Conheça os projetos premiados no Desafio Criativos da Escola 2020 - PORVIR
Crédito: Reprodução

Inovações em Educação

Conheça os projetos premiados no Desafio Criativos da Escola 2020

A 6ª edição foi adaptada para que os estudantes pudessem participar de missões, individuais e coletivas, à distância. Como nos anos anteriores, projetos destacam a força do protagonismo e a vontade dos jovens em transformar o mundo ao seu redor

por Redação ilustração relógio 11 de dezembro de 2020

Depois de três meses de uma jornada de missões, o Criativos da Escola, programa do Instituto Alana, apresentou nesta quinta-feira (10) os grupos premiados no Desafio 2020. Por conta da pandemia, a 6ª edição do Desafio Criativos da Escola foi adaptada para que os estudantes pudessem participar de missões, individuais e coletivas, à distância, e propor um plano de ação em cinco categorias: educação, qualidade de vida, igualdade, meio ambiente e inclusão. Neste formato, o Desafio ampliou a quantidade de projetos premiados para 50.

Os grupos premiados receberão um prêmio de R$ 2 mil para que possam coloca-los em prática. Além disso, os estudantes e educadores selecionados se tornarão embaixadores e embaixadoras do Criativos da Escola.

Conheça alguns dos vencedores:
Com 22 dos 50 premiados, a região Nordeste foi a que a que mais se destacou. Uma das ações premiadas foi o projeto “Interativos: Dicas de Estudo”, elaborado por estudantes da Escola de Referência em Ensino Médio José Caldas Cavalcanti, localizada em Cabrobó (PE). Preocupados com o desenvolvimento das aulas remotas, em decorrência da pandemia do novo coronavírus, o grupo pretende criar uma página no Instagram para estimular o desenvolvimento da aprendizagem entre os colegas que, desmotivados por não conseguirem entender os conteúdos, estão com dificuldades nas atividades escolares.

Os estudantes também notaram que a falta de acesso a internet de qualidade e a equipamentos para a realização das aulas tem colaborado para o cenário de desânimo com a escola. Por isso, além dos conteúdos, o perfil vai buscar engajamento e interação com os jovens para que se sintam motivados e inspirados para aprender.

Entre as ações premiadas do Sudeste, está o projeto “Luztina”, idealizado por estudantes do Colégio Santa Maria Minas, de Belo Horizonte (MG). O grupo pretende desenvolver um site para auxiliar pessoas que passam por transtornos psicológicos, como ansiedade e depressão, causados, principalmente, pelo isolamento social decorrente da pandemia de coronavírus.

Por meio de um espaço seguro e útil, os estudantes querem conscientizar as pessoas sobre as questões de saúde mental e dar suporte para situações de crise. O acompanhamento profissional é de extrema relevância, e, portanto, a equipe irá disponibilizar informações sobre psicólogos e psiquiatras que atendem de forma acessível.

De Goiânia (GO), o projeto “Access”, organizado por estudantes do colégio Prevest e do Prepara Enem, tem como intuito promover a inclusão de pessoas surdas nas atividades online: por conta das aulas à distância, elas passaram a ter maiores dificuldades de aprendizado. Os estudantes perceberam que as plataformas online e a maioria dos vídeos que circula na internet não têm legendas ou conteúdos em LIBRAS, tornando difícil o acesso à educação, à informação e ao entretenimento para pessoas com algum tipo de deficiência auditiva.

O grupo, portanto, deseja desenvolver uma plataforma capaz de criar legendas para  vídeos, ao vivo e gravados, e, que tenha, também, tradução para a LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais). Quando o projeto for iniciado, os estudantes pretendem criar um site para abordar a importância do uso de legendas em conteúdos digitais, com o intuito de tornar a plataforma uma referência. Além de criarem produções sobre acessibilidade, os estudantes querem desenvolver formas interativas para o aprendizado de LIBRAS , por meio de jogos, por exemplo.

A preocupação com o meio ambiente também deu origem a diversos projetos. Um deles é o plano “Reutilizar para Conservar”, criado por estudantes da Escola Estadual Antônio Belchior Cabral, de Barreirinha (AM), que visa solucionar o problema de lixo na cidade. A ideia surgiu por conta do descarte incorreto dos resíduos feito pelos frequentadores da região, o que contribui para a poluição de ruas, praias e rios da comunidade. O problema foi acentuado, ainda, pela pandemia de COVID-19 e o descarte de máscaras de proteção nas águas.

Para colocar o plano em ação, os estudantes realizarão uma pesquisa sobre os principais tipos de lixos que são produzidos na escola, nas residências e nas praias da região, e coletá-los para a confecção de materiais didáticos sobre o tema. Serão oferecidas oficinas de reutilização de lixo, com o intuito de ensinar para a comunidade formas de reciclagem. Além disso, os alunos pretendem produzir lixeiras e placas com frases de conscientização ambiental, que serão fixados em pontos estratégicos nas ruas e praias da comunidade.

A região sul teve seis projetos selecionados. Um deles foi o “Marias vão com as outras”, desenvolvido por estudantes da Escola Municipal de Ensino Fundamental Maria Emília De Paula, em Sapiranga (RS). As alunas têm o objetivo de contribuir com a diminuição da incidência de abuso sexual entre crianças e adolescentes, orientando-as na sua autodefesa e buscando apoio da comunidade escolar para desenvolver o projeto.

Por conta da pandemia, houve uma queda em 18% no número de registro de casos de violência contra crianças e adolescentes durante o mês de abril deste ano em relação ao mesmo período de 2019. De acordo com o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, essa queda demonstra que estes grupos podem estar sofrendo abusos, sim, mas sem possibilidade de denunciar
por causa do distanciamento social.

Quando a ação for iniciada, as estudantes pretendem, então, mobilizar toda a instituição de ensino acerca do tema da educação sexual e sua importância. Com ações voltadas ao público infantil, o grupo abordará as questões de gênero e sexualidade de forma lúdica. Além disso, a equipe pretende produzir cartazes para expor nas salas de aula, exibir vídeos curtos e promover debates sobre o assunto na escola como um todo.

A lista completa com os 50 projetos premiados no Desafio Criativos da Escola 2020 está disponível aqui.

Estudantes no centro do processo educativo. O que isso quer dizer?


TAGS

aprendizagem baseada em projetos, competências para o século 21, ensino fundamental, ensino médio, socioemocionais, sustentabilidade, tecnologia

Deixe um comentário

avatar
500
  Acompanhar a discussão  
Tipo de notificação