1 em cada 3 jovens brasileiros está sem trabalhar e sem estudar - PORVIR
Crédito: oatawa/iStock

Inovações em Educação

1 em cada 3 jovens brasileiros está sem trabalhar e sem estudar

Levantamento da OCDE mostra que o Brasil está atrás apenas da África do Sul quando se fala de jovens entre 18 e 24 anos sem estudar ou trabalhar

por Redação ilustração relógio 3 de outubro de 2022

África do Sul: 46,2%. Brasil: 35,9%. Holanda: 4,6%. As porcentagens, que se referem ao número de jovens entre 18 e 24 anos que estão sem estudar e sem trabalhar, foram divulgadas nesta segunda-feira (3) pelo relatório Education at a Glance 2022, da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico).

O segundo lugar do Brasil entre os jovens que não estudam ou trabalham é um dos destaques do estudo internacional, que traz os principais indicadores educacionais dos 38 países-membros da OCDE, bem como países-chave e parceiros da organização, como Brasil, Argentina, China, Indonésia, Arábia Saudita e África do Sul. 

Segundo as recomendações do relatório, é essencial que exista uma política para que esses jovens consigam ter acesso a oportunidades educacionais e ao mercado de trabalho. Para quem já enfrenta essa situação, sugere o estudo, é necessário encontrar caminhos de volta para a educação ou para o trabalho. A porcentagem de jovens entre 18 e 24 anos desempregados há mais de 12 meses no Brasil também é uma das mais elevadas do mundo, ao lado de Grécia, Itália e África do Sul, em torno de 5%. A média geral dos países que integram a OCDE é de 1,4%. 

Portas fechadas

Em 2020, aproximadamente 1,5 bilhão de estudantes, de 188 países, ficaram longe da escola devido à pandemia da Covid-19. À medida que as vacinas foram disponibilizadas ao longo de 2021, as aulas voltaram gradativamente em todo o mundo. O número de dias nos quais as escolas foram totalmente fechadas durante o ano letivo de 2019/20 também variou consideravelmente entre os países participantes da pesquisa. 

Nos dois anos de pandemia, atrás apenas do Chile, Letônia e Polônia, as escolas brasileiras ficaram 178 dias sem aulas, ocupando o quarto lugar em todo o mundo, e a segunda posição entre os países da América do Sul. 

Relacionadas

Mais da metade dos jovens dizem ter ficado para trás nos estudos

ACESSAR

Relatório alerta para cenário de desilusão do jovem em razão da pandemia

ACESSAR

Maioria dos estudantes de ensino médio busca formação para o mundo do trabalho

ACESSAR

O documento ainda ressalta que, em 2022, os programas nacionais de apoio aos alunos afetados pela pandemia foram implementados nos ensinos fundamental e médio, incluindo ajustes nos currículos e a busca ativa de estudantes. 

Outros destaques do Education at a Glance 2022 no Brasil:

  • Existem grandes diferenças de escolaridade entre os estados brasileiros. O Distrito Federal tem a maior proporção de pessoas de 25 a 64 anos com nível superior (32%) e o Maranhão, o menor resultado (7%).
  • Apenas 0,8% da população brasileira possui mestrado e 0,3% tem doutorado. 
  • No Brasil, 75% dos alunos do ensino superior estão matriculados em escolas particulares, porcentagem elevada se comparada à média de toda a OCDE, 17%.

A íntegra do documento (em inglês) está disponível neste link.


TAGS

ensino médio, juventudes

Cadastre-se para receber notificações
Tipo de notificação
guest
0 Comentários
Comentários dentro do conteúdo
Ver todos comentários
Conheça os professores homenageados na exposição do Porvir no Museu Catavento (SP)Saiba mais
0
É a sua vez de comentar!x
()
x