Bem-vindo (a) ao site do Porvir

Aqui, mapeamos, difundimos e promovemos a troca de práticas educacionais inovadoras

Boas inspirações!

Divulgação

Inovações em Educação

Espaço ao ar livre em escola conecta crianças com a natureza e o mundo

Alunos aprendem enquanto brincam entre árvores e jardins, plantam em uma horta e conhecem o ciclo da água em um lago ecológico na Canadian International School, em Cingapura

por Fernanda Nogueira 28 de janeiro de 2016

Uma área cheia de árvores, jardins, água, túneis naturais, colinas, lama, jogos criativos e adaptáveis, pista de bicicleta e de atletismo e áreas de descanso. É assim o local especialmente projetado para atividades ao ar livre na escola Canadian International School, em Cingapura. Batizado de “Outdoor Discovery Centre”, o espaço, que fica no campus Lakeside da escola, foi todo pensado para facilitar a aprendizagem das crianças ao mesmo tempo em que nutre a ligação com a natureza.

No local, as crianças usam objetos como paus, pedras, redes e cordas para resolver problemas usando seu pensamento imaginativo e criativo. Assim, aprendem a calcular, medir, inventar, estimar, especificar, analisar, testar e criar teorias e hipóteses, desenvolvendo suas habilidades de raciocínio, de comunicação e de pesquisa.

Jardins de ervas e hortas são usados para ensinar como funciona a produção de alimentos e como boas escolhas alimentares são importantes para a saúde e o bem-estar. Em um lago ecológico, os alunos descobrem como ocorre o ciclo da água e conhecem o ecossistema de peixes e tartarugas.

“No espaço, os estudantes podem entrar num mundo de faz de conta. Eles seguem e lideram, imitam e são modelos, aprendem a respeitar os outros, assumem a responsabilidade ao mesmo tempo em que começam a compreender, reconhecer e respeitar as diferenças em si mesmos e nos outros”, diz Sheena King, gerente de marketing da escola.

O espaço foi desenhado principalmente para as crianças de 3 a 7 anos, mas também é usado pelos outros alunos em atividades como plantação de alimentos, experiências artísticas e composições musicais em um jardim de sons. Os mais velhos podem aprender ainda sobre ciência, clima, erosão, ciências sociais e coordenação corporal.

Pesquisas crescentes sugerem que a conexão com a natureza é benéfica tanto para a saúde física como para a mental, atuando de forma preventiva e curativa

Para se alfabetizarem brincando, as crianças podem escrever e criar formas na lama, usar água e outros materiais. Também criam listas de alunos, criam sinais para suas obras e deixam mensagens para seus amigos em lugares secretos no jardim.

“Pesquisas crescentes sugerem que a conexão com a natureza é benéfica tanto para a saúde física como para a mental, atuando de forma preventiva e curativa. Combinando isso com as nossas crenças sobre aprendizagem, projetamos o Outdoor Discovery Centre para facilitar a aprendizagem ao ar livre e incentivar uma conexão entre as pessoas e o mundo em que vivemos”, explica Sheena.

São muitas as vantagens para os alunos, de acordo com a gerente de marketing. Eles gostam mais da escola, se sentem envolvidos e ativamente engajados em experiências de aprendizagem autênticas e relevantes. Percebem a importância de conhecer e zelar pelo ambiente e desenvolvem um entendimento genuíno sobre a interdependência das coisas.

Para a escola, o estilo de vida moderno e urbano faz com que os alunos precisem cada vez mais de oportunidades para experimentar a aprendizagem ao ar livre. “Essas interações com a natureza oferecem lições poderosas em muitas áreas acadêmicas fundamentais e têm impacto duradouro nos alunos”, diz Sheena.

70 nacionalidades
Com dois campus em Cingapura, o Lakeside, com 2.350 alunos, entre 3 e 18 anos, e o Tanjong Katong, com 655 crianças entre 3 e 12 anos, a Canadian International School tem como um de seus principais diferenciais o fato de ter alunos de mais de 70 nacionalidades. “Essa característica cria um espaço escolar que encoraja os alunos a aprenderem sobre outras culturas, línguas e valores”, afirma Sheena. Crianças de 3 a 10 anos podem participar de um programa de imersão bilíngue, em chinês e inglês, que as prepara para os estudos nos anos seguintes.

O programa de disciplinas STEAM (sigla em inglês que une as iniciais de ciência, tecnologia, empreendedorismo, matemática e artes) adota uma abordagem baseada na investigação, que ajuda a desenvolver o pensamento crítico e a criatividade e estimula a inovação e a invenção. “Os alunos são capacitados para assumir o controle de sua própria aprendizagem e para serem solucionadores de problemas do mundo real”, diz Sheena.

A escola é reconhecida pela organização internacional sem fins lucrativos International Baccalaureate, que certifica escolas de todo o mundo dedicadas ao desenvolvimento intelectual, físico, emocional e social. Por isso, a investigação está no centro do processo de aprendizagem. Os professores buscam promover a autoconfiança, a individualidade, a criatividade, a liderança e a excelência acadêmica.

Os alunos são capacitados para assumir o controle de sua própria aprendizagem e para serem solucionadores de problemas do mundo real

A escola aposta também em espaços internos diferenciados. No campus Lakeside há áreas de aprendizagem multifuncionais, onde mais de uma classe ou níveis de ensino inteiros podem aprender juntos. Esses ambientes foram especificamente criados para envolver e incentivar o diálogo e as consultas personalizadas entre alunos. Os estudantes podem trabalhar individualmente ou em grupos grandes e pequenos. Há um centro de estudo de disciplinas STEAM e “maker spaces” (laboratórios de fabricação digital).

Em Lakeside, a área do jardim da infância funciona como um ninho para as crianças. Há professores especializados em artes visuais, música, dança, teatro, francês e chinês. Uma cozinha foi projetada para atender especificamente as necessidades das crianças pequenas. Existem ainda salas de atividades físicas, “maker space”, ateliê, espaços para ensino de línguas, sala de música e área de reciclagem.

As atividades da escola se baseiam em estudos que sugerem que a função executiva do cérebro se desenvolve mais quando o estudante está envolvido em atividades externas regulares e prolongadas, aprende mais de um idioma, é parte de uma comunidade interessada em sua vida e no seu desenvolvimento e aprende de forma transdisciplinar e personalizada.

“A metodologia de ensino da escola é projetada para alcançar nossa missão de ‘engajar, iluminar e empoderar’ cada aluno. Desta forma, o aprendizado é profundamente autêntico, constitui uma base sólida para a aprendizagem futura e prepara os estudantes para serem bem-sucedidos em todas as dimensões da vida: acadêmica, social, emocional e física”, completa Sheena.

TAGS

ciências, competências para o século 21, educação integral, ensino fundamental, ensino infantil, ensino médio, escolas inovadoras, experimentação, sustentabilidade, transdisciplinaridade