Conectando Boas Práticas reconhece iniciativas de professores, coordenadores e diretores - PORVIR
EBC/Agencia Brasil

Inovações em Educação

Conectando Boas Práticas reconhece iniciativas de professores, coordenadores e diretores

Com apoio da Fundação Lemann, iniciativa da Rede Conectando Saberes busca construir um banco de soluções educacionais pensadas durante a pandemia como forma de reconhecer esforços e inspirar professores brasileiros

Parceria com Conectando Saberes

por Maria Victória Oliveira ilustração relógio 24 de novembro de 2021

Desde o ano passado, muito tem se falado a respeito do esforço que professores e educadores em geral realizaram para manter o vínculo com seus estudantes mesmo diante de múltiplas dificuldades de diversas naturezas, que vão desde a falta de infraestrutura básica para aulas à distância – dos docentes e de seus alunos –, até o pouco ou nenhum apoio e preparo para que pudessem transformar sua atuação da noite para o dia.

Entendendo a importância dos profissionais da educação para superar o contexto desafiador imposto pela pandemia de Covid-19, a rede Conectando Saberes, apoiada pela Fundação Lemann, promove a segunda edição do Conectando Boas Práticas (CBP), com o objetivo de reunir iniciativas pedagógicas que tiveram um impacto positivo nas escolas e reconhecer o trabalho de educadores de todo o país.

Paolla Vieira, diretora da Conectando Saberes, comenta que depois de anos desafiadores para a educação, uma coisa é certa e confirmada por diversas pesquisas: a figura do professor foi essencial durante o ensino remoto.

“Professores apoiaram famílias, se adaptaram a novas formas de trabalho, lidaram com questões de saúde emocional dos estudantes e dos seus pares e priorizaram o que os alunos deveriam aprender ao longo desses últimos anos. Tudo isso em um cenário pouco favorável. Alguns, com salários congelados, buscaram autocuidado para conseguir cuidar do outro e, ainda assim, continuaram sendo ótimos profissionais”, explica.

Leia mais

A valorização docente ganha outros níveis e contornos de importância para aqueles que vivenciam a educação diariamente nas escolas e redes de ensino brasileiras. Para Daniele Machado, técnica pedagógica e coordenadora local da iniciativa no município de Castro (PR), os educadores demonstraram criatividade, inovação e flexibilidade na condução de suas aulas de acordo com o contexto individual que vivenciaram.

“Foi possível perceber essa reinvenção da prática tanto no cenário da sala de aula quanto na equipe gestora, que focaram em soluções imediatas para o momento. O Conectando Boas Práticas traz a oportunidade de apresentar essas valiosas práticas ocorridas no ambiente escolar e de multiplicar saberes na rede, assim como o reconhecimento e valorização do trabalho. Isso tudo traz combustível pedagógico para avançar cada vez mais”, defende.

Tatiana da Costa, assistente técnica pedagógica na secretaria de educação de Assis (SP), que participou e foi premiada na primeira edição do CBP, explica que a iniciativa também serve para mostrar que, em muitos casos, não são necessárias grandes ações muito inovadoras para conseguir atingir a maioria dos estudantes.

“Depois de dois anos de trabalho intenso e, muitas vezes, isolado, ter a oportunidade de compartilhar com o Brasil todo o que fizemos e contar como foi nossa prática diante dos desafios encontrados é algo maravilhoso. Um professor que fez alguma ação e ficou com receio de compartilhar pode perceber que outros educadores fizeram a mesma coisa, o que dá força e aumenta a autoestima do profissional”, defende Tatiana.

Categorias 

Por acreditar na importância de diferentes atores e seus respectivos papéis e responsabilidades na criação de soluções educacionais, o Conectando Boas Práticas aceita a participação de professores, coordenadores pedagógicos e diretores, que devem ter mais de 18 anos, ensino superior completo ou formação em magistério e não ser integrante da Rede Conectando Saberes.

