Bem-vindo (a) ao site do Porvir

Aqui, mapeamos, difundimos e promovemos a troca de práticas educacionais inovadoras

Boas inspirações!

Crédito: Jürgen Fälchle / Fotolia.com

Inovações em Educação

“Escola deve permitir que crianças participem do mundo real”

Para a designer indiana Kiran Bir Sethi, criadora do projeto Design for Change e da Riverside School, na Índia, professor precisa ensinar menos e ouvir mais

por Fernanda Nogueira 26 de novembro de 2015

A designer indiana Kiran Bir Sethi, criadora do movimento global Design for Change, batizado no Brasil como Criativos da Escola, e da escola Riverside School, que usa o conceito do design thinking no seu dia a dia, define em poucas palavras qual ela acha que é o papel da escola e do professor no processo de aprendizagem do aluno por meio da participação social. Para ela, a escola precisa derrubar muros e paredes para ajudar os estudantes a fazerem parte do mundo real. Já o professor precisa ensinar menos e ouvir mais.

Kiran esteve no Brasil na segunda semana de setembro para participar de palestras e para falar sobre seus projetos. Em uma roda de conversa no Instituto Alana, que é responsável pelo Criativos da Escola no Brasil, a educadora falou sobre o conceito do “design thinking” na escola e sobre como trazer as crianças para a realidade, e, com isso, agregar valor e significado para a vida delas.

Para a criação do projeto Design for Change, em 2009, movimento em que os estudantes se unem para pensar em mudanças que gostariam de fazer ao seu redor, em como implementá-las e compartilhá-las, e da escola Riverside School, em Ahmedabad, na Índia, Kiran diz ter tido Mahatma Gandhi como maior fonte de inspiração. “Vejo que sempre que estou em dúvida, triste ou deixando de acreditar, eu penso nele. Ele foi alguém que lutou por uma ideia por 40 anos. É uma lição muito importante que nós precisamos aprender”, afirma.

Em entrevista exclusiva ao Porvir, a designer explica por que o envolvimento social das crianças é tão importante e como isso ajuda no aprendizado delas. “Ser capaz de trabalhar com problemas reais, histórias reais, prazos reais, com pessoas reais, significa que o seu aprendizado se torna muito mais eficiente”, diz. Ela explica ainda como os quatro passos do “design thinking”, definidos pelo Design for Change como “sentir, imaginar, fazer e compartilhar”, pode contribuir para melhorar a educação.

 

Divulgação

Usando estes quatro passos, Kiran já viu crianças conseguirem acabar com o casamento de crianças em suas vilas, diminuirem o peso de mochilas escolares, reduzirem os casos de bullying e ajudarem colegas que tiveram poliomielite, conhecida como paralisia infantil, a ir à escola. “Acredito que estas simples histórias compartilhadas entre as escolas, com escolas particulares que dizem que seus alunos não têm problemas, mostram que qualquer pessoa pode mudar o mundo”, diz ela. Confira a entrevista completa:

Por que o envolvimento social dos estudantes é tão importante?
Acredito que o maior aprendizado acontece quando seu corpo, seu coração e sua mente estão juntos na experiência. Seu corpo aprende tanto quanto seu coração e sua mente. Quando você remove uma destas partes da experiência, o aprendizado se perde. Acho que o engajamento social das crianças usa o corpo, a mente e o coração. Esta junção é necessária para desenvolver competências. É o que você precisa para aprender. Qualquer tipo de aprendizagem precisa das três partes.

De que forma esse envolvimento com a comunidade e a resolução de problemas do entorno das escolas ajuda no aprendizado?
Quando uma criança percebe bem cedo que ela não precisa de ajuda, isso muda suas possibilidades e mostra que ela é capaz de comandar, de liderar. Acredito que o maior desafio das escolas é mostrar para as crianças que elas podem liderar mudanças e que não precisam de ajuda. As crianças não precisam que os adultos resolvam os problemas. Elas precisam saber que elas têm as ferramentas não só para navegar na vida, mas para modelá-la. Ser capaz de trabalhar com problemas reais, histórias reais, prazos reais, com pessoas reais, significa que o seu aprendizado se torna muito mais eficiente. Toda vez que isso acontece, a criança se torna mais confiante nela mesma.

