Aprendizado por interesses tem reflexo no desempenho - PORVIR

Inovações em Educação

Aprendizado por interesses tem reflexo no desempenho

Pesquisadora dos EUA aponta aproveitamento superior de alunos submetidos a exercícios envolvendo seus temas de preferência

por Davi Lira ilustração relógio 28 de novembro de 2013

Aprender álgebra é um desafio para muitos estudantes. Nem sempre esse mundo repleto de equações e operações matemáticas gera o mesmo interesse no aluno que os jogos ou os outras atividades de lazer, por exemplo. Um estudo desenvolvido pela pesquisadora norte-americana Candace Walkington da Universidade Metodista do Sul, em Dallas, porém, mostra que os estudantes conseguem aprender mais sobre a álgebra quando temas de seu interesse são utilizados como estratégias de ensino. Para chegar a essa conclusão, a pesquisadora verificou que, quando uma questão sobre o assunto traz um enunciado envolvendo o universo da Fórmula 1, o aluno que gosta de automobilismo tem mais chances de resolver o problema. Já o estudante que não é familiarizado com o tema tem mais propensão a não acertar a questão.

Para chegar a tal conclusão, Candace selecionou 145 estudantes do ensino médio matriculados na disciplina de Álgebra I. Destes, 72 foram instruídos a responder uma série de tarefas produzidas por um sistema que oferece exercícios para explicar álgebra, o Cernegie Learning’s Tutor. Para que as questões fossem mais personalizadas, foi realizado um questionário para verificar o nível de interesse dos alunos em nove diferentes áreas: esportes, música, cinema, TV, games, arte, informática, comida e compras. Feito isso, os jovens respondiam exercícios envolvendo o mesmo assunto mas apresentados dentro de um contexto mais familiar. Os demais estudantes (73), que faziam parte do grupo controle, responderam questões que não foram adaptadas aos seus gostos particulares.

crédito stocksnapper / Fotolia.com

Quer dizer, ao serem submetidos a problemas que trabalhavam a mesma estrutura matemática mas que traziam um enunciado envolvendo um jogo de basquete, por exemplo, o aluno que gostava mais do tema se saiam melhor que o outro estudante que não tinha interesse por esportes. Assim, ao coletar o desempenho dos alunos com menor aproveitamento, tanto aqueles que faziam parte da pesquisa quanto os que eram apenas “controlados”, por exemplo, notou-se que quase 60% dos alunos “cobaia” sabiam escrever expressões algébricas. Dos que não responderam questões envolvendo temas de seus interesses, o porcentual de sucesso foi de 25%. Essa foi uma das conclusões mais importantes, segundo o site EdSurge.

Mesmo que seja considerada por muitos como uma constatação “natural”, o grande diferencial da pesquisa foi, exatamente, a quantificação do impacto do aprendizado por interesse no processo pedagógico. “Os resultados [do estudo] sugerem que a personalização atua como uma propulsora [do aprendizado].  Nessa pesquisa mostramos apenas uma simples melhoria da aprendizagem com uma simples adaptação da pedagogia baseada em interesses”, afirma Candice.

Mesmo reconhecendo a limitação do estudo, a pesquisadora se mostra entusiasmada com o surgimento de plataformas adaptativas de ponta e aprimoramento de soluções tecnológicas ainda mais complexas e sistemas pedagógicos que contemplem as particularidade e expectativas de cada aluno. “A personalização tem a capacidade de estimular os interesses dos alunos de forma mais autêntica e significativa. E a tecnologia tem a capacidade de criar sistemas ainda mais robustos que permitam aos alunos aprender de acordo com as suas experiências”, diz.

Com informações do EdSurge


TAGS

pesquisas

1
Deixe um comentário

avatar
500
0 Comentários ao conteúdo
0 Respostas a comentários
0 Seguidores
 
Comentário com mais reações
Comentário em alta
0 Autores
Quem acabou de comentar
  Acompanhar a discussão  
Mais recentes Mais antigos Mais votados
Tipo de notificação
X