Como ajudar os alunos a deixar a procrastinação de lado - PORVIR
Crédito: phototechno / Fotolia.com

Inovações em Educação

Como ajudar os alunos a deixar a procrastinação de lado

Os psicólogos descobriram razões pelas quais os estudantes adiam um trabalho importante

por Youki Terada, do Edutopia ilustração relógio 28 de fevereiro de 2020

Leonardo da Vinci passou quase 16 anos pintando a Mona Lisa – e nunca o completou. O autor do Guia do Mochileiro das Galáxias, Douglas Adams, escreveu: “Adoro prazos. Eu amo o barulho que eles fazem enquanto passam”. E Frank Lloyd Wright passou duas horas projetando a casa Fallingwater (uma das construções mais famosas do mundo) depois de demorar nove meses.

“A procrastinação é extremamente prevalente”, observou Piers Steel, professor de administração da Universidade de Calgary (Canadá), em um estudo de 2007. “As estimativas indicam que 80 a 95% dos estudantes universitários praticam procrastinação, aproximadamente 75% se consideram procrastinadores e quase 50% procrastinam de forma consistente e problemática.”

Se você é um professor de ensino fundamental ou médio, é provável que tenha procrastinadores em sua turma – aqueles que sempre esperam até o último minuto para entregar suas tarefas ou deixam de estudar até a noite anterior a uma prova. Esse atraso tem um custo: um estudo de 2015 constatou que, quanto mais os alunos da escola de negócios esperavam entregar uma tarefa, pior eram as notas, com as entregas de última hora custando a eles cinco pontos percentuais, em média, ou meio ponto. E uma meta-análise de 2015 confirmou esse resultado, descobrindo que a procrastinação estava associada a notas mais baixas em 33 estudos que incluíram mais de 38 mil estudantes (a maioria deles no ensino superior). Pior ainda, a pesquisa médica associou a procrastinação a níveis mais altos de estresse, depressão, ansiedade e fadiga.

É uma percepção comum de que os alunos que procrastinam o fazem porque não se importam com a tarefa – e isso geralmente está errado, argumentou Devon Price, professor de psicologia social da Universidade Loyola (Estados Unidos), em 2018. Na maioria das vezes, as razões que levam à procrastinação se enquadram em duas categorias: medo de fracassar ou falta de entendimento sobre os primeiros passos de uma tarefa.

“A procrastinação é mais comum quando a tarefa é significativa e o aluno se preocupa em fazê-la bem”, explicou Price. Quem age assim pode olhar para uma tela ou livro por horas, paralisado ​​pelo medo. Nesse ponto, a melhor solução é fazer uma pequena pausa e participar de uma atividade relaxante.

Joseph Ferrari, professor de psicologia da Universidade DePaul (Estados Unidos) e principal especialista em procrastinação, realizou vários estudos sobre o motivo pelo qual os estudantes adiam um trabalho importante. Em um estudo inovador de 1989, a Ferrari descobriu que os estudantes universitários procrastinavam por conta de indecisão: eles passavam muito tempo se preocupando se estavam fazendo uma tarefa do jeito certo, prolongando o tempo gasto em tarefas simples. Para esses alunos, a procrastinação era um mecanismo de enfrentamento para evitar experiências estressantes.

“É muito útil coletar informações para tomar uma decisão, mas quando alguém simplesmente continua a se reunir além do ponto de recursos adequados, fica indeciso e a espera é contraproducente”, disse Ferrari em uma entrevista de 2010.

Em um estudo seguinte, Ferrari encontrou outro motivo pelo qual alguns estudantes procrastinam: medo de críticas. Ele descobriu que muitos universitários se envolviam em autossabotagem por atribuir as notas baixas aos prazos, em vez de suas próprias habilidades. Esses alunos preferiram “escolher situações nas quais sua imagem pública não seria prejudicada pelo mau desempenho”. Mais uma vez, a procrastinação era um mecanismo de enfrentamento – nesse caso, para proteger a autoestima dos alunos e as percepções de sua identidade.

A Ferrari descobriu outro motivo muito diferente para a procrastinação em um estudo de 1992. Alguns estudantes universitários atrasaram o início de uma tarefa porque desfrutavam da emoção de trabalhar para atender um prazo. Adiar as tarefas até o último minuto foi uma maneira de “adicionar drama à vida”, dando a esses alunos uma adrenalina.

