'Usar tecnologia prepara melhor novos professores' - PORVIR
Timothy Masters

Diário de Inovações

‘Usar tecnologia prepara melhor novos professores’

No Diário de Inovações, docente fala sobre o uso de tecnologia na formação de educadores em cursos de pós-graduação

por Adriana Gandin ilustração relógio 12 de novembro de 2014

A experiência que julgo significativa para relatar aqui no Diário de Inovações é referente a minha docência nos cursos de Pós-Graduação de Educação do Centro Universitário Ritter dos Reis, em Porto Alegre, nas disciplinas de “Planejamento e Avaliação Institucional e da Aprendizagem” e “Tecnologias da informação e da comunicação em educação”. Além de docente, trabalho na formação de professores para a inserção de tecnologias digitais na sala de aula em um programa, personalizado a cada instituição de ensino, desenvolvido e implementado pela empresa EADes envolvimento humano – Tecnologia de Professor para Professor.

Trazer a tecnologia para dentro da sala de aula não é uma tarefa simples. Administrar várias pessoas com computadores, tablets e smartphones em uma sala de aula requer um planejamento minucioso e combinado muito claros. Trata-se de romper com uma lógica de que o professor “sabe tudo” e “que fala o tempo todo” e, no lugar, construir outro modelo onde há busca conjunta entre professores e alunos, construção coletiva e compartilhamento.

Trabalho em disciplinas de pós-graduação com alunos que, em sua grande maioria, são professores que estão ali no papel de alunos e precisam ter uma experiência positiva para que possam se encorajar a coordenar projetos e a utilizar os recursos tecnológicos em seu dia a dia e na sua posterior prática docente.

Ao longo do tempo de trabalho como docente da educação superior e assessora pedagógica, comecei a perceber que vários professores não se sentem a vontade com o mundo tecnológico que se apresenta. Percebo que é difícil, para alguns professores, aprender os recursos e as novas possibilidades de interação. Na educação, e principalmente na educação superior, encontrava muitos professores que não utilizam ferramentas tecnológicas por falta de conhecimento ou por achar que seria difícil aprender. Sempre acredito que de uma maneira simples é possível preparar professores (e outros profissionais) para estar mais próximos de seus colegas de profissão e de seus alunos. 

Sempre acreditei que não é somente com discursos, leituras e aulas expositivas que aprendemos. Portanto, resolvi construir o meu planejamento e as aulas do curso de pós-graduação, como oficinas e projetos, agregando muitas atividades práticas e vivências, utilizando diferentes ferramentas da web, sites e aplicativos para empoderar meus alunos e fazê-los conhecedores de recursos tecnológicos para seu próprio uso e para o trabalho docente que desempenham.

A experiência de utilização das ferramentas tecnológicas, com atividades vivenciais e práticas, capacita mais facilmente e efetivamente os professores em formação. Não trabalho somente com as ferramentas tecnológicas que serão usadas em sala de aula, mas também com apps e sites que todas as pessoas podem utilizar em seu computador, tablet ou smartphone, para comunicar, estudar, armazenar, compartilhar e agilizar o seu trabalho do dia a dia. 

Percebi que os meus alunos, que em sua maioria são professores em formação, após a participação na disciplina que ministro, estão mais seguros e animados e sentem-se aptos a fazer suas próprias buscas de novas ferramentas tecnológicas que não param de aparecer e se aperfeiçoar. Estão mais encorajados para sustentar um projeto, utilizando os apps e sites experimentados em sala de aula.

“Usar tecnologia prepara melhor novos professores”Crédito: Arquivo pessoal

Abaixo, dois depoimentos de alunos:

“A minha percepção em relação à disciplina, foi uma mudança de paradigma, pois me tornei uma aluna conectada. Acredito que a contribuição da tecnologia para educação tem sido um grande avanço, em termos culturais, pois propicia ao ensinante e ao aprendente, um novo pensar e agir na educação. A tecnologia trouxe para as escolas a democratização do aprendizado, sendo que todos tem acesso permanente a qualquer conhecimento. A tecnologia está propiciando aos educandos uma interação, troca de informações, gerando uma cooperação no momento em que se compartilha o conhecimento. Penso que dessa forma estamos oportunizando aos alunos também um conhecimento social.” – Tatiane 

“Acredito que após as aulas da professora Adriana Gandin, o que fica para o grupo é uma inquietação em nosso olhar pedagógico, em, como ver nossas formas didáticas; pensando em novos recursos e metodologias ao ensinar os educandos. Aprendemos sobre uma educação para geração “y”, ou seja, uma educação onde valoriza e utiliza a inclusão da tecnologia dentro da sala de aula. Durante as aulas ministradas pela professora Gandin, aprendi novas maneiras de mediar o ensino, assim como fazer e refazer a aprendizagem, através de momentos de visualização e manuseio de diferentes aplicativos e recursos com vastas possibilidades.” – Caroline