Além disso, as iniciativas devem se enquadrar em uma das seis temáticas da edição 2021: Recuperação da aprendizagem (reforço escolar e/ou teste diagnóstico); Participação familiar; Organização curricular e/ou disciplina inovadora; Ensino híbrido e/ou remoto; Permanência (evasão escolar) e Saúde mental.

A criação dessas categorias para a segunda edição do prêmio foi baseada nos achados da pesquisa Vozes Docentes, realizada no início do ano para entender quais são e como podem ser resolvidos os maiores desafios educacionais da atualidade.

“Ouvimos 9 mil professores das 27 unidades da federação e de mais de 80 municípios. Como resultado, tivemos essas seis temáticas principais elencadas como prioritárias para pensarmos soluções diante das necessidades no pós-pandemia”, explica Paolla.

Vitrine de boas práticas 

Além de reconhecer o trabalho desenvolvido pelos professores, a ideia da iniciativa é criar uma vitrine de boas práticas replicáveis, que possam inspirar outros professores pelo Brasil. “Nós, enquanto Conectando Saberes, acreditamos em troca, em compartilhar experiências e desenvolver soluções simples, mas com impacto. Ter um banco de práticas sistematizado possibilita que os autores sejam reconhecidos e consigam apoiar outros professores em municípios distintos, que tenham aquela temática como obstáculo atual”, defende Paolla.

Tatiana destaca o caráter colaborativo da educação, conferindo ainda mais importância a uma iniciativa cuja prerrogativa é o compartilhamento de boas práticas nas escolas de todo o Brasil. “A educação não é feita por uma mão, mas sim por muitas mãos e muitas vozes. Precisamos ouvir e ver as boas práticas, porque é uma maneira de incentivarmos e acreditarmos em nós mesmos.”

Mobilização 

As ações de mobilização dos educadores de Castro (PR) para participação na segunda edição do Conectando Boas Práticas estão a todo vapor e já chegaram às escolas municipais, estaduais, da rede privada e também em CMEIs (Centro Municipal de Educação Infantil). Enquanto líder do núcleo no município, Daniele enumera: houve distribuição de tarefas aos educadores, a realização de duas lives temáticas explicativas com participação de uma professora que se destacou na edição anterior do prêmio, além da criação de grupos de WhatsApp para compartilhamento de dicas. “No Conectando Boas Práticas de 2019, o evento foi um sucesso e isso é um pontapé significativo para alavancar a segunda edição. Os professores já conhecem, valorizam e querem participar.”

Em Assis (SP), as mobilizações também estão caminhando. Tatiana comenta que os planos em curso pretendem mobilizar o maior número possível de educadores, seguindo o grande sucesso da primeira edição do prêmio no município em 2019. Além de conversas em grupos de WhatsApp e visitas às escolas, a ideia é que os próximos passos envolvam uma divulgação da iniciativa a partir da secretaria da educação.

Premiação 

Entre dezembro e fevereiro de 2022, os projetos inscritos passarão por uma análise considerando os critérios: relevância social, engajamento dos alunos e comunidade escolar, inovação, uso eficiente de recursos, escalabilidade e qualidade do relato.

Os resultados serão divulgados a partir de 01 de março de 2022 pelo site da Rede Conectando Saberes. Serão reconhecidas as 10 melhores práticas em cada categoria de atuação – professor, coordenador e diretor -, totalizando 30 boas práticas. Os dois educadores mais bem avaliados por categoria – seis no total – receberão premiações no valor de R$ 5 mil e mentorias para apresentação do projeto no Evento Nacional da Conectando Saberes, programado para acontecer em março de 2022.

Todas as regras para a participação estão dispostas no regulamento. As inscrições do Conectando Boas Práticas vão até 10 de dezembro. Saiba mais e participe.

Inscreva-se no Conectando Boas Práticas
Clique e acesse

Conectando Saberes

TAGS

coronavírus, prêmios

Deixe um comentário

avatar
500
  Acompanhar a discussão  
Tipo de notificação
X