Bem-vindo (a) ao site do Porvir

Aqui, mapeamos, difundimos e promovemos a troca de práticas educacionais inovadoras

Boas inspirações!

Crédito: Ascom da SME/Cabo

Inovações em Educação

Escola de Pernambuco cria teatro sem palavras

Alunos e professora se mobilizam para aprender Libras e montam grupo de teatro com proposta inclusiva

por Criativos da Escola 21 de janeiro de 2016

Vitória, Júlia e Williane, do 8º ano da Escola Municipal Professor Antônio Benedito da Rocha, em Cabo de Santo Agostinho (PE), a 37 quilômetros do Recife, queriam muito participar das aulas de teatro da professora Evânia Copino. Por terem deficiência auditiva, as alunas não conseguiam se comunicar direito com os demais colegas e acabavam ficando de fora, apesar de amarem teatro.

Ao perceberem o interesse e a vontade das três em fazer parte do grupo, os alunos ouvintes e a professora acolheram o desafio e resolveram criar uma trupe inclusiva. O “Teatro Sem Palavras” é um grupo composto por vinte participantes: 17 ouvintes, duas alunas surdas e uma com deficiência auditiva.

Para participar, é preciso ter mais do que vontade de atuar: é necessário querer aprender uma nova língua. Todos os participantes são inseridos no mundo das Libras e começam a se comunicar com as mãos e o coração. As encenações são realizadas por meio de traduções de músicas e poesias para Libras. A inspiração? As obras do mestre do cinema mudo Charles Chaplin. Para aprimorar o trabalho com o grupo, a professora está cursando uma pós-graduação em Língua Brasileira de Sinais.

A iniciativa dos alunos abriu caminhos para que novas amizades fossem formadas e trouxe luz para o cenário que, antes, era triste para as alunas que não participavam. Vitória Santana, que escuta apenas parcialmente, conta o impacto que a iniciativa teve na sua vida social. “Ninguém sabia Libras e eu era muito só, mas quando entrei no teatro, todos começaram a me chamar para perguntar sobre os sinais, porque eles não entendiam. Eu fiz amigos e ajudei todo mundo a entender mais sobre Libras.”, diz.

Tamires Silva, aluna ouvinte, também fala da importância das novas amizades. “Para mim o teatro foi importante porque me aproximei delas. Muitas pessoas discriminam, não dão valor”, explica. Danille Rebouças, também ouvinte, reforça o vínculo entre elas. “Somos todas amigas, elas me ajudam e eu ajudo elas”, conta.

Estamos construindo um ambiente seguro e igualitário, onde todos são respeitados e aceitos

“Estamos construindo um ambiente seguro e igualitário, onde todos são respeitados e aceitos”, conta a professora Evânia.“Isso os faz confiar e revelar suas potencialidades, que vão além das deficiências e/ou fragilidades que todos nós apresentamos”, continua. Com o teatro, os alunos estão desenvolvendo a socialização, o cuidado consigo e com os demais e o sentimento de pertencimento ao grupo, rompendo as barreiras da exclusão.

Há três anos, a cidade onde a escola está localizada está sem um teatro para receber as apresentações da trupe. Mas o grupo não desanimou e as peças entram em cartaz no auditório da escola, que recebe muitos estudantes e moradores da cidade para prestigiar as montagens. Williane da Silva, aluna surda, conta em Libras o sucesso de sua participação. “Eu amo o teatro porque me apresento para as pessoas e elas me parabenizam pelo meu entusiasmo”, diz.

Mais do que incluir as meninas no contexto escolar, todos foram incluídos na realidade das alunas surdas e a escola passou a ser um espaço de aprendizagem e quebra de barreiras. “Foi interessante aprender Libras, quero ser intérprete!”, comemora Danille. “Se não fosse esse curso de teatro, eu nunca teria falado com as minhas colegas surdas”, acrescenta.

TAGS

ensino fundamental, inclusão