Alunos vencem concurso literário utilizando caderno na nuvem - PORVIR
Crédito: Sergey Nivens / Fotolia.com

Diário de Inovações

Alunos vencem concurso literário utilizando caderno na nuvem

Professor incentiva trabalho colaborativo e reflexão sobre a cidade a partir de produção literária coletiva usando tecnologia

por Jonatas Turcato Syrayama ilustração relógio 17 de agosto de 2016

A prática da escrita em sala de aula nem sempre é matéria que desperta atenção e interesse por parte dos alunos. Em meio a tantas atrações de entretenimento e um volume enorme de informações, pode ser difícil para o adolescente se concentrar para contar uma história que seja envolvente e tenha uma estrutura organizada. Ao menos, é o que eu, como professor de Português da rede pública, venho observando. Por esse motivo, fiz uma experiência “alternativa” com meus alunos.

Incentivei a turma do 1º ano da Escola Estadual Reverendo, em Praia Grande (SP), a participar de um concurso literário aberto pela prefeitura, onde os participantes teriam que fazer uma redação com o tema “Minha cidade, nossa história”. A proposta era contar uma história sobre a cidade em que vivem, de preferência com um olhar particular. O diferencial foi o uso de um software chamado OneNote, um bloco de anotações digital acessível em diferentes dispositivos.

A ferramenta funcionou como uma espécie de caderno virtual coletivo, hospedado na nuvem, onde todos os alunos postaram os textos e podiam visualizar o conteúdo dos colegas.  No começo, foi uma verdadeira bagunça. Como esse tipo de ambiente de trabalho online era novidade, os estudantes ficavam se provocando, alterando e apagando os textos do outro. Deixei acontecer por um tempo e depois retomei a organização da sala. Expliquei que aquele exercício era importante para aprenderem maneiras colaborativas de trabalho, que são o novo padrão de produtividade do mundo contemporâneo, seja em empresas ou em projetos pessoais.

A experiência teve consequências positivas na vida dos alunos, como: aumento da autoestima intelectual, valorização do local de origem e fortalecimento dos laços de amizade

Um aspecto interessante do experimento foi a possibilidade de produzir conteúdo remotamente. O desenvolvimento dos textos não ficou atrelado somente à sala de aula, mas pode acontecer na casa deles e em qualquer lugar com acesso à internet. Mais uma vez, uma simulação de uma prática bastante comum nos dias atuais. Em um nível profissional, é o que alguns vêm chamando de “Nomadismo Digital”, um estilo de vida que une familiaridade com recursos digitais, dados em banda larga e disposição para rodar o mundo.

O uso do caderno de anotação em nuvem deu autonomia aos jovens, uma vez que puderam ter o acesso completo às redações de todos os colegas a qualquer hora e lugar. Isso lhes trouxe responsabilidade pelo próprio aprendizado e possibilitou que eles se aprofundassem nos temas com conteúdos complementares pesquisados na internet, por exemplo.

Meu papel foi coordenar a atividade e os prazos de execução, além de cuidar da edição e revisão dos textos no que se referia ao conteúdo. Minha preocupação nas observações era ajudá-los a ter um olhar apurado sobre a realidade da cidade e a maneira como isso poderia se traduzir na linguagem escrita.

A ferramenta estava a serviço de uma proposta educacional e não o contrário

Ao que tudo indica, a experiência deu certo. Tivemos quatro premiados no concurso literário! Além dos aprendizados técnicos que a ferramenta do caderno em nuvem propiciou, o feito teve consequências positivas na vida dos alunos, como: aumento da autoestima intelectual, valorização do local de origem e fortalecimento dos laços de amizade. É interessante notar que o sentimento da vitória foi compartilhado por toda a sala. O espírito de competição e de colaboração estavam balanceados e presentes na medida certa.

O uso da tecnologia serviu como um incentivo adicional para os alunos se envolverem com a proposta do concurso. A ferramenta estava a serviço de uma proposta educacional e não o contrário. Acredito que seja um exemplo interessante de como integrar a tecnologia em sala de aula, algo que ainda é um desafio para escolas e professores.


Jonatas Turcato Syrayama

Jonatas Turcato Syrayama é graduado em Letras (Português/Inglês) e especialista também nessas duas áreas. Professor há 18 anos, procura trabalhar com atualidades e projetos que envolvam os alunos de forma lúdica e espontânea. É apaixonado por videogames, computador, internet e tecnologia, recursos que acaba incorporando em sua prática docente. Atualmente é parte do programa MIEexpert da Microsoft, além de ser professor de escola de ensino integral do Governo do Estado de São Paulo na cidade de Praia Grande (São Paulo), onde atua também como professor universitário na Faculdade Alfa.

TAGS

aprendizagem colaborativa, autonomia, ensino médio, tecnologia

1
Deixe um comentário

avatar
500
1 Comentários ao conteúdo
0 Respostas a comentários
0 Seguidores
 
Comentário com mais reações
Comentário em alta
1 Autores
Elisangela Lima Quem acabou de comentar
  Acompanhar a discussão  
Mais recentes Mais antigos Mais votados
Tipo de notificação
Elisangela Lima
Visitante
Elisangela Lima

Graças a esse professor maravilhoso eu e alguns colegas conseguimos, tudo graças a ele, só temos a agradecer pelo incentivo e dedicação!!!