39 COMENTÁRIOS // 

As 12 tendências da educação brasileira até 2017

Capítulo do Horizon Report, lançado nesta semana, traz tecnologias que serão usadas em escala no país nos próximos 5 anos

Laboratórios móveis, redes, inteligências colaborativas, geolocalização, aprendizado baseado em jogos, conteúdo aberto. Achou essa lista futurista demais para ser usado em escala nas escolas do Brasil, públicas e privadas? Talvez ela não seja tão inalcançável assim. O sistema Firjan reuniu um grupo de 30 especialistas para analisar o estado do uso da tecnologia em práticas no país e fez prognósticos sobre quais ferramentas já estarão sendo usadas em escala em um horizonte de até cinco anos.

O estudo “As Perspectivas Tecnológicas para o Ensino Fundamental e Médio Brasileiro de 2012 a 2017: Uma Análise Regional do NMC Report”, divulgado nesta semana, identifica 12 tecnologias emergentes que têm potencial para impactar o ensino, além das dez principais tendências e os dez maiores desafios da educação brasileira.

olly / FotoliaAs 12 tecnologias que devem invadir as salas de aula até 2017
 

Entre as 12 tecnologias apresentadas, quatro foram apontadas entre as que devem começar a fazer parte massivamente das salas de aula em menos de um ano: ambientes colaborativos, aprendizagem baseada em jogos e os dispositivos móveis representados por celulares e tablets; outras quatro estavam entre as que devem começar a ter seu uso mais frequente em dois ou três anos: redes, geolocalização, aplicativos móveis e conteúdo aberto; e mais quatro foram podem ser esperadas em um período de quatro ou cinco anos: inteligência coletiva, laboratórios móveis, ambiente pessoal de aprendizagem e aplicações semânticas. (Alguns desses termos podem ainda não estar claros, por isso o Porvir preparou um infográfico explicativo, confira abaixo).

Os 30 membros do conselho deste projeto [...] perceberam as portas se abrindo nas escolas de educação básica no Brasil para modelos de aprendizado híbrido e colaborativo

Feito pela primeira vez no Brasil, o estudo insere um capítulo regional ao já tradicional Horizon Report, que anualmente faz previsões sobre o uso da tecnologia no universo educacional. O panorama global permitiu também comparações entre o contexto brasileiro e o internacional. Bruno Gomes, assessor de tecnologias educacionais do Sistema Firjan e participante tanto da pesquisa global quanto da nacional, ressalta alguns pontos em que nós nos distanciamos muito do mundo. “No Brasil, a gente já consegue ver o hardware, as coisas físicas em sala de aula, como o celular e o tablet. Mas falta a internet, então tudo que é feito na nuvem ou depende de uma rede boa e estabilizada vem depois”, diz.

Por isso, enquanto nos países ibero-americanos e na pesquisa global a computação em nuvem é uma realidade esperada em um ano, os especialistas brasileiros nem sequer apostaram nela para um panorama de até cinco anos. “Outra curiosidade é que, conteúdo livre, que já está acontecendo no mundo, ainda não vai acontecer no Brasil neste ano. O brasileiro ainda é apegado à autoria”, acrescenta Gomes.

Apesar das diferenças, alguns pontos são comuns em todas as partes do mundo, principalmente no que diz respeito aos desafios encontrados. “Formação de professores é um problema para o mundo”, ressalta Gomes. No relatório divulgado durante o evento Conecta 2012, que terminou hoje, os especialistas destacam também outra relevante coincidência entre o que esperam ver no Brasil e o que está posto no mundo. “Os 30 membros do conselho deste projeto concordaram com o conselho global em relação à tendência mais importante. Eles perceberam as portas se abrindo nas escolas de educação básica no Brasil para modelos de aprendizado híbrido e colaborativo”, afirmam os autores do relatório.

Este post foi alterado às 15h03 de 26 de novembro de 2012.

