Bem-vindo (a) ao site do Porvir

Aqui, mapeamos, difundimos e promovemos a troca de práticas educacionais inovadoras

Boas inspirações!

Crédito: Sveta Gaintseva / Fotolia.com

Como Inovar

Como levar o debate sobre política e democracia para a escola

Veja dicas de vídeos e materiais que podem ser usados para discutir temas como democracia, impeachment e direitos humanos com alunos

por Marina Lopes / Maria Victória Oliveira 24 de março de 2016

Nas últimas semanas, a crise política brasileira monopolizou noticiários, virou tema de conversas – e até brigas – entre amigos e familiares e repercutiu nas redes sociais. Diante de tantas discussões e incertezas, também entrou nas salas de aula, mesmo quando os professores não planejaram abordar o tema. Mas a política deve ser tema de sala de aula? Especialistas consultados pelo Porvir dizem que sim e defendem a importância de tratar, no contexto atual, de questões relacionadas ao funcionamento das instituições políticas, princípios da democracia e cidadania.

Pedro Markun, um dos autores do livro Quem Manda aqui?, que discute alguns mecanismos políticos de forma leve, colorida e própria para crianças, é um dos que defende tratar do assunto desde cedo . “Eu acredito que quando a gente conversa com a criança sobre qualquer coisa, ela se instrumentaliza para entender melhor esse assunto”, afirma Markun, que faz parte do Laboratório Hacker.

Ele conta que, quando sua primeira filha nasceu, pensou como iria conversar sobre política com ela. Em contraponto, defende que “é uma burrice pensar que crianças não conseguem conversar sobre assuntos complexos. Você fala de política com seu filho, só não percebe”. A ideia do livro Quem Manda Aqui?, portanto, é ser um instrumento para que as famílias consigam iniciar o debate com seus filhos. “Criar mecanismos que facilitam um primeiro ponto de contato com a política é extremamente saudável”.

Além disso, Markun ressalta que é preciso mostrar aos pequenos que, apesar de ser um campo complexo, onde existem divergências de pensamento, a educação política é o melhor caminho para formar adultos conscientes. “É muito importante que a gente comece a educar as crianças politicamente desde cedo, senão a gente vai ter uma classe adulta política igual a de hoje, de adultos despreparados para falar sobre política, raivosos e que não conseguem discutir amigavelmente com o coleguinha”.

E como aproximar crianças e adolescentes desse debate? Para Bruno Bissoli, cofundador e educador do Pé na Escola, um negócio social voltado para educação em direitos e democracia, os alunos já demonstram naturalmente interesse em temas como direitos humanos e política. No entanto, a escola precisa abrir espaço para que eles possam se expressar. “Isso é essencial para o exercício da nossa cidadania, mas desde sempre acabamos tendo que aprender como autodidatas. A escola se mantém muito distante disso, sendo que é uma matéria essencial para que a gente atue como um cidadão pleno”, reflete.

Leia mais: Pé na Escola reúne direito e educação para empoderar jovens

Antes de inciar um diálogo sobre o tema, a também cofundadora Vanessa Pinheiro afirma que os educadores devem sair da posição de quem tem a verdade, para ouvir o que os estudantes têm a dizer. “O professor também tem um papel de trabalhar dentro de si os seus próprios preconceitos e discursos que ele está reproduzindo”, afirma. Segundo ela, uma estratégia interessante é incentivar que os alunos possam criar suas próprias regras internas para que o debate possa dar espaço a todos.

Ao dar voz para os alunos, os educadores devem se colocar em uma posição de mediador. De acordo com Mariana Vilella, cofundadora e educadora do Pé na Escola, eles precisam analisar se a conversa está fluindo de forma democrática e se todos estão conseguindo colocar o seu posicionamento. “O educador tem um papel bastante importante de mediar o diálogo, uma coisa que está faltando tanto na política e na educação”, explica.

Em tempos de discussões acirradas, Mariana menciona que é importante tornar o debate mais complexo, saindo de uma divisão polarizada entre bem e mal, para tentar entender como existem outras leituras da realidade. “Temos que colocar o estudante em uma posição que não é confortável para ele e forçar que ele também se coloque no lugar do outro”, afirma. Ela também defende que a escola não fique apenas no diálogo sobre política, mas também proponha a criação de projetos e pesquisas que possam refletir essa lógica de participação democrática. “Mais do que passar conceitos, a nossa preocupação principal é passar uma mensagem sobre o que é o pensar e o agir politicamente.”

