29 COMENTÁRIOS // 

Site disponibiliza 700 videoaulas de matemática

QMágico oferece aulas para ensino básico dadas por melhores alunos das universidades do país

Primeiro, Salman Khan revolucionou o ensino com o suas aulas no Youtube. Depois, o MIT se uniu ao seu ex-aluno ilustre para também produzir vídeos educativos curtos voltados para melhorar a educação básica dos EUA. Agora, é a vez Brasil aderir ao movimento de olho na melhoria do ensino. A startup QMágico lançou, na Feira Educar Educador, sua plataforma com 700 vídeos de matemática gratuitos, que têm entre 7 e 12 minutos de duração, endereçados a alunos dos ensinos fundamental e médio.

O site foi idealizado pelo cearense Thiago Feijão, 22, aluno de engenharia mecânica no ITA (Instituto Tecnológico de Aeronáutica). A ideia nasceu, conta o jovem, quando ele dava aulas para população de baixa renda em três ONGs, duas delas criadas por ele mesmo, em São José dos Campos. “Quando entrei no ITA, em 2008, eu decidi trabalhar com educação para fazer com que outras pessoas pudessem ter a oportunidade que eu tive”, diz Feijão, que ficava incomodado por não conseguir atender nem de longe a todos os estudantes que queriam assistir às aulas que as organizações ofereciam.

crédito: Uwe Annas / Fotolia.comQMágico é lançado hoje
 

“Eu me perguntava: como eu faço uma coisa que seja escalável e sustentável financeiramente? Como replicar o que a gente faz aqui [nas ONGs] para o Brasil inteiro? Aí surgiu o QMágico”, diz. O click veio em um sábado, em março do ano passado, e já na quinta-feira seguinte ele e alguns colegas disponibilizaram uma primeira versão, bem simples, para as ONGs. “Vimos que os professores gostavam e que os alunos gostavam, então resolvemos expandir.”

De março para cá, a plataforma foi sendo aperfeiçoada e, a partir de agora, os vídeos de matemática ficarão disponíveis para os alunos. Pelo site, será possível assistir a vídeos escolhendo por série – do 1o ano do ensino fundamental ao pré-vestibular – ou por tema – geometria, álgebra, funções e análises combinatórias, por exemplo. As imagens mostram sempre uma lousa ou um caderno sendo preenchidos com conteúdo enquanto uma voz ao fundo dá explicações. Também estão disponíveis exercícios e testes sobre os temas oferecidos.

Um dos serviços é um pacote de treinamento para professores e instituições com orientações para o uso das tecnologias em sala de aula – a adaptação ao blended learning

Os donos das vozes são, na maioria das vezes, estudantes das melhores universidades do país que receberam bolsa para ensinar determinado assunto a crianças e jovens ou professores das ONGs lideradas por Feijão. “Nós os convidamos para fazer os vídeos e ensinamos o padrão. Temos um cronograma de desenvolvimento e já oferecemos toda a matemática de ensino básico bem estruturada, então o professor consegue encaixar os vídeos no currículo”, afirma o estudante, que prepara a oferta de vídeos de língua portuguesa e física.

A sustentabilidade financeira do QMágico ocorre por meio da oferta de outros dois tipos de serviço, que são vendidos para escolas, redes de ensino e governos. O primeiro é uma plataforma de aprendizagem virtual, em que as instituições de ensino podem inserir seus conteúdos, propor atividades on-line, fazer avaliações de alunos, além de acompanhar o desenvolvimento de estudantes e professores de maneira individualizada.

O segundo serviço é um pacote de treinamento para professores e instituições com orientações para o uso das tecnologias em sala de aula – a adaptação ao blended learning, essa utilização casada de atividades virtuais e reais que tanto preocupa educadores mundo afora. Segundo Feijão, um dos métodos que o QMágico aplica nesses treinamentos é conhecido por rotation lab, quando a turma é dividida em três grupos, ficando os alunos do primeiro terço trabalhando no computador, os do segundo fazendo exercícios e os do terceiro com o professor, que já viu o que os alunos fizeram no ambiente on-line e dá explicações específicas e tira dúvidas.

Comentar Comentar via Facebook