10 frases da cobertura do Porvir em 2015 que valem um tweet - PORVIR
crédito: jpgon/Fotolia.com

Inovações em Educação

10 frases da cobertura do Porvir em 2015 que valem um tweet

Compartilhe ideias e depoimentos que estiveram presentes em reportagens e entrevistas publicadas ao longo do ano

por Redação ilustração relógio 30 de dezembro de 2015

Formação de professores, competências para o século 21, avaliação, tecnologia, habilidades socioemocionais, autonomia para o aluno, experimentação, conectividade, educação integral. Ufa! Esses foram alguns dos muitos assuntos tratados pelo Porvir em 2015.

Como uma forma de relembrar professores, gestores educacionais, alunos e os outros interessados em transformar a educação brasileira que nos inspiraram, a equipe separou 10 frases que estiveram presentes na cobertura que valem um tweet. Compartilhe clicando no ícone do Twitter abaixo de cada frase abaixo!

 

“Se não cuidarmos dos professores da educação básica, estamos fadados a ter dados educacionais baixos”

Bernardete Gatti, vice presidente da Fundação Carlos Chagas, foi entrevistada para a série “Formação de Professores”, que debate como devem ser preparados os profissionais de educação.
Leia reportagens 

 

 

 “Quando o aluno entende a conexão entre o que está aprendendo e a vida real, ele não esquece”

Durante o Transformar 2015, Marjo Kyllönen, secretária de educação de Helsinque, na Finlândia, relatou as mudanças curriculares do país e falou sobre a importância do desenvolvimento das competências para o século 21.
Confira aqui o vídeo do evento

 

 

“O papel da escola não pode se limitar a competências acadêmicas, mas a uma gama de habilidades sociais”

Também no Transformar 2015, Jennifer Adams, diretora de Educação da rede escolar de Ottawa, no Canadá, compartilhou sua experiência de inserir habilidades socioemocionais no currículo das escolas.
Veja aqui o vídeo do evento

 

 

“A linguagem de um aluno para o outro é muito mais eficiente que o discurso acadêmico de um professor”

Na seção Diário de Inovações, o professor Luiz André Degaut relatou o seu projeto Aqui da Favela, que integrou escola e comunidade ao considerar as demanda da população e oferecer aulas expositivas na escola e nas ruas de bairro de Salvador (BA).
Confira a experiência

 

 

“Não queremos que a avaliação sirva para classificar alunos, mas seja contínua e ajude nas habilidades”

No “Painel de Avaliação: educação e tecnologias digitais”, realizado em junho, Rita André, coordenadora pedagógica da plataforma digital Geekie, comentou sobre novos métodos avaliativos e sobre a criação da Geekie Lab, ferramenta que fornece plano de estudo personalizado.
Saiba mais

 

 

“A verdadeira inclusão digital no Brasil, nas escolas públicas, se dará pelo celular”

O diretor de educação da Escola da Vila, Rodrigo Pimentel, comenta o projeto Google Expeditions, que traz conteúdos interativos à sala de aula com ajuda dos óculos de realidade virtual Google Cardboard. Os vídeos não demandam conexão à internet.
Conheça o projeto

 

 

“As decisões da escola não podem ser tomadas apenas pelos diretores. A escola foi feita para o aluno”

Em dezembro, o Porvir conversou com jovens que ocuparam as escolas em São Paulo. Entre eles, o aluno Allekxander Henrike Buniark, da Escola Fernão Dias Paes, defende que os estudantes querem ter mais voz.
Confira os relatos

 

 

“Os alunos estão muito rápidos, mas não estão atingindo seus objetivos por causa da internet lenta”

Maria Darcy Junqueira, diretora da Escola Estadual Santo Antônio, de Minas Gerais, conta como a baixa velocidade de conexão prejudica o desenvolvimento de trabalhos escolares e limita o potencial dos alunos. O segundo Dia da Conectividade contou com atividades em diversas escolas públicas brasileiras.
Leia os depoimentos 

 

 

“A escola não pode ser um momento de angústia para alguém que quer experimentar o mundo”

No Workshop “Do espaço escolar ao território educativo”, realizado em novembro na FAU-UFRJ e que discutiu a relação entre arquitetura, escola e cidade, a advogada Maria Antônia Goulart, coordenadora do movimento Down, afirmou que a escola deve incentivar diferentes formas de aprender.
Saiba mais sobre o evento 

 

 

“O brincar é a maneira pela qual as crianças adquirem estrutura física, emocional, intelectual e social”

Segundo o psicólogo Peter Gray, autor do livro Free to Learn (Livre para aprender), a promoção de oportunidades de auto-aprendizado, socialização e brincadeira proporcionam um aprendizado significativo às crianças.
Veja aqui a entrevista completa


TAGS

avaliação, brincadeiras, competências para o século 21, educação integral, educação mão na massa, socioemocionais, tecnologia

Deixe um comentário

avatar
500
  Acompanhar a discussão  
Tipo de notificação