Estudantes, professores e makers produzem equipamentos de proteção para médicos contra o coronavírus - PORVIR
Crédito: Divulgação

Coronavírus

Estudantes, professores e makers produzem equipamentos de proteção para médicos contra o coronavírus

Projeto colaborativo usa impressoras 3D e cortadoras a laser para fabricar máscara de proteção facial, equipamento cada vez mais em falta nos hospitais durante pandemia do COVID-19

por Maria Victória Oliveira ilustração relógio 3 de abril de 2020

Em meio à escassez de equipamentos de proteção hospitalar para tratar pacientes com coronavírus (COVID-19), educadores, estudantes e voluntários no melhor espírito do movimento maker, que tem como princípio a crença de que qualquer pessoa pode consertar, modificar, criar e produzir objetos com as mãos, lançaram uma força-tarefa para ajudar profissionais da saúde. Em diferentes espaços de fabricação, o grupo está produzindo máscaras faciais de proteção (“face shields”, em inglês) próprios para uso em UTIs (Unidades de Terapia Intensiva).

Assim como a Itália, que contabiliza milhares de infecções do COVID-19, em São Paulo (SP) parte dos atingidos está na linha de frente de atendimentos (médicos, enfermeiros e outros profissionais da saúde). Nos últimos dias, foram centenas os casos deste tipo noticiados em hospitais que concentram o tratamento contra o vírus. Aliado a outros equipamentos como óculos e máscaras, esse tipo de protetor facial adiciona uma camada extra de proteção que permitirá aos profissionais continuarem com os atendimentos.

A produção do protetor facial está a todo vapor no âmbito do movimento Makers Contra a COVID-19. Trata-se de um grupo autônomo e horizontal, fundado por amigos que perceberam a necessidade de apoiar o combate à pandemia. Kadu Braga, educador fundador da Teia Inovação Consciente e um dos articuladores do movimento, explica que produzir as máscaras e distribui-las a hospitais é a forma que o grupo encontrou para reforçar a importância do SUS (Sistema Único de Saúde) e da pesquisa no Brasil, além de ajudar aqueles que estão na linha de frente.

As máscaras, a cultura maker e a educação

A máscara é formada por uma tiara e uma folha de acetato. No processo de construção, são usados equipamentos próprios do universo maker como cortadora a laser e impressoras 3D, tanto para cortar a folha quanto para imprimir a tiara. O modelo criado pelo “Makers Contra a COVID-19” chama-se Viva SUS e, para chegar no formato funcional para UTI, foram feitos ajustes e testes em contato com profissionais da saúde e com o Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Recentemente, a peça obteve aprovação da Dra. Ho Yeh Li, coordenadora da UTI de infectologia da instituição.

Não se trata de fazer um LED acender ou um motor mexer se não há intencionalidade, seja pedagógica ou social

Para Kadu, a pandemia ajudou a resgatar o verdadeiro objetivo do movimento maker de atuar na educação construcionista e promover o “fazer para aprender”, além do fato de que usar conceitos e ferramentas é uma forma de mostrar aos estudantes que essa cultura existe para a prototipação de soluções para problemas reais. “Não se trata de fazer um LED acender ou um motor mexer se não há intencionalidade, seja pedagógica ou social.”

Segundo o educador, está tudo interligado: o movimento mostra a importância da pesquisa e do compartilhamento livre, horizontal e autônomo dessas descobertas. Foi esse ideal da cultura maker que possibilitou a participação de tanta gente na produção disseminada das máscaras.

“Nós criamos uma rede pela internet. Mas como está todo mundo em quarentena, não conhecemos grande parte das pessoas que estão apoiando o movimento. Em um dia desses, fomos buscar uma produção na região do ABC. Nós já tínhamos verificado que era uma das melhores produções, a mais profissional e que passava no controle de qualidade de primeira. Qual não foi a nossa surpresa de ver que era um jovem que produzia as máscaras. O nosso produtor de melhor qualidade era praticamente um adolescente, ou seja, a cultura maker possibilita que especialistas não sejam só aqueles com muitos anos de mercado, mas pessoas com acesso a pesquisa e ao desenvolvimento autônomo”, explica Kadu.

O jovem em questão é João Pedro Vilas Boas, estudante de engenharia de instrumentação, automação e robótica da UFABC (Universidade Federal do ABC), instituição localizada em Santo André (SP). Um dos motivos que explicam a excelência de seu trabalho com as máscaras é a longa familiaridade com o movimento maker. Natural da Bahia, João Pedro participava de competições de robótica desde cedo, chegando a campeonatos mundiais. Veio para São Paulo para ter mais acesso a esse universo e, navegando em fóruns e vídeos na internet, começou a montar impressoras 3D com apenas 16 anos.