Comentar Comentar via Facebook

  • Deixe um Comentário

    O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

    *

    Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

    39 COMENTÁRIOS

    1. Pingback: Conheça as tendênias de educação até 2017. | Eiclik

    2. Muito boa a proposta de implantação das 12 tecnologias que com certeza farão o diferencial na educação do Brasil. O projeto parece ser bem feito e organizado por etapas/fases que gradativamente farão parte da vida do nosso estudante. Embora saibamos que as tecnologias devem estar paralelas no trabalho com professor -aluno, não é isso que se vê no cotidiano. Existe até penas ( em determinadas escolas) para o aluno que utiliza objetos informatizados em sala, provando que existe um buraco imenso (ainda) entre professor/ aluno/ direção versus celulares, tabletes ou note book. Por outro lado, nossa redes ainda estão no tempo do arco da velha, impossibilitando navegar com satisfação e eficiência. bom, mas de tudo, não podemos desvanecer, mas sim, acreditar que o caminho é o que esta constando no Projeto e temos que correr contra o tempo para não ficarmos cada vez mais na contra mão da educação.

    3. Pois bem, a Didática, a Metodologia e, principalmente a Política Educacional e as Concepções Pedagógicas críticas deverão estar atentas para todo este movimento tecnológico nas escolas do Brasil.

    4. Muito bom. Seria ótimo se toda essa tecnologia fosse acessível a toas as escolas do Brasil. Mas sabemos que apenas a minoria receberá toda essa maravilha tecnológica. Até por que a intensão real do governo é manter a massa burra. É mais fácil dominar assim.
      Num país onde crianças só vão para a escola por causa da merenda, essas tecnologias estão para elas como as naves de Star Wars está para nós.
      Torço para que o projeto saia do papel e que o governo faça acontecer.

    5. Olá, pessoal!
      Gostei muito da ideia. Desejo que isto seja uma realidade em nossas escolas públicas. Estudo Sistemas de Informação e este sonho motivo minha formação.

    6. Pingback: As 12 tendências da educação brasileira até 2017 | PORVIR | High tech and art in the school. | Scoop.it

    7. Pingback: Conheça as 12 tendências da educação brasileira até 2017 | Portal Aprendiz

    8. Pingback: Faltando um pouco mais de um mês para 2013, o que esperar da educação nos próximos anos? |

    9. Pingback: ‘Escola deve preparar alunos para errar’ | PORVIR

    10. Olá pessoal!

      Gostei bastante das perspectivas e acredito, assim como mencionado, que um dos maiores desafios se encontra na formação dos docentes. Não em relação ao conteúdo e novidades, mas principalmente em relação ao tempo! Encontramos sérios entraves atualmente para garantir que o professor tenha um espaço semanal, quinzenal e muitas vezes mensal de aperfeiçoamento, tendo em vista sua carga de trabalho. Há sugestões e perspectivas sobre esse aspecto?

      Abraços a todos que leram essa notícia, se interessam e se apaixonam pelo uso das tecnologias em ambientes educacionais!

    11. Adorei a matéria. Vejo que, nós- educadores- estamos diante de um novo paradigma emergente que nos possibilitará liberta e incluir, agir de acordo com os preceitos da alteridade e eco-ética.

    12. Minha opniao para que melhore a educação de todos, deveriamos ter um estudo de boa qualidade desde a alfabetização até a formação, gratuito, sem ter que pagar nada.. Deveria haver cursos profissionalizantes para todos desde o ensino médio, Assim a pessoa já iria se identificando com o que pretenderia fazer quando terminasse os estudos.

      Mesmo que o estudo fosse de boa qualidade e gratuito, nem todos quereriam estudar. Porem já melhoraria para aqueles que quereriam e não podem por não poder competir com aqueles que tiveram um boa educação o mesmo razoável em escola particular.

    13. É, de fato, importante, acompanhar o avanço tecnológico na educação brasileira. O projeto não me surpreende, desde que é pràticamente impossível resistir ao avanço avassalador da tecnologia de informação. Porém, a tecnologia sòzinha não surtirá o efeito desejado, desde que o elemento humano voltado à educação de base no Brasil está EXTREMAMENTE carente. Os professores que atuam no currículo regular da educação de base, na sua grande maioria, não têm idéia do que estão ensinando, e nem da importância que exercem na vida de seus alunos. Sou professor e mentor em uma escola complementar (o turno em que os alunos não estão na escola regular) para crianças em risco social; vocês não fazem idéia das barbaridades que os alunos trazem em seus cadernos, provenientes da escola regular… Se não investirmos em criar professores com P maiúsculo, que encarem seu trabalho por vocação, que realmente tenham conhecimento sôbre o que estão ensinando, e o façam por algo mais que simplesmente o chequinho no fim do mês, não teremos chance de melhora. Nenhuma tecnologia, existente ou por vir, preencherá essa lacuna.