Qual é o papel do professor e da escola neste processo?
Eu acredito que o papel do professor deveria ser o de ensinar menos e ouvir mais. Acho que o maior papel que a escola pode exercer é não resistir a esses programas e permitir às crianças serem parte da vida. Acho que a maioria das escolas acredita que precisa fazer com que as crianças sejam boas na escola. As crianças passam 15 anos dentro desses muros, da escola e da sala de aula. Por 15 anos o mundo inteiro delas se resume a uma sala de aula. Eu acredito que a responsabilidade da escola é derrubar essas barreiras, remover o máximo de paredes que forem possíveis, para que as crianças se engajem na vida. Nas escolas, elas não participam da vida por 15 anos, mas elas poderiam conhecer a vida todos os dias. Eu acho que esta é a responsabilidade da escola.

As crianças não precisam que os adultos resolvam os problemas. Elas precisam saber que elas têm as ferramentas não só para navegar na vida, mas para modelá-la

De que forma a adoção de uma posição mais ativa na sociedade ajuda a tornar as crianças pessoas melhores, ou não?
Acredito que há duas maneiras. Às vezes as escolas ou os governos pensam que é preciso adotar o ativismo. Há uma diferença entre ativismo e ser envolvido ativamente. São duas ideias bem diferentes. Ativismo é um ato de rebelião, de rompimento com a ordem social. Eu acredito que ser ativamente envolvido com a ordem social significa que você exerce um importante papel nisso e que isso é uma responsabilidade da educação e de cada criança. Finalmente, a habilidade de reconhecer que você não é passivo, que não é alguém que senta e espera as coisas da vida, perceber que seu silêncio não muda nada, que estar envolvido de forma responsável é uma importante história para se contar às crianças. Não adianta falar para a criança que ela tem que se rebelar sem se responsabilizar por isso. A ideia da ação é importante, mas a responsabilidade por aquela ação é mais importante. Isso é o que precisamos ensinar para as crianças.

Poderia explicar um pouco como o “design thinking” ajuda na educação?
Esta é a melhor parte! Eu acredito que os quatro passos do “design thinking”, que nós simplificamos para a educação – sentir, imaginar, fazer e compartilhar –, são importantes. O primeiro passo é a empatia. A ideia de engajamento, a ideia da observação das diferenças entre as pessoas. Isso é o que você precisa ensinar às crianças, que tenham empatia. Imaginar é a responsabilidade de dar aquele passo, sem culpar ninguém. Eu tomo aquela responsabilidade para mim mesmo. Isso significa resolução de problemas, significa pensamento criativo. Isso é tudo o que você precisa ensinar para as crianças. O terceiro passo é o fazer, a ação, a qualidade do trabalho que é feito. Nós não falamos para nossas crianças sobre qualidade. Qualidade é senso crítico, longevidade, colaboração com outras pessoas para fazer aquilo acontecer. O compartilhar é mostrar aquilo para alguém. Nada tem valor se não for compartilhado. Compartilhar nunca deixa você com menos, pelo contrário. Esta mensagem muda toda a forma como uma criança pensa. Por isso eu acredito que os quatro passos são tudo.

De que forma isso é aplicado na sua escola, a Riverside School, na Índia?
É aplicado para tudo, desde a forma como as crianças se engajam com o conteúdo, como fazemos o treinamento dos professores, como os educadores usam isso para planejar suas aulas, como o design do espaço é feito. Esse pensamento é a pedra fundamental de tudo que fazemos. Nós nunca iniciamos nada em que não usamos o sentimento. Mesmo quando uma criança quer fazer algo, perguntamos a ela: ‘qual é o seu sentimento?’. Agora eles sabem que eles precisam entender a situação porque eles têm a responsabilidade pela mudança. Você não pode mudar algo que você não entende. Isso se torna parte da linguagem, do processo, da avaliação. Tudo é feito de acordo com os quatro passos.

Em que a Riverside School mais se diferencia de escolas tradicionais?
Acho que a maior diferença seja, possivelmente, que lá a cocriação com as crianças é um processo natural do dia a dia. Acho que nas escolas tradicionais as crianças são tratadas como uma parte não tão importante para o programa como um todo.