Indecisão, evasão e busca de emoções são, portanto, explicações mais prováveis ​​para a procrastinação do que preguiça ou falta de motivação. Então, o que os professores podem fazer? Aqui vão algumas sugestões.

5 maneiras para incentivar os alunos a não procrastinar

1. Espalhe os prazos
Os pesquisadores investigaram o impacto de três tipos de prazos para uma série de tarefas: espaçamento uniforme, autoimposição ou um prazo final único. No primeiro experimento, os alunos receberam três trabalhos e foram solicitados a entregá-los no final de cada mês, escolher seus próprios prazos ou enviar os três trabalhos até o final do curso. No segundo experimento, os alunos receberam uma tarefa – revisar três passagens – e enviaram suas tarefas semanalmente, no seu próprio ritmo, ou de uma só vez. Em ambos os experimentos, prazos uniformemente espaçados não apenas renderam um melhor trabalho, mas também diminuíram as chances de que os alunos perdessem seus prazos.

Qual orientação para os professores? Em vez de dar aos alunos um grande projeto com um único prazo, divida-o em tarefas menores, com prazos uniformemente espaçados. Peça vários rascunhos de um artigo, por exemplo. Em uma unidade de aprendizagem baseada em projeto, solicite aos alunos que apresentem seu progresso em momentos específicos. Isso pode ser especialmente útil para estudantes que estão paralisados ​​por grandes projetos – tornando cada parte mais gerenciável, você pode reduzir a ansiedade motivada por prazos intimidadores.

2. Ofereça retornos avaliativos como apoio
Os alunos com baixa autoestima podem relutar em apresentar o melhor trabalho se estiverem preocupados com críticas ou com medo de falhar. Evite dar um retorno avaliativo altamente crítico ou negativo, que pode ter a consequência não intencional de fazer os alunos se sentirem nervosos ou constrangidos. Os alunos também podem reagir mal aos comentários que parecem controladores; portanto, evite ser muito explícito sobre o que precisa ser corrigido. Por fim, seja cauteloso ao fazer comentários individuais diante de toda a turma – alguns podem se sentir desconfortáveis ​​e se desinteressar.

3. Ensine habilidades de gerenciamento de tempo e estudo
Um estudo de 2017 descobriu que muitos estudantes não possuem as habilidades metacognitivas de que precisam para poder estudar com eficiência, como a capacidade de agendar tempo suficiente para estudar ou saber quando pedir ajuda. Muitos participantes do estudo ficaram surpresos quando suas pontuações iniciais foram mais baixas do que esperavam – eles não tinham uma noção de como estavam preparados. Eles foram incentivados a planejar com antecedência um próximo teste e foram mostrados exemplos de como eles poderiam se preparar. Os resultados foram significativos: em comparação com os colegas, os alunos que participaram das atividades metacognitivas obtiveram nota um terço mais alta, em média.

4. Esteja atento à carga de trabalho
De acordo com um estudo de 2015 , a probabilidade de os alunos entregarem mais tarde o trabalho aumenta quando coincidem os prazos para diferentes projetos – algo que pode acontecer facilmente no ensino fundamental e médio, quando os alunos têm vários professores. Os alunos também experimentam níveis mais altos de estresse se não conseguirem gerenciar várias tarefas a serem entregues ao mesmo tempo. Considere combinar com outros professores para estender os principais prazos.

E quando os alunos enfrentam adversidades que afetam sua capacidade de concluir as tarefas no prazo, como cuidar de um parente ou ter que apoiar financeiramente a família, a flexibilidade dos prazos pode ajudá-los a permanecer no caminho certo.

5. Tenha instruções e exemplos claros
É mais provável que os alunos adiem um projeto se não entenderem como começar. Verifique se todos os alunos conhecem suas expectativas e os requisitos da tarefa – é melhor colocar instruções por escrito para que eles possam consultá-las conforme necessário. Você também pode usar exemplos de trabalhos anteriores dos alunos para ajudá-los a entender melhor qual é a tarefa.

* Publicado originalmente em Edutopia e traduzido mediante autorização
© Edutopia.org; George Lucas Educational Foundation


TAGS

competências para o século 21, educação infantil, ensino fundamental, ensino médio, pesquisas

Deixe um comentário

avatar
500
  Acompanhar a discussão  
Tipo de notificação