      Obrigado pela oportunidade de comentar.

    14. Pingback: “Escola deve preparar aluno para errar”, acredita especialista | Portal Aprendiz

    15. Esse seria sem dúvida o sonho de muitas crianças, jovens e professores atualizados com as novas tecnologias, mas o que acontece é que ainda encontramos gestores e professores que pensam diferente e continuam lecionando como há 20, 30, 40 anos atrás, quando ainda não existiam essas tecnologias.
      A dificuldade que algumas escolas tem em implantar projetos desse tipo está no desafio de como utilizar as TICs (Tecnologias de Informação e Comunicação) no ambiente escolar, onde em muitas escolas esse trabalho não é visto de forma vinculada ao projeto político pedagógico, pois não integra os conteúdos administrados do currículo escolar, apresentado de forma descontextualizada com as dimensões sociais, políticas e culturais do meio em que a escola está inserida, sendo necessário um replanejamento didático-pedagógico dessas práticas aplicadas nesses espaços, como o Laboratório de Informática, Multimídia, ou mesmo na sala de aula, conforme a estrutura da escola.
      Outro problema é o fato de que este assunto assusta e muito, os professores que hoje lecionam na escola básica e que possuem uma formação na pedagogia antiga, quando ainda não existiam essas ferramentas ou em uma época em que as mesmas não se encontravam ao acesso da escola.

    16. Pingback: Mangá vira game de matemática para 500 mil alunos | PORVIR

    17. Acho que vocês devem visitar a Faculdade Impacta de Tecnologia e o IDigitalClass!!!!Alunos do MIT já vieram conhecer!!!E reitores de várias universidades do mundo tambem: Peru, India, Irlanda…E já é uma realidade!!!!!!!!!

      • Todas as aulas das Lousas eletronicas em nuvem!!!No final de cada aula os 2.000 alunos podem consultar qualquer uma das 50 aulas que foram gravadas e já estão disponviveis em nuvem pelo IDigital Class!!!

        • Conteudo livre tambem!!!!A FIT já esta preparando, assim como Harvard e outras, aulas disponibilizadas!!!!!!!!!A FIT foi criada a partir da Tese de doutorado do prof. Dr. Valdéres Fernandes Pinheiro e da inovação do empresario da area de tecnologia Sr. Célio Antunes, dono do grupo Impacta tecnologia.

    18. Pingback: As 12 tendências da educação brasileira até 2017

    19. Pingback: Blog Mondosim | Blog Mondosim

    20. Pingback: Game de matemática chegará a 500 mil alunosBlog Mondosim | Blog Mondosim

    21. Pingback: Rômulo Gondim – ‘Escola deve preparar alunos para errar’

    22. Gostei de ver que existem pessoas pensando realmente nos educandos. Se bem que me parece aquem das prioridades das escolas brasileiras. Atualmente até os obsoletos computadores que existem em algumas escola não funcionam e as crianças não tem acesso a eles por estarem sempre quebrados ou faltando alguma parte. Acho louvável essa ideia e torço para que aconteça e que nós professores possamos também nos adquar a esse novo mundo informatizado.

    23. Particularmente, acredito que já era hora de aproveitar as tecnologias comunicacionais que apareceram e começaram a ganhar força nesta década. Por meio de mecanismos tecnológicos, hoje é possível criar ambientes virtuais de interação que permitam a processos de aprendizagem colaborativa além das barreiras geográficas e até mesmo culturais. Concordo com as tecnologias acima sugeridas, mas por algum motivo os sites de redes sociais não foram mencionados. Quando fala-se de ambientes colaborativos, acredito que a utilização destes sites seria muito mais do que útil, devendo pelo menos ser considerada como uma possível ferramenta nas escolas. Existem muitos benefícios que poderiam sustentar o porquê de utilizar estes sites como ambientes colaborativos:, pois sites tais como Facebook e Twitter já possuem um lugar consolidado na aceitação do um enorme público não somente no Brasil, mas no mundo inteiro.
      Adorei a matéria! Faço minhas as palavras de Albert Einstein, quem disse que é loucura fazer a mesma coisa e esperar resultados diferentes. O mundo mudou… está na hora de repensar a educação e começar a aplicar novas tendências, novas tecnologias, novas perspectivas e novas metodologias, porém visando uma implantação prolongada e que não tenha de ser compeltamente reformulada a cada mudança de governo.