Voltando ao início do Design for Change, qual foi a sua inspiração para iniciar o projeto?
Mahatma Gandhi. ‘Seja a diferença’, ele dizia. Que frase mais simples e profunda. Ao invés de reclamar, ao invés de dizer ‘se eu fosse o primeiro-ministro da Índia, eu faria isso’. Por que dizer se? Faça. Ao invés de falar que todo o mundo é ruim, que todo o sistema de educação é ruim, faça. Lidere. Acredito que, para mim, Gandhi fosse sempre uma importante inspiração. Vejo que sempre que estou em dúvida, triste ou deixando de acreditar, eu penso nele. Ele foi alguém que lutou por uma ideia por 40 anos. É uma lição muito importante que nós precisamos aprender. Acho que sua história e sua vida, de muitas maneiras, ajudou a modelar o que fazemos. Acredito que Gandhi era um ótimo designer. Ele desenhou uma sociedade totalmente nova, toda sua estrutura. Por isso, ele é uma grande pessoa por quem ser inspirada.

Eu acredito que a responsabilidade da escola é derrubar essas barreiras, remover o máximo de paredes que forem possíveis, para que as crianças se engajem na vida

Poderia citar alguns projetos de estudantes criados a partir da ideia do Design for Change que você achou mais impactantes? Por quê?
Uma delas foi a de uma vila em que as crianças conseguiram acabar com os casamentos de crianças. Nesta vila, 16 meninas começaram a lutar para acabar com isso. Elas se tornaram tão poderosas que foram convidadas por outras vilas para fazer o mesmo programa. Foi maravilhoso. Outra história que teve um grande impacto foi a de crianças que conseguiram reduzir o peso das mochilas escolares. Elas perceberam que o corpo das crianças estava sofrendo por causa do peso das mochilas. Elas conseguiram reduzir o peso pela metade. Foi uma solução tão importante que o governo escolheu a ideia delas para levar a outras escolas. Essa foi uma outra história muito importante. Uma outra grande história é a de crianças que conseguiram reduzir os casos de bullying. Elas criaram um programa de cinco dias. No primeiro dia, colocaram fita crepe na boca para sentir como era viver sem que ninguém falasse com elas. No segundo dia, elas se sentaram perto de pessoas diferentes para comer o lanche. Foram soluções simples, mas que tiveram uma profunda importância na mudança da escola. Uma outra história é a das crianças que não podiam ir à escola porque tinham sofrido de poliomielite. Os amigos deles decidiram que iriam todos os dias até a casa delas para colocá-las na bicicleta e levá-las para a escola. São histórias muito simples, mas de uma importância imensa. Eu acredito que essas simples histórias compartilhadas entre as escolas, com escolas particulares que dizem que seus alunos não têm problemas, mostram que qualquer pessoa pode mudar o mundo.

Como as meninas conseguiram mudar a questão do casamento de crianças?
Elas fizeram uma brincadeira de rua. Em pequenas vilas da Índia, meninas não saem na rua. As garotas decidiram procurar a pessoa mais importante da vila e fizeram uma brincadeira de rua em frente a esta pessoa para mostrar o que acontece quando uma criança é obrigada a se casar muito cedo. Na brincadeira, elas mostraram como as crianças poderiam trazer valor para a vila se estudassem. Elas então pediam: ‘permita que eu estude, permita que eu traga valor para a comunidade, permita que eu tenha minha infância’. Elas conquistaram este direito e conseguiram mudar as regras na vila. O casamento de crianças passou a ser proibido. Isso foi incrível. Outras vilas ouviram a história e convidaram as crianças para fazer a mesma brincadeira de rua.

Como o Design for Change mede os resultados de suas ações?
O Design for Change conseguiu mostrar que a empatia muda a forma como as crianças pensam. Elas passam a buscar soluções. Agora temos as métricas. Sabemos que o trabalho em equipe melhora o aprendizado, sabemos que a resolução de problemas melhora. Elas seguem passos para resolver um problema e percebem que podem resolver o problema por partes.

O que significou para você fazer parte da lista de dez finalistas do Global Teacher Prize, da Fundação Varkey, neste ano?
Acho que o que é importante neste prêmio é colocar bastante foco no trabalho do professor. Essa é a maior importância. Criar um prêmio em dinheiro, no valor de US$ 1 milhão, traz bastante foco ao ensino. Os professores ficam conhecidos como “superstars”. Isso é bom. Acredito também que é muito importante que o ensino na Índia tenha feito parte disso. Eu era a única representante da Índia. Para mim, a profissão de professor ter seu momento especial e a Índia ter mostrado que tem professores “superstars” foram a melhor parte.

TAGS

aprendizagem baseada em problemas, aprendizagem baseada em projetos, autonomia, design, prêmios, uso do território