Estudo relaciona tecnologia e desempenho escolar - PORVIR

Inovações em Educação

Estudo relaciona tecnologia e desempenho escolar

Pesquisa da Unesp, com 400 alunos de escola pública em Araraquara, SP, mostrou que interatividade melhora rendimento em 32%

por Vagner de Alencar ilustração relógio 1 de fevereiro de 2013

Um projeto realizado pelo núcleo de ensino da Unesp (Universidade Estadual de São Paulo) mostrou que o uso de ferramentas tecnológicas educativas melhoram em 32% o rendimento dos alunos em matemática e física em comparação aos conteúdos trabalhados de forma expositiva em sala de aula. O estudo Objetos de Aprendizagem em Sala de Aula: Recursos, Metodologias e Estratégias para a Melhora da Qualidade de Ensino foi desenvolvido durante dois anos e avaliou o desempenho de 400 estudantes de oito turmas de 2o e 3o anos da escola estadual Bento de Abreu, em Araraquara, no interior de São Paulo.

Para tanto, as aulas foram divididas entre expositivas e atividades que contavam com o que a pesquisa chama de objetos de aprendizagem, ou seja, recursos tecnológicos que permitem a interação com o conteúdo, como animações, simulações e jogos. Um desses games, por exemplo, ensinava análise combinatória. Nele, os alunos precisavam analisar quantas possibilidades de roupa Susana, a bonequinha animada, poderia usar para ir à balada. Já em outro, usavam o jogo para organizar diferentes times de futebol para aprender sobre arranjo.

agsandrew / Fotolia.com

Diante da experiência, a pesquisa mostrou que os estudantes com menor desempenho em sala de aula obtiveram maior rendimento com o uso das ferramentas tecnológicas. Aqueles com média cinco, ou abaixo desse valor, melhoraram em 51% seu desempenho em física e matemática. Já aqueles com média acima de cinco, obtiveram um ganho médio de 13%. “Isso mostra que os alunos que têm maior dificuldade de aprendizagem são os mais beneficiados pelo uso dessa tecnologia. Esses índices evidenciam a importância de olhar com mais atenção para a criação e difusão de recursos que ajudem a inovar as metodologias didáticas” diz Silvio Fiscarelli, coordenador do projeto e responsável pelo departamento de didática da Unesp (Universidade Estadual de São Paulo).

“Antes de fornecer quais equipamentos é preciso pensar primeiro não no hardware, mas no software. Não adianta levar uma lousa digital para a sala de aula se não tiver por trás um bom software.

Ao todo, foram trabalhadas cerca de 20 ferramentas tecnológicas nas aulas. Algumas delas, foram criadas pelo núcleo de ensino da Unesp. Porém, a maioria, foi aproveitada de repositórios educativos locais, como o BIOE (Banco Internacional de Objetos Educacionais) e Rived, programa da SEED (Secretaria de Educação a Distância) ou traduzidas de repositórios internacionais. Segundo Fiscarelli, foram os próprios professores quem ajudaram a selecionar os conteúdos que seriam trabalhados com ferramentas tecnológicas.

Nova fase 

Por conta dos bons resultados, neste ano terá início uma versão mais ampla do projeto, que agora passa a ser apoiado com recursos financeiros da Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo). O número de alunos atingidos subirá para 600 e a pesquisa contemplará os três anos do ensino médio. Também será expandida a quantidade de disciplinas: além de matemática e física, os professores usarão as ferramentas em português, química e filosofia.

Além disso, diferentemente da versão anterior, os alunos não vão mais precisar se deslocar ao laboratório de informática. Serão fornecidos 35 notebooks para que as atividades sejam realizadas dentro da sala de aula. “Essa será também uma possibilidade de comparar os alunos que usavam o laboratório com os que irão usar os computadores em sala de aula. Assim poderemos também verificar se há algum impacto com a mudança”, diz Fiscarelli.

Outro diferencial desta nova fase será a capacitação dos professores e a entrega de bolsas-auxílio aos seis professores participantes do projeto – diferentemente, da primeira etapa, em que não contavam com nenhuma espécie de formação ou pagamento. Ao longo do ano, serão oferecidas seis capacitações sobre o uso de notebooks na sala de aula, o que são os objetos de aprendizagem e como utilizá-los em cada uma das áreas. Para dar sustentabilidade à iniciativa, Fiscarelli afirma que também serão criados roteiros (do professor e do aluno) para orientar os professores interessados em replicar a metodologia.

De acordo com ele, a iniciativa surge como um know-how antecipado à expansão da tecnologia em sala de aula, que normalmente foca na entrega de equipamentos sem pensar antes no conteúdo. “Antes de fornecer quais equipamentos é preciso pensar primeiro não no hardware, mas no software. Não adianta levar uma lousa digital para a sala de aula se não tiver por trás um bom software, diz.


26
Deixe um comentário

avatar
500
22 Comentários ao conteúdo
4 Respostas a comentários
0 Seguidores
 
Comentário com mais reações
Comentário em alta
20 Autores
Renan Saraiva (Re&TeC)Elaine Maria ThomazellimarizaIrene Almeida Monzaniângela maria pinto da silva Quem acabou de comentar
  Acompanhar a discussão  
Mais recentes Mais antigos Mais votados
Tipo de notificação
Paula Furtado
Visitante
Paula Furtado

Gostaria de saber se há link para essa pesquisa ou material publicado. Estou com um projeto de mestrado em área semelhante e é de grande valor o estudo de um projeto como esses :)

Karla Gomes
Visitante
Karla Gomes

Adorei os resultados. Sou professora de Geografia em Manaus-Amazonas e gostaria de obter uma qualificacão- aprender a fazer uso dessas ferramentas tecnológicas. Onde podemos obter tal informação.

