Ideias para evitar o "chute" nas provas com alternativas - PORVIR
katleho Seisa / iStock

Inovações em Educação

Ideias para evitar o “chute” nas provas com alternativas

Algumas tarefas podem ajudar a eliminar a adivinhação e garantir que os alunos do ensino fundamental mostrem o que sabem em testes padronizados

por Thomas Courtney, do site Edutopia ilustração relógio 22 de abril de 2022

Na minha aula, há uma palavra terrível que nunca usamos que começa com a letra C. Essa palavra é “chute”. Todos já nos disseram que, se não soubermos a resposta para uma pergunta, nosso último recurso deve ser adivinhar, tentar a sorte. Mas há muito mais que podemos fazer antes de chegarmos lá.

O Porvir precisa da sua doação para uma exposição que celebra feitos de professores. Participe!

À medida que nos aproximamos dos testes, é importante que todos nós, professores, e nossos alunos, saibamos quando estamos “chutando” e por que não devemos fazê-lo, exceto como último recurso. Há algo ainda mais importante que as crianças podem aprender: o que é adivinhar a resposta e como podemos superar o desejo de fazê-lo.

Na minha aula, nós nos preparamos para os testes de maneiras que vão além das planilhas e da prática de revisão. Especificamente, realizamos algumas tarefas metacognitivas que redefinem e eliminam os “chutes” o máximo possível. Essas tarefas envolvem estruturas de linguagem e expectativas que podem funcionar em outras salas de aula. Abaixo, o modelo que sigo: 

Explique o que significam os “chutes” 

“Chute” é uma daquelas palavras estranhas que achamos que as crianças sabem. No entanto, quanto mais eu ensino, mais vejo que meus filhos não conhecem o termo do jeito que eu conheço. Quantas perguntas fazemos aos alunos que nem sempre têm uma resposta claramente definida? Na verdade, à medida que a pedagogia cresce, muitas vezes fazemos deliberadamente mais e mais perguntas abertas, e por boas razões. Queremos que as crianças se sintam à vontade para lançar possíveis soluções ou ideias, mesmo quando estiverem erradas. Mas, infelizmente, nos exames com alternativas, os alunos não têm a oportunidade de explicar ou debater tais questões.

Para superar esse desafio, em minha sala de aula, meus alunos e eu fazemos uma chiva de ideias juntos, sobre quando e como adivinhamos. Costumo usar um bloco de notas, como um mapa circular, e adicionar ideias usando uma cor de marcador. A participação típica de crianças inclui coisas como “Estou adivinhando quando escolho qualquer resposta” e “Acho que elimino uma ou duas opções, mas depois ‘chuto’ uma das duas últimas”. Após essas revelações, oriento os alunos a entender o que significa “chutar” em um contexto de teste: escolher uma resposta sem evidências suficientes para embasar a escolha.

Em várias classes, isso pode exigir várias conversas. Uma vez estabelecido um conceito mais detalhado de adivinhação, as crianças têm uma base para se sair melhor em todos os tipos de teste, não apenas em alguns.

Para a próxima parte, você precisará de duas cores de marcador, um gráfico de quadros e uma boa e velha história de professor.

Como entender os “chutes” a partir do ponto de vista dos alunos 

Minha história “anti-chutes” favorita é sobre a sonda espacial Beagle 2, que falhou quando desceu à superfície de Marte. Embora Hollywood tenha nos dito que poderiam ter sido robôs alienígenas, o consenso da maioria dos engenheiros é que seus paraquedas não foram implantados corretamente porque… Não foram testados corretamente.

“Imagine”, digo aos alunos, “que seu trabalho é construir os paraquedas que serão acionados durante o pouso do Beagle. Centenas de pessoas trabalharam no projeto, que custou 20 milhões de dólares. O que você faria de diferente?”

Agora mudo para o segundo marcador e uso em uma nova cor enquanto os alunos compartilham suas sugestões. As respostas típicas agora incluem: “Eu faria todos os cálculos matemáticos duas vezes” ou “Eu faria um modelo do paraquedas e diferentes simulações”. Inevitavelmente, haverá um contraste claro entre as respostas de dois tons no gráfico. E é exatamente isso que você procura. Nesta fase, fazemos um plano em conjunto, onde estabeleço expectativas de como se espera que os alunos evitem adivinhar. Peço à classe que discuta ideias sobre como podemos evitar os “chutes” em nossa sala de aula.

Em um segundo gráfico, registro essas ideias em uma lista, que em breve se tornará nossas normas de teste. As respostas típicas para matemática geralmente incluem “Se estamos resolvendo problemas de matemática que não podemos resolver em nossa cabeça, devemos fazer o trabalho perfeitamente no papel” ou “Podemos estimar mesmo que não possamos resolver o problema”. Para alfabetização, uma norma típica soa como: “Se um parceiro me perguntasse durante o teste por que escolhi essa resposta, eu seria capaz de explicar a eles”. Certifique-se de considerar com antecedência quais normas você está procurando, para levar seus alunos a esse entendimento com você. Acho que conversar com os estudantes individualmente ou em pequenos grupos sobre questões perdidas anteriormente pode ser muito útil.

Use quadros de linguagem para encontrar respostas adequadas

Para a próxima etapa, criamos quadros de linguagem, gerados a partir de nossas normas anti-suposição. Frases típicas para matemática incluem explicar os passos dados para resolver uma questão. Os alunos então explicam por que sua resposta é razoável, usando uma estimativa. Para alfabetização, os alunos podem consultar o texto e usar evidências para explicar sua resposta. 

Depois que os estudantes praticarem suas normas e usarem estruturas de linguagem para também praticar sua explicação para os colegas, peça-lhes que refaçam um exame aplicado no início do ano, com essas novas medidas em vigor. Na minha aula, a discussão posterior é motivadora e edificante. Meus alunos gostam de ver que agora têm as estratégias necessárias para se sair muito melhor nas provas. Isso alivia a ansiedade e lhes dá uma sensação de poder em uma situação na qual não têm controle.

* Publicado originalmente em Edutopia e traduzido mediante autorização
© Edutopia.org; George Lucas Educational Foundation


TAGS

avaliação, personalização

Cadastre-se para receber notificações
Tipo de notificação
guest
0 Comentários
Comentários dentro do conteúdo
Ver todos comentários
0
É a sua vez de comentar!x
()
x
X