8 COMENTÁRIOS // 

Atitude melhora nota em português e matemática

Pesquisa do Instituto Ayrton Senna aponta que habilidades socioemocionais impactam o desempenho escolar

Curiosidade, persistência, responsabilidade e espírito colaborativo são características cada vez mais valorizadas e muito se fala em ensiná-las para desenvolver competências para o século 21. Graças a um estudo realizado pelo Instituto Ayrton Senna, agora se sabe que elas também melhoram o desempenho dos alunos em português e matemática. Segundo a pesquisa divulgada nesta terça-feira (25), o desenvolvimento dessas características ao longo da vida escolar impacta diretamente no aprendizado dessas disciplinas.

Chegar a essa conclusão foi possível após um questionário piloto ter sido aplicado a 25 mil alunos do 5o ano do ensino fundamental, 1o e 3o do médio, da rede estadual do Rio de Janeiro, em outubro do ano passado. As perguntas não tinham resposta certa ou errada, mas múltiplas alternativas que representavam, a partir de uma escala de pontos, determinadas dimensões de comportamento. Entre as questões estavam indagações como: “Quanto você consegue prestar atenção nas aulas?”, “Consegue estudar mesmo tendo outras coisas interessantes para fazer?” e “Quanto você é esforçado?”.

crédito Felix Pergande / Fotolia.comCaráter melhora nota em português e matemática

“É na base do autorrelato, na opinião do próprio aluno: estamos confiando no conhecimento que a criança e o adolescente tem de si mesmo, fazendo perguntas cuidadosas que foram selecionadas a partir de um estudo”, explicou Ricardo Primi, doutor em psicologia escolar e do desenvolvimento humano e um dos autores da pesquisa, durante o Fórum Internacional de Políticas Públicas Educar para as Competências do Século 21. Esse estudo que deu subsídios para o trabalho do Instituto Ayrton Senna foi desenvolvido por profissionais de diferentes áreas, dentre eles, psicólogos, psicometristas, especialistas de avaliação educacional e de impacto.

O questionário foi batizado de Senna, abreviação invertida de Avaliação Nacional das Não Cognitivas e Socioemocionais, e levou em conta, primeiro, cinco grandes domínios da personalidade: abertura a novas experiências, conscienciosidade, extroversão, neuroticismo e amabilidade. E acrescentou um sexto: motivação e crenças (veja a explicação de cada um no infográfico abaixo).

Para poderem relacionar os dados levantados pelo Senna com o desempenho dos alunos nas disciplinas regulares, foi usado o resultado do sistema de avaliação de português e matemática da Secretaria de Educação do Rio de Janeiro. Assim, foi possível cruzar os resultados e entender, dentro dessa amostragem, quais as habilidades socioemocionais mais presentes nos resultados dos alunos com melhor desempenho nessas disciplinas.

Com base nesses dados, o relatório aponta que, se um estudante que tenha nota de conscienciosidade no pior quartil de resultado – aquele que desiste fácil de seus objetivos, sem foco e pouco organizado – for estimulado e chegar ao maior nível dessa habilidade, ele melhora seu desempenho em matemática o equivalente a 4,5 meses de aprendizado.

Em português, as habilidades socioemocionais que trouxeram mais benefícios para o aprendizado da disciplina foram a abertura a novas experiências, que engloba a criatividade e imaginação, por exemplo, e motivação, precisamente sobre o quanto o indivíduo relaciona suas decisões pessoais com acontecimentos externos.

Ainda em português, a pesquisa também relata que, levando em conta apenas os alunos do 5o ano do fundamental, a conscienciosidade também tem um papel importante. Já a extroversão tem efeito negativo para estudantes do 1o e 3o ano do ensino médio. Segundo a literatura internacional sobre o tema, é difícil de se identificar o efeito da extroversão sobre resultados educacionais.

Com essa primeira amostragem, foi feito um trabalho de aprender como fazer a medição dessas habilidades, segundo Daniel Santos, economista especialista em impacto de políticas voltadas à primeira infância, autor do estudo junto com Primi. “O que existia até então era uma evidência grande da importância dessas competências para o futuro e que a escola é capaz de modifica-las, isso já justifica medi-las e repassar a informação. Agora o como essas informações vão ser usadas ainda precisa de amadurecimento.”

Comentar Comentar via