Um abraço

Luan de Lima
Visitante
Luan de Lima

Muito interessante! Um dos problemas que encontramos ao tentar aplicar certas tecnologias em sala de aula é a falta de um laboratório. Acredito que algumas dessas tecnologias educativas podem ser aplicadas como atividade de casa, suprindo assim a necessidade de transformar a sala de aula em um laboratório.

ILSON ROGERIO MUNHOZ
Visitante
ILSON ROGERIO MUNHOZ

Na minha escola estamos pensando em adquirir um notebook, um projetor e uma tela de projeção para cada sala de aula, para isso, vamos montar um projeto co recursos do ProEmi (estamos estudando possibilidades e legalidade).

ILSON ROGERIO MUNHOZ
Visitante
ILSON ROGERIO MUNHOZ

Na minha escola estamos pensando em adquirir um notebook, um projetor e uma tela de projeção para cada sala de aula, para isso, vamos montar um projeto co recursos do ProEmi (estamos estudando possibilidades e legalidade).

ângela maria pinto da silva
Visitante
ângela maria pinto da silva

Tudo que é investido em tecnologia para aprendizagem é bem vinda, porém essa inserção tem que ser desde o começo da vida escolar para que o aluno tenha seu desenvolvimento continuo e definitivo.

ângela maria pinto da silva
Visitante
ângela maria pinto da silva

Tudo que é investido em tecnologia para aprendizagem é bem vinda, porém essa inserção tem que ser desde o começo da vida escolar para que o aluno tenha seu desenvolvimento continuo e definitivo.

Eliene Alves dos Santos Souza
Visitante
Eliene Alves dos Santos Souza

A máquina sem a interação humana, não funciona. É preciso a figura humana com a atuação de sua inteligencia para dar vida a máquina.

Eliene Alves dos Santos Souza
Visitante
Eliene Alves dos Santos Souza

A máquina sem a interação humana, não funciona. É preciso a figura humana com a atuação de sua inteligencia para dar vida a máquina.

Maurício Amaro
Visitante
Maurício Amaro

Legal!

É preciso um bom hardware, mas se não vir acompanhado de um bom software, nada vai adiantar, ou no máximo ajuda só um pouco.

Maurício Amaro
Visitante
Maurício Amaro

Legal!

É preciso um hardware, mas sem um bom software, no máximo ajuda só um pouco.

Maurício Amaro
Visitante
Maurício Amaro

Legal!

É preciso um hardware, mas sem um bom software, no máximo ajuda só um pouco.

Simone Barbosa santos
Visitante
Simone Barbosa santos

Este projeto incentiva as crianças a desenvolverem o raciocínio lógico e a agilidade na resolução dos problemas através da tecnologia e temos que nos adequar a eles.

mariza
Visitante
mariza

gostaria de sabe como a minha escola precisa fazer para participar deste programa, que achei fantástico.

mariza
Visitante
mariza

gostaria de sabe como a minha escola precisa fazer para participar deste programa, que achei fantástico. Parabéns!!!

mariza
Visitante
mariza

gostaria de sabe o que a minha escola precisa fazer para participar deste programa, que achei fantástico. Parabéns!!!

mariza
Visitante
mariza

gostaria de sabe o que a minha escola precisa fazer para participar deste programa, que achei fantástico. Parabéns!!!

Irene Almeida Monzani
Visitante
Irene Almeida Monzani

gostaria de sabe o que a minha escola precisa fazer para participar deste programa, que achei fantástico. Parabéns!!!

mariza
Visitante
mariza

gostaria de sabe como a minha escola precisa fazer para participar deste programa, que achei fantástico.

mariza
Visitante
mariza

gostaria de sabe como a minha escola precisa fazer para participar deste programa, que achei fantástico. Parabéns!!!

mariza
Visitante
mariza

gostaria de sabe o que a minha escola precisa fazer para participar deste programa, que achei fantástico. Parabéns!!!

Irene Almeida Monzani
Visitante
Irene Almeida Monzani

gostaria de sabe o que a minha escola precisa fazer para participar deste programa, que achei fantástico. Parabéns!!!

Renan Saraiva (Re&TeC)
Visitante
Renan Saraiva (Re&TeC)

Olá, tudo bem? Bom, eu tenho um projeto conhecido como TecStudy, Tecnologia em estudo. o Projeto TecStudy deu-se início através de avaliações feitas por professores relacionando-se aos resultados das turmas de 3º ano, perceberam que o aprendizado estava a baixo da média, foi por meio de intervir essa situação que eu comentei com a coordenação que tínhamos a capacidade de desenvolver um jogo onde os alunos poderiam treinar e adquirir sapiência. Entroca, quero a total… Ler mais »

Elaine Maria Thomazelli
Visitante
Elaine Maria Thomazelli

Gostaria também de saber se estes mesmos alunos que obtiveram melhor desempenho com estas ferramentas tecnológicas, também se desenvolveram muito bem sem elas, no caso de se virem numa situação que elas faltem !

Elaine Maria Thomazelli
Visitante
Elaine Maria Thomazelli

Gostaria também de saber se estes mesmos alunos que obtiveram melhor desempenho com estas ferramentas tecnológicas, também se desenvolveram muito bem sem elas, no caso de se virem numa situação que elas faltem !