Bem-vindo (a) ao site do Porvir

Aqui, mapeamos, difundimos e promovemos a troca de práticas educacionais inovadoras

Boas inspirações!

Crédito: William Doyle/The Hechinger Report

Inovações em Educação

Como as crianças da Finlândia respeitam as regras brincando

Todos os dias, do ensino infantil ao médio, as crianças finlandesas têm ao menos 15 minutos para recreação a cada hora

por William Doyle, do Hechinger Report 20 de janeiro de 2017

É hora do almoço na escola experimental de formação de professores da University of Eastern Finland, em North Karelia, um luxuoso distrito com floresta e lago próximo à fronteira com a Rússia.

Crianças da quarta série correm para a lanchonete só com meias nos pés, rindo, distribuindo abraços, ensaiando passos de dança e pulando. Uma menina fica de ponta-cabeça no corredor. Um professor elegante aparece no caminho e cumprimenta as crianças de modo informal. Ele é Heikki Happonen, diretor da escola e professor com carreira na educação infantil.

Leia também:
– A Estônia é a nova Finlândia?
96 experiências inovadoras pelo mundo

Como chefe da associação finlandesa de oito faculdades de educação de universidades federais, ele é, na prática, o professor-chefe da Finlândia, país que apesar de ter seus desafios e recentes deslizes em avaliações internacionais, responde pelo melhor educação primária do mundo, de acordo com o relatório de competitividade global 2016-2017 elaborado pelo Fórum Econômico Mundial.

Segundo Happonen, a cena do corredor retrata um dos segredos do histórico sucesso da Finlândia na educação infantil.

O cérebro das crianças trabalha melhor quando elas estão se movimentando, diz o professor-chefe. Elas não apenas se concentram melhor na aula, como também se saem melhor ao “negociar, socializar, formar grupos e amizades”.

A Finlândia lidera o mundo ao descobrir que brincar é o mecanismo que mais ajuda no aprendizado das crianças. Elas aprendem no país por brincadeiras até os 7 anos e têm a garantia de receber intervalos de 15 minutos para recreação externa a cada hora durante todos os dias de aula (independentemente das condições climáticas) até o ensino médio.

Outro segredo crucial: o ambiente de aprendizagem, tanto o físico quanto o emocional.

“As crianças precisam se sentir na escola como se estivessem em casa, como se ela os pertencesse”, diz Happonen. “Elas são muito inteligentes, percebem e apreciam uma atmosfera de confiança. Nós as oferecemos um ambiente em que compreendem que ‘Este é um lugar onde sou muito respeitado, eu me sinto segura e confortável aqui. Eu sou uma pessoa muito importante’. Meu trabalho é proteger esse ambiente para as crianças. É para isso que venho trabalhar todos os dias”.

Happonen planejou por conta própria o moderno prédio nórdico da escola, formado por uma rede de salas de aula tradicionais unidas por corredores espaçosos, luz suave cinematográfica e cores quentes, uma suntuosa (para padrões americanos) sala de professores para café e trabalho colaborativo (incluindo uma sauna), além de cantinhos e sofás confortáveis para crianças relaxarem e se apoiaram com um colega ou um livro.

Conectando todas as peças, ao lado de um moderno laboratório de ciências, de uma lareira e sofás macios, está uma biblioteca aberta e modular para livros e revistas para as crianças aproveitarem.

Trata-se do ponto focal da escola. Em uma visita recente, uma professora da Espanha ficou quase sem palavras depois de alguns minutos dentro da escola. “É tão bonita”, ela disse. “Na Espanha, nossas escolas são como prisões. Mas isso é como um sonho”.

Happonen aponta para barcos coloridos de madeira entalhada à mão pendurados na parede de seu escritório, destacando diferentes formas, tamanhos e tipos de embarcações.

“Eu vi esses barcos em uma loja”, ele recorda. “Eles eram tão bonitos, decidi que tinha que comprá-los, mas não sabia por quê. Eu acabei pendurando em meu gabinete para que pudesse vê-los o tempo todo”.

Nosso trabalho como professores é ajudar as crianças a navegarem por tempestades e aventuras, de maneira que cheguem bem e com segurança à sociedade e ao mundo

“Então percebi o que eles são”, continuou. “Eles são crianças. Eles representam o fato de que todas as crianças são diferentes, eles começam de diferentes lugares e viajam em rotas diferentes. Nosso trabalho como professores é ajudar as crianças a navegarem por tempestades e aventuras, de maneira que cheguem bem e com segurança à sociedade e ao mundo”.

Alguns aspectos das escolas primárias da Finlândia podem ser específicos de sua cultura e intransferíveis para outros países. Mas muitas outras características são na verdade “boas práticas universais” para sistemas de educação infantil no Harlem, em Tóquio, Xangai, Paris, Los Angeles, Dubai, Cidade do México, África do Sul e outros lugares.

Essas práticas incluem aprendizagem inicial por meio do brincar, financiamento escolar justo, formação de professores altamente profissional, abordagem de gestão baseada em evidências e em educação integral, afeto e respeito pelas crianças e professores, ambientes de aprendizagem de baixo estresse e altamente desafiador, forte educação inclusiva e tratamento de todas as crianças como indivíduos talentosos e valorizados sem sacrificar sua infância com excesso de tarefas ou escolas superlotadas.

Por que qualquer uma de nossas crianças, especialmente aquelas de baixa renda, merecem menos que isso?

Nos Estados Unidos, décadas de tentativas atabalhoadas de reformar a educação levam a pouco ou nenhuma melhora nas escolas. Como um dos líderes do movimento reformista, Chester Finn, do Thomas B. Fordham Institute, declarou recentemente, “se você analisar que apesar de todas as reformas e todo o investimento que fizemos durante os últimos 25 anos nós continuamos com desempenho estagnado e passos lentos como resultados principais, é bem desencorajante”.

Qualquer familiar, professor ou legislador que esteja em busca de inspiração para que possamos trabalhar juntos para melhorar a educação de nossas crianças pode começar vindo à escola dos sonhos da Finlândia que fica na floresta.

William Doyle é produtor executivo de Transition of Power: The Presidency, do canal The History Channel. Doyle também é bolsista 2015-2016 da Fulbright e bolsista residente de 2017 da Rockfeller Foundation.

*** 

Este conteúdo foi produzido por The Hechinger Report, um veículo independente e sem fins lucrativos focado em desigualdade e inovação em educação. Reproduzido no Porvir mediante autorização.

This story was produced by The Hechinger Report, a nonprofit, independent news organization focused on inequality and innovation in education.

TAGS

brincadeiras, educação infantil, educação integral, ensino fundamental, formação inicial, infraestrutura, pisa, socioemocionais