Brasileiro disputa título de melhor professor dos EUA - PORVIR

Inovações em Educação

Brasileiro disputa título de melhor professor dos EUA

Eleito o melhor educador da Flórida, Alexandre Lopes dá palestras sobre inclusão social e estimula educadores americanos

por Redação ilustração relógio 3 de setembro de 2012

Em julho deste ano, Alexandre Lopes, 43 anos, foi eleito o melhor professor da rede estadual de ensino da Flórida, nos Estados Unidos, entre mais de 180 mil docentes. O brasileiro, natural de Petrópolis, especializou-se em educação infantil e dá aulas na Carol City Elementary, em um bairro de classe média baixa de Miami, onde montou um programa de inclusão. Suas turmas têm cerca de 13 alunos, parte pertencentes a minorias étnicas, filhos de imigrantes ou crianças com autismo.

Para estimular os alunos, o professor utiliza música, dança, brincadeiras e aparelhos tecnológicos, como uma lousa digital. As técnicas ajudam as crianças a se expressar e a reconhecer símbolos. “Acredito que a utilização desses elementos, de uma maneira integrada, exige uma certa criatividade por parte do educador que os coloca em prática”, afirma Alexandre, em entrevista ao Porvir.

E é esta criatividade que ele tem apresentado a outros educadores. Até a etapa final da disputa que irá eleger o melhor professor dos EUA, Alexandre dará palestras sobre seu trabalho em diversas cidades americanas. O Departamento Nacional de Educação do governo federal anunciará o vencedor da disputa em maio de 2013, em um evento na Casa Branca, em Washington, com a presença do presidente americano.

crédito Macy's/ Divulgação

“Jamais pensei que um dia me tornaria uma pessoa cuja função fosse a de inspirar. Tenho me surpreendido não só com a reação das pessoas como também com o grau de conforto que sinto dirigindo-me a grandes plateias”, conta o professor. Com uma abordagem holística, Alexandre orienta seus alunos a desenvolver habilidades motoras finas e fonológicas, preparando futuros leitores e escritores.

Alexandre destaca que um bom professor de educação infantil deve ter conhecimento da sequência na qual o desenvolvimento infantil ocorre na área motora, cognitiva, social e emocional. “O educador que possui este conhecimento sabe dizer onde a criança encontra-se em seu desenvolvimento e, a partir daí, encaminhá-la ao destino onde ela deve chegar”, aponta.

Radicado nos EUA desde 1995, Alexandre Lopes é formado em comunicação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), com mestrado em educação infantil pela Universidade de Miami. Atualmente faz doutorado na Florida International University. O título de melhor professor da Flórida rendeu um prêmio em dinheiro (US$ 10 mil). Ele já havia ganhado um carro na etapa regional, quando foi eleito o melhor professor do Condado de Miami-Dade.

crédito Macy's / Divulgação

Leia a entrevista concedida ao Porvir:

A grande diversidade de alunos na sua sala colabora para o seu trabalho ou o torna um desafio maior?

A diversidade torna o meu trabalho mais desafiante. No entanto, este desafio dá-me animo para continuar seguindo em frente. Eu acredito que quanto maior o desafio, mais enriquecedora é a recompensa que ele traz.

A troca de experiências entre as crianças com backgrounds distintos enriquece a aprendizagem?

Tenho certeza que meus alunos acumulam uma bagagem acadêmica, cultural, social e emocional muito maior do que estudantes da idade deles que frequentam escolas com homogeneidade demográfica.

O que você destacaria como fundamental para uma boa educação infantil?

Para que a inclusão de alunos com deficiências seja bem sucedida, turmas pequenas e programas com uma boa infraestrutura são, sem dúvida alguma, necessários. Uma boa educação infantil inclui um professor que tenha conhecimento da sequência na qual o desenvolvimento infantil ocorre na área motora, cognitiva, social e emocional. O educador que possui este conhecimento sabe dizer onde a criança encontra-se em seu desenvolvimento e, a partir daí, encaminhá-la ao destino onde ela deve chegar.

O trabalho que você desenvolve nos EUA poderia ser aplicado no Brasil?

Acredito que o trabalho que desenvolvo pode ser aplicado não somente no Brasil como também em qualquer parte do mundo. É claro que, além da verba necessária, existe também a necessidade da população ser educada de maneira que ela torne-se mais receptiva à filosofia de inclusão social.

 


TAGS

inclusão

4
Deixe um comentário

avatar
500
4 Comentários ao conteúdo
0 Respostas a comentários
0 Seguidores
 
Comentário com mais reações
Comentário em alta
4 Autores
Heyvimaria sonia aquino rodriguesmaria sonia aquino rodriguesHeyvi Quem acabou de comentar
  Acompanhar a discussão  
Mais recentes Mais antigos Mais votados
Tipo de notificação
Heyvi
Visitante
Heyvi

Fantástico.Precisamos do olhar do governo que se mantém cego, para implementar no Brasil. Aqui o professor é imperceptível. Muitos passam fome. Como conseguirão inovar, reciclar’, se falta dinheiro para o próprio e família?

Heyvi
Visitante
Heyvi

Fantástico.Precisamos do olhar do governo que se mantém cego, para implementar no Brasil. Aqui o professor é imperceptível. Muitos passam fome. Como conseguirão inovar, reciclar’, se falta dinheiro para o próprio e família?

maria sonia aquino rodrigues
Visitante
maria sonia aquino rodrigues

Parabéns! Professor Alexanre Lopes, que bom, idéias enovadora para educação como essa é que o mundo esta precisando. Já dizia minha vó; é de pequeno que torce o pepino,não sei o porque do pepino! mas, sei que é no jardim da infancia que aprendemos as melhores cousas da vida.

maria sonia aquino rodrigues
Visitante
maria sonia aquino rodrigues

Parabéns! Professor Alexanre Lopes, que bom, idéias enovadora para educação como essa é que o mundo esta precisando. Já dizia minha vó; é de pequeno que torce o pepino,não sei o porque do pepino! mas, sei que é no jardim da infancia que aprendemos as melhores cousas da vida.

X