Alunos de Iperó aprendem em cidade virtual - PORVIR

Inovações em Educação

Alunos de Iperó aprendem em cidade virtual

No Kiduca, cada bairro representa uma disciplina do currículo escolar onde estudantes aprendem por meio de jogos educativos

por Vagner de Alencar ilustração relógio 2 de outubro de 2012

Nesta cidade, é possível andar a pé pelo centro ou pegar um metrô para se deslocar para locais mais distantes.  Quem visitar o bairro Ciências vai encontrar, por exemplo, um jogo para organizar, corretamente, os elementos presentes em cada estação do ano. Enquanto no bairro Português, outro game estimula o visitante a completar as palavras com as consoantes que faltam em cada uma. Mas, para quem prefere a região central, o Shoppiduca é uma opção para fazer umas comprinhas que podem ser doadas para outros moradores da cidade. Esses são alguns dos possíveis itinerários do Kiduca – Cidade Educação, uma plataforma interativa que simula uma cidade virtual onde estudantes do ensino fundamental podem passear por bairros que representam disciplinas do currículo.

crédito reprodução

Lançada há dois anos e meio, a plataforma está sendo usada por 11 escolas públicas e quatro privadas do município de Iperó, próximo a Sorocaba, em São Paulo. O objetivo do projeto é atingir todas as escolas públicas da região. No primeiro ano de atuação, os conteúdos abrangiam o 1o ano do ensino fundamental. Depois, nos anos seguintes, passaram para o 2o e 3o anos. A ideia é que, até fevereiro de 2013, alcancem todos os anos do fundamental I e, para o final de 2013, o ensino fundamental completo.

“Estamos falando de uma mudança de paradigma da educação. Muitas crianças não têm motivação com o ensino tradicional. Decidimos então criar esta plataforma que tem a gamificação como pano de fundo ao processo de aprendizagem”, afirma Jorge Proença, criador do projeto. Segundo ele, um dos diferenciais da plataforma são os jogos educativos baseados nos PCNs (Parâmetros Curriculares Nacionais). “O estudante encontra na ‘Cidade Educação’ justamente aquilo que vê em sala de aula”, afirma.

Kiduca - Cidade Educação Jorge Proença

 

No bairro de Ciências, por exemplo, ele pode acessar jogos sobre os cinco sentidos ou encontrar um cenário em que precisa apontar os erros sobre o combate à dengue e, enquanto faz isso, pode ir interagindo com outros alunos e professores. Dentro do próprio jogo, todos conseguem se comunicar por meio de chats de textos e áudio. Além disso, muitos conteúdos estimulam nos estudantes valores morais e cidadania. “Criamos situações que desenvolvem aspectos de solidariedade e dinâmica de troca e doações”, afirma. “Ao acumular pontos nos jogos que encontra na cidade, o estudante pode converter parte deles para fazer doações de roupas e outros itens”, completa Proença.

Além do jogo, o projeto também oferece o Faceduka, rede social específica da plataforma, que ajuda alunos e professores a se comunicarem e criarem conteúdos de forma compartilhada.


TAGS

ensino fundamental, tecnologia

5
Deixe um comentário

avatar
500
0 Comentários ao conteúdo
0 Respostas a comentários
0 Seguidores
 
Comentário com mais reações
Comentário em alta
0 Autores
Quem acabou de comentar
  Acompanhar a discussão  
Mais recentes Mais antigos Mais votados
Tipo de notificação