Após passagem como assistente de robótica no Colégio Dante Alighieri, em São Paulo (SP), hoje João Pedro integra a equipe da Tenda Digital, que trabalha com soluções tecnológicas para educação. Depois de ficar sabendo do projeto, decidiu, juntamente com colegas da empresa, colocar as impressoras 3D para funcionar. “Nós já temos ‘know-how’ para produção de peças em média e larga escala, já conhecemos o fabricante, sabemos quais são as configurações exatas para o tipo de impressão que estamos fazendo. Tudo isso ajudou muito a fazer os ‘face shields’”, afirma.

Para o universitário, a pandemia possibilita a percepção de que a produção de insumos e materiais necessários não depende apenas de grandes empresas que, atualmente, estão com as produção reduzidas ou paralisadas. “É superimportante que pessoas, sejam do movimento maker ou não, consigam ter esse pensamento de ‘eu também posso gerar mudança, não preciso esperar que uma fábrica gigantesca produza. Eu posso, dentro da minha casa e com as minhas ferramentas, produzir coisas que vão gerar alguma diferença.’ O movimento maker está aqui para reforçar que, mesmo que você seja pequeno, é possível gerar algum tipo de mudança.”

O movimento maker na escola 

Ao passo que movimentos livres como o “Makers Contra a COVID-19” e universidades estão disponibilizando equipamentos, recursos e mão de obra para a produção das máscaras, também já existem mobilizações em escolas de ensino fundamental e médio. É o caso da Avenues, filial de uma instituição norte-americana em São Paulo. Com aulas suspensas desde o início de março em razão da pandemia, os alunos resolveram se mobilizar e, para isso, contaram com apoio de Rui Zanchetta, professor de “design and engineering” e fundador da Casa de Makers.

Ao mesmo tempo que Rui mobilizou as impressoras 3D de sua empresa para impressão das máscaras, mães entraram em contato com uma orientadora educacional na Avenues, buscando informações sobre possíveis ações frente à pandemia. Com a soma de esforços, foi criado um grupo de WhatsApp com famílias, alunos e professores e demais pessoas que se disponibilizaram a participar.

“O grupo de WhatsApp cresceu muito rápido. Nós começamos a nos organizar em frentes. Eu e um aluno estamos produzindo os escudos. Outros estão projetando tiaras, outros estão estudando formação de parcerias e realizando a comunicação para arrecadação de fundos porque, até então, o investimento era de recursos próprios da Casa de Makers. Eles montaram uma plataforma de ‘crowdfunding’ (financiamento coletivo) e começaram a me pedir fotos e vídeos para divulgar”, explica Rui.

O professor ressalta também a importância da parceria com o movimento “Makers Contra a COVID-19”, que passou a usar o espaço da Casa de Makers para produção e montagem dos equipamentos. “O Kadu está fazendo uma ponte muito boa com o Hospital das Clínicas porque, além de levar as máscaras, ele tem um feedback (retorno) dos médicos. Dentro da escola, isso é muito importante porque queremos que os alunos percorram todo o processo de design thinking quando abordam um problema. Eles participam desde a parte de pesquisa sobre os escudos até a devolutiva dos profissionais de saúde.”

Se a mobilização surgiu de forma orgânica, o crescimento do movimento e a vontade dos alunos em participar despertou a ideia de tornar o projeto parte do currículo da escola e, assim, envolver objetivos de aprendizagem. “Tudo isso aconteceu de forma online e com as aulas suspensas. Mandei e-mail para a direção e outros professores que têm objetivos de aprendizagem semelhantes e lançamos o projeto recentemente. Ele demanda autonomia, persistência e habilidade de modelagem. Com isso, convidamos alguns estudantes que já cursavam matérias relacionadas. Não é algo obrigatório para não sobrecarregar os alunos, já que existem atividades de outras disciplinas acontecendo.”

O movimento maker serve para criar resolvedores de problemas, independente da área

O professor segue a mesma linha de Kadu e entende que a pandemia é uma oportunidade para mostrar utilidades de vida real para o movimento maker. Para ele, escolas maker onde alunos recebem arquivos prontos perpetuam uma cultura de que os processos são fáceis. “Se o seu problema é carregar sua chave, sua solução pode ser um chaveiro. Mas se não é, por que fazer o chaveiro? O movimento maker serve para criar resolvedores de problemas, independente da área, não só engenheiros ou programadores. Ele te faz pensar quais habilidades e competências serão úteis para os alunos resolverem problemas reais e escala local ou global e se posicionarem ativamente.”

Saiba mais 

Para mais informações sobre as especificações técnicas para produção da máscara fotos e vídeos do que já foi produzido e entregue aos hospitais, acesse os links abaixo:

– Makers Contra COVID-19: Instagram e Facebook
Como se juntar à força-tarefa para produzir as máscaras faciais


TAGS

aprendizagem baseada em projetos, aprendizagem colaborativa, competências para o século 21, coronavírus, educação mão na massa, tecnologia

Deixe um comentário

avatar
500
  Acompanhar a discussão  
Tipo de notificação