Para os educadores que desejam abordar assuntos relacionados a política e democracia, o Porvir também separou alguns materiais que podem subsidiar a discussão. Confira a lista:

Infográfico conta a história da cédula eleitoral
Da cédula de papel ao sensor biométrico, o infográfico interativo mostra a evolução do voto ao longo da história história. A linha do tempo começa em 1889, no período da República Velha, e passa por diferentes momentos, como a criação do envelope oficial para cédula (1930) ou a informatização do sistema (1985).

Games mostram movimentações políticas nacionais
Em uma série de cinco games, são apresentadas movimentações políticas nacionais e elementos da democracia de forma divertida. Com uma linguagem de histórias em quadrinhos, o jogo Agentes do Destino analisa causas e consequências de períodos históricos desde a Revolução de 30 até os dias atuais.

Site traz assunto de gente grande para gente pequena
Desenvolvido pelo Ministério Público Federal, o site Turminha do MPF traz diversos conteúdos que explicam temas como eleições, para que servem as leis e direitos das crianças. O site ainda conta com uma série de jogos e atividades, além de uma seção que explica o significado de termos como administração pública e corrupção.

Portal apresenta a Câmara para crianças
O portal Plenarinho é um canal da Câmara dos Deputados voltado para o universo infantil. O site traz notícias, jogos, indicações de leitura e animações que explicam sobre o funcionamento da Câmara dos Deputados, o que é um projeto de lei, entre outros temas.

Série de vídeos no YouTube sobre o sistema político brasileiro
A série “E eu c/ isso?” explica, de forma simples e rápida, como funciona o sistema político brasileiro. Ao todo, são quatro vídeos curtinhos (o maior deles tem três minutos) que, com a ajuda de desenhos, explica as esferas de poder (executivo, legislativo, judiciário), quem faz parte de cada um deles e quais são seus papéis. O personagem principal é o João que, ao longo da série, vai entendendo seu papel político.

Canal de vídeos no YouTube apresenta termos políticos de forma didática
Para os fãs de vídeos, o canal Política sem mistérios também explica o assunto de forma bem didática. A maioria dos 25 vídeos traz ilustrações coloridas, com direito a bonequinhos de políticos, que ajudam a abordar temas desde os mais simples até os mais complexos. O que é política, a diferença entre Câmara, Senado e Congresso, o que é o marco civil, lei antiterrorismo e a diferença entre referendo e plebiscito estão na lista.

Site apresenta o bê-á-bá de termos e temas políticos
Acompanhando temas que estão em discussão na agenda política nacional, o Politize traz explicações sobre termos e acontecimentos de Brasília. Com o objetivo de levar educação política, o site produz conteúdos em uma linguagem acessível e descomplica assuntos como corrupção, política externa e funcionamento dos três poderes.

Vídeo mostra como funciona um processo de impeachment
O vídeo produzido pela Agência Pública apresenta o passo a passo de um processo de impeachment, tema que tem aparecido com frequência nos noticiários ou até mesmo em discussões. Por meio de animações, ele também mostra qual seria uma eventual linha de sucessão do governo em caso de impeachment.

Site ajuda a criar votações com uma urna para computador
Se você quer fazer uma votação de forma mais parecida com uma eleição, precisa conhecer o Apertaquem. Trata-se de uma urna eletrônica para Windows que pode ser usada em enquetes ou até mesmo em eleição de grêmios estudantis. No site, estão disponíveis as versões gratuita e premium que, para escolas públicas, sai por R$ 24,00.

Livro “Quem manda aqui” discute política com crianças 
Criado a partir de seis oficinas realizadas com crianças de São Paulo e Ouro Preto, em Minas Gerais, o livro Quem Manda aqui? é o primeiro de uma série de livros infantis sobre política, especialmente para os pequenos. Disponível gratuitamente online e nas livrarias, o livro, iniciativa do Laboratório Hacker, foi inicialmente financiado por uma campanha de financiamento coletivo.

Declaração dos Direitos Humanos
Apesar de ter sido proclamada em 1948, muita gente ainda não conhece todos os 30 direitos e liberdades listados na Declaração dos Direitos Humanos. Entretanto, o estudo desse documento é importante para que as crianças conheçam seus deveres, responsabilidades e saibam o que espera-se de um cidadão consciente.

TAGS

ensino fundamental, ensino médio, jogos, recursos educacionais abertos, videoaulas