A seguir algumas experiências vividas e discutidas em sala de aula: criação e leitura de livros digitais; construção e compartilhamento de textos individuais e coletivos; elaboração e construção de apresentação de slides; pesquisa qualificada na internet; leitura e pesquisa em aplicativos de jornais e de revistas; utilização de ambientes virtuais de aprendizagem (AVA) como, por exemplo, o Moodle; criação de vídeos; análise, criação e postagem de conteúdo para blogs e redes sociais; compartilhamento de ideias e comunicação com alunos e profissionais de outras instituições educacionais (por exemplo, Hangouts e Skype); armazenamento de arquivos em nuvem (Dropbox, Box, Google Drive, OneDrive e iCloud.); utilização e criação de mapa mental, quiz e flashcards no site http://examtime.com; análise e utilização de sites e aplicativos diversos; trabalho com grupos do Facebook.


Adriana Gandin

É docente nos cursos de pós-graduação de educação do Centro Universitário Ritter dos Reis e trabalha na formação de professores para promover o uso de tecnologia na sala de aula. É autora de livros e diversos artigos com temas ligados à educação e à tecnologia educacional.

TAGS

formação continuada, tecnologia

11
Deixe um comentário

avatar
500
6 Comentários ao conteúdo
5 Respostas a comentários
0 Seguidores
 
Comentário com mais reações
Comentário em alta
9 Autores
AdrianamariaLuciano Botelhoeliana mara chiossieliana mara chiossi Quem acabou de comentar
  Acompanhar a discussão  
Mais recentes Mais antigos Mais votados
Tipo de notificação
Cláudio de Musacchio
Visitante
Cláudio de Musacchio

Muito bom este material, pois demonstra exatamente como é a trajetória de professores ensinando professores. Acontecem dois momentos interessantes, pois ensinar tecnologia utilizando as mesmas tecnologias é duplamente prazeroso, mas dá trabalho, planejamento, organização e o ideal é ter em sala duas ou mais auxiliares para ajudar no atendimento personalizado.

Parabéns, sucesso.

Adriana
Visitante
Adriana

Obrigada pelo comentário, Cláudio! ;)

maria
Visitante
maria

Usar tecnologia prepara melhor novos professores ajuda em um lado mas prejudfica em outros, e onde fica a tradição dos livro, por exemplo? Na minha opinião deveria proibir!

Raymara
Visitante
Raymara

Maria, respeito sua posição. Mas posso lhe informar que hoje em dia há muitos livros virtuais, ou seja, livros que podemos ter acesso via tecnologias, como computador, notebook, tablet, smartphone e etc.
E professora Adriana, parabéns pela iniciativa! Levarei seu texto como exemplo em discussões em sala de aula do curso de Pós-graduação de docência no ensino superior, do qual faço parte como aluna. Parabéns e compartilhe mais experiências como essa!

Adriana
Visitante
Adriana

Obrigada, Raymara!
Conheça o projeto da EADes ~> http://eades.com.br

Adriana
Visitante
Adriana

Obrigada pelo comentário!!
Os livros continuarão existindo, sejam eles impressos ou digitais.

maria
Visitante
maria

Usar tecnologia prepara melhor novos professores ajuda em um lado mas prejudfica em outros, e onde fica a tradição dos livro, por exemplo? Na minha opinião deveria proibir!

Adriana
Visitante
Adriana

Obrigada pelo comentário!!
Os livros continuarão existindo, sejam eles impressos ou digitais.

eliana mara chiossi
Visitante
eliana mara chiossi

Conheci a Adriana num curso no Professores Inquietos, do Colégio Farroupilha e desde então minha percepção do quanto a tecnologia está a favor da educação é incrível. Na verdade. não consigo mais pensar em educação separada de tecnologida.
E agradeço imensamente à Adriana por este presente.

eliana mara chiossi
Visitante
eliana mara chiossi

Conheci a Adriana num curso no Professores Inquietos, do Colégio Farroupilha e desde então minha percepção do quanto a tecnologia está a favor da educação é incrível. Na verdade. não consigo mais pensar em educação separada de tecnologida.
E agradeço imensamente à Adriana por este presente.

Luciano Botelho
Visitante
Luciano Botelho

A única diferença deste método com o método escoteiro é a aceitação da Lei e da promessa escoteira. No mais, veja:
1. Aceitação da Lei e Promessa escoteira;
2. Aprender fazendo;
3. Vida em equipe;
4. Atividades progressivas, atraentes e variadas;
5. Desenvolvimento pessoal com orientação individual.