Jovens querem atividades práticas e tecnologia na escola - PORVIR
Crédito: Reprodução

Blog

Jovens querem atividades práticas e tecnologia na escola

Projeto inédito que contou com a participação de 132 mil jovens de 13 a 21 anos, de todas as regiões do país, mostra o que eles pensam e o que esperam da escola; metodologia envolveu estudantes na formulação das perguntas e na mobilização dos colegas para respondê-las

por Redação ilustração relógio 6 de outubro de 2016

A pesquisa “Nossa Escola em (Re)Construção” ouviu 132 mil adolescentes e jovens de 13 a 21 anos e mostrou que estudantes de todas as regiões do país desejam uma escola com currículo mais diversificado e flexível, em que se aprende com atividades práticas e tecnologias, em espaços físicos dinâmicos e variados.

Após a ampla repercussão dos resultados, no dia 22 de setembro, técnicos responsáveis pelo estudo voltaram a analisar as respostas dos jovens sobre a escola que têm. A nova leitura permite afirmar que quatro em cada 10 estudantes estão satisfeitos com as aulas e os materiais pedagógicos. Essa nova análise traça um cenário um pouco menos sombrio do que o divulgado na primeira versão da pesquisa – quando apenas um em cada dez participantes afirmavam estar satisfeitos com as aulas e materiais pedagógicos. O resultado reafirma a urgência das instituições de ensino reverem suas estratégias.

Apesar das críticas, os respondentes da pesquisa demonstram que ainda têm um vínculo afetivo com o espaço escolar: 70% deles gostam de estudar em suas escolas e 72% dizem que lá aprendem coisas úteis para sua vida.

Ainda assim, sugerem uma série de mudanças. O que os alunos ouvidos mais sentem falta na escola são atividades extraclasse, uso de tecnologia e atividades artísticas. Melhorias na alimentação escolar e nas atividades esportivas também estão no rol das principais necessidades apontadas.

Conforme resultados já divulgados, quando falam sobre a escola que desejam, os jovens demonstram querer substituir as aulas teóricas e aplicação de provas pela aprendizagem por meio de projetos que envolvem atividades práticas ou resolução de problemas, uso da tecnologia e interação com a comunidade dentro e fora da escola.

Em relação ao currículo, mostram interesse em outros conteúdos além das disciplinas tradicionais, como conhecimentos ligados à tecnologia, habilidades de relacionamento, política, cidadania e direitos humanos, esporte e bem-estar. Também querem poder escolher parte das matérias que vão estudar.

No que diz respeito aos recursos educacionais, acham que vão ser mais felizes e aprender mais com projetos, rodas de conversa e pesquisa na internet. Apontam ainda que uma escola mais inovadora deve ter robótica, programação e games. Os estudantes também propõem mudanças para a sala de aula, trocando-se as carteiras fixas e enfileiradas por móveis e ambientes variados, inclusive com a utilização mais frequentes de espaços externos dentro e fora da escola.

“Nossa Escola em (Re)Construção” é uma iniciativa do portal Porvir (porvir.org), especializado em inovações educacionais, programa do Instituto Inspirare. O estudo foi realizado com a parceria técnica da Rede Conhecimento Social. A pesquisa foi estruturada com base em metodologia chamada PerguntAção, que envolveu os jovens em todas as etapas do processo. O questionário ficou disponível na internet entre 28 de abril a 31 de julho deste ano, para que alunos ou ex-alunos de todo o Brasil pudessem responder às questões formuladas com apoio de um conselho de especialistas e de um grupo de 25 jovens. Os respondentes representam 1.707 municípios de todos os Estados mais o Distrito Federal. A Região sudeste teve a maior proporção de participantes: 85,4%. Os interessados em conhecer os resultados da escuta e realizar iniciativa semelhantes podem ter acesso ao relatório da pesquisa na íntegra e ao questionário em PDF no link (http://porvir.org/nossaescola). São parceiros de disseminação dos resultados a Mova Filmes e a Inketa, que produziram vídeos e uma plataforma virtual para ampliar o acesso dos interessados aos dados da pesquisa.

SOBRE O INSTITUTO INSPIRARE
Criado em 2011, o Instituto Inspirare (http://inspirare.org.br/) tem como missão inspirar inovações que possam melhorar a educação brasileira. Sua atuação acontece por meio de quatro programas: o Porvir, que difunde tendências e inovações educacionais através do portal http://porvir.org/; o Iniciativas Empreendedoras, que fomenta empreendimentos de impacto em educação através da plataforma Apreender (http://apreender.org.br); o Laboratórios Educativos, que experimenta inovações educacionais na prática; e o Educação Pública Inovadora, que apoia redes públicas de ensino que querem inovar em escala.


TAGS

aprendizagem baseada em projetos, educação mão na massa, novos espaços, pesquisas, tecnologia

Deixe um comentário

avatar
500
  Acompanhar a discussão  
Tipo de notificação