Escola estimula que alunos sejam autodidatas - PORVIR

Inovações em Educação

Escola estimula que alunos sejam autodidatas

No Colegio Fontán, na Colombia, são os estudantes que montam seu próprio currículo; cada nível escolar pode durar de 4 meses a 2 anos

por Vagner de Alencar ilustração relógio 28 de setembro de 2012

Nesta escola, não há alunos enfileirados uns atrás dos outros dentro de uma mesma sala, divididos por séries, ou mesmo professores ditando conteúdos. Quem decide o currículo são os estudantes, que também administram quando e onde vão estudar. É assim que funciona o Colegio Fontán, em Bogotá, na Colômbia, que busca inspirar a autonomia nos alunos, para que eles aprendam por conta própria e se tornem intelectualmente maduros.

Fundada pelos filósofos psicólogos  Emilia Fontán e Buenaventura Fontán, há 27 anos, a escola vai na contramão do modelo tradicional de ensino. Baseada no sistema que valoriza a individualização da aprendizagem, permite ao estudante montar seu currículo e estudar de forma autodidática. O modelo de educação é reconhecido pelo Ministério de Educação do país como uma proposta inovadora.

crédito Pitcha T. / Fotolia.com

Atualmente, cerca de 200 alunos de ensino fundamental e médio passam pela metodologia chamada Serf (Sistema Educativo Relacional Fontán), centrada na realidade de cada estudante e em que cada um deles tem um projeto educativo pessoal. São os alunos, por exemplo, que escolhem o que a escola chama de “taus”, ou seja, os textos autodidáticos que eles pretende estudar para aprender cada disciplina da grade.

Para avançar uma série escolar, o estudante pode demorar quatro meses ou, se preferir, 15 ou 23. É ele também quem determina quando está preparado para realizar a avaliação, que sempre precisa alcançar um “rendimento de excelência”. “A mediocridade é inadmissível. A excelência serve para todos e não apenas para uma elite. Todos podem alcançá-la. É uma questão de tempo. Quanto tempo o aluno demora é um fator secundário. Isso é bem diferente do modelo tradicional em que o estudante trabalha com o tempo constante e rendimento variável”, afirma Julio Fontán, diretor do colégio.

“A metodologia da escola é baseada na premissa de que ‘a civilização é uma cultura escrita, não apenas oral’ e que a ‘cultura do conhecimento’ é feita de conhecimentos lógicos e estruturados”

Os exames são considerados difíceis. O mínimo que o aluno deve atingir é 9 pontos – sobre 10. Mesmo assim, quando alcança esse mínimo, um tutor envia uma análise que orienta o estudante sobre como ele deve se preparar melhor para realizar uma nova prova e enfim conquistar o 10.

Para se tornar um aluno do Fontán, é preciso passar por um processo seletivo que avalia o nível escolar– exceto crianças de nível pré-escolar – por meio de provas de raciocínio lógico, escrita, leitura e matemática. Segundo o diretor do colégio, muitos alunos ingressam na escola com pouca leitura, porque o sistema tradicional de ensino não os ensina a ler “mentalmente”, ou seja, a ter capacidade de interpretação. No modelo Fontán, os estudantes não aprendem em sala de aula ouvindo um professor falar, mas lendo. “A metodologia da escola é baseada na premissa de que ‘a civilização é uma cultura escrita, não apenas oral’ e que a ‘cultura do conhecimento’ é feita de conhecimentos lógicos e estruturados”, diz.

Experiência Fontán

“O colégio nos ensinou a aprender de verdade; nos mostra que o importante não é passar em uma prova, mas realmente aprender. A escola também me ensinou a estudar por conta própria e a aprender 100% daquilo que eu gosto”, afirma Agustín Botero Arango, que ingressou no colégio na 7a série.

É o que também pensa Laura Restrepo Le Flohic, que saiu do Fontán em 2002 e hoje faz faculdade de administração de empresas. “A escola me permitiu desenvolver uma leitura mais rápida, que me faz interpretar melhor qualquer conteúdo. Além disso, despertou o hábito de estudar sem a obrigação de sentar numa sala de aula”.


TAGS

autonomia, personalização

4
Deixe um comentário

avatar
500
3 Comentários ao conteúdo
1 Respostas a comentários
0 Seguidores
 
Comentário com mais reações
Comentário em alta
4 Autores
Luiz Claudio de Mello AlvesMaLuiz Claudio de Mello AlvesCatharina Rosendo Quem acabou de comentar
  Acompanhar a discussão  
Mais recentes Mais antigos Mais votados
Tipo de notificação
Catharina Rosendo
Visitante
Catharina Rosendo

Acho que trabalhar a individualização num mundo colaborativo hoje é tão contraditório. Ensinar a excelência e a buscar seus próprios desafios é interessante, mas trechos como o medíocre é inadmissível me faz parecer uma educação neo-nazista. Onde os bons não se misturam, onde são independentes e auto-suficientes.

Ma
Visitante
Ma

Catharina, é por causa de pensamentos como os seus que a educação brasileira não vai pra frente. Estamos entre as 35 piores educações do mundo e você prefere que fique como está? Não seria mais inteligente usar um método que realmente funciona ao invés do seu, revestido de moralidade duvidosa desse nosso país? Cada pessoa merece sim ser tratada de maneira individual, somos todos seres humanos, mas cada um de nós temos nossas peculiaridades. Não… Ler mais »

Luiz Claudio de Mello Alves
Visitante
Luiz Claudio de Mello Alves

Fui formado através da educação tradicional e hoje vejo como Professor do ensino fundamental do Município do Rio de Janeiro, a importância em reestruturar a Educação Brasileira, com novos métodos de ensino , e por também estar sendo incluído em um projeto inovador do “GENTE”, estou procurando conhecer com maior profundidade o método a ser adotado e vejo que como o desenvolvimento do mundo e dos seres humanos, existe essa necessidade em caráter de urgência… Ler mais »

Luiz Claudio de Mello Alves
Visitante
Luiz Claudio de Mello Alves

Fui formado através da educação tradicional e hoje vejo como Professor do ensino fundamental do Município do Rio de Janeiro, a importância em reestruturar a Educação Brasileira, com novos métodos de ensino , e por também estar sendo incluído em um projeto inovador do “GENTE”, estou procurando conhecer com maior profundidade o método a ser adotado e vejo que como o desenvolvimento do mundo e dos seres humanos, existe essa necessidade em caráter de urgência… Ler mais »