar por processos burocráticos e conversar com gestores e diretores. “Agora, eles podem chegar direto nos professores”.  A base extensa de dados gerada pela ferramenta, segundo ele, também está recolhendo informações valiosas sobre as necessidades dos professores e sobre o que eles querem. “Nossos dados dão voz aos professores”, explica.

Falamos com o coração dos professores, não com o bolso

Por último, Best relatou que a partir do financiamento de grandes doadores, o site está premiando com novos recursos professores cujos alunos passaram em exames de ciências e matemática ou de meninas que aprenderam a programar, por exemplo. Dessa forma, segundo Best, a ferramenta se propõe a resolver desafios maiores. “Não estamos dando dinheiro para os professores, mas equipando suas escolas a partir do desempenho de seus alunos. Falamos com o coração dos professores, não com o bolso”, concluiu.

A editora do Porvir, Tatiana Klix, acompanha o SXSWedu de Austin.


TAGS

financiamento coletivo, sxswedu

7
Deixe um comentário

avatar
500
0 Comentários ao conteúdo
0 Respostas a comentários
0 Seguidores
 
Comentário com mais reações
Comentário em alta
0 Autores
Quem acabou de comentar
  Acompanhar a discussão  
Mais recentes Mais antigos Mais votados
Tipo de notificação