    24. Pingback: O que as novas tecnologias podem trazer em 2013 | PORVIR

    25. Pingback: O que as novas tecnologias podem trazer para a educação em 2013 | Portal Aprendiz

    26. Pingback: O que as novas tecnologias podem trazer para a educação em 2013 | Education One | Blog

    27. Sinto-me feliz e orgulhosa por ter a oportunidade de compartilhar com educadores que buscam a excelência acadêmica,um ensino de gualidade e a visão de um mundo acadêmico, revolucionado pela era digital.
      Realmente ,temos que acompanhar a evolução, antenados às mudanças ,já que, a nossa responsabilidade é imensa em relação aos educandos,Que possamos caminhar juntos ,crescendo diariamente ,não esquecendo nunca do afago e do afeto ,formando pessoas de Bem,comprometidas com um mundo novo ,onde o compromisso, a atitude de serviço,o respeito pelo outro, seja a nossa bandeira.Que venham novas e novas surpresas ,que saibamos nos encantar e encantar mais e mais … O Brasil somos nós,o povo brasileiro!!! Cantando na roda da vida o AMOR o SER fraterno!!!

    28. Fico feliz com essa perspectiva que, com certeza, tem tudo pra dar muito certo. De certa forma, essa tendência trata-se de uma constatação acerca dos projetos que eu, particularmente, já vinha desenvolvendo para tornar uma realidade. Há três anos preparei um site para utilização em sala de aula (sempre adaptada à série em que eu, enquanto professora, estivesse atuando) que conciliasse os conteúdos ministrados, tendo em vista o acesso dos meus alunos, aos conteúdos, tanto em classe como em casa. Eu sentia a necessidade de desenvolver algo que pudesse competir com os interesses que eles manifestavam pelos jogos e, também resolver fazer uso da tecnologia que estava ao meu alcance. Na classe tínhamos o privilégio de ter uma TV com acesso à internet, então, minha idéia foi aproveitar esse recurso associando abordagem dos conteúdos á tecnologia. Nesse site, coloquei explicações dos conteúdos por bimestre (para revisão), atividades interativas para reforço, vídeos relacionados, links de acesso a jogos online associados aos consteúdos (disponíveis na internet), enfim. Como sou polivalente, no site inseri janelas para as diferentes disciplinas, conduzindo a uma aprendizagem focada, atual e prazerosa. Concluindo, deu muito certo. Meus alunos adoravam e com certeza, aprendiam. Além de enriquecimento dos conteúdo abordados, a aprendizagem tornou-se realmente uma busca constante. O site ficou popular entre eles. Como parâmetro, comparando as turmas da mesma série que não utilizavam esse recurso, na escola onde eu atuava, minha turma se destacou consideravelmente, obtendo ótimo desempenho escolar. Se quiserem visitar, o meu site é: http://www.aprendizabordo.com

    29. Pingback: ‘Computação na nuvem é próxima tendência no Brasil’ | PORVIR

    30. Pingback: ‘Computação na nuvem é próxima tendência no Brasil’ | Tudo Sobre Tecnologia e Comunicação

    31. Muito bom o texto pois serve não só de atualização sobre uso de tecnologia mais também para motivar mais pesquisas.

    32. STUDYINGPAD é um aplicativo desenvolvido para Ipad voltado para os estudantes de todos os níveis. Contém cadernos digitais para o usuário se organizar e separar suas matérias. Conta com dispositivo de busca de capítulos criados pelo próprio estudante. Ele também pode desenhar e postar fotos em seus cadernos.

    33. Pingback: As 12 tendências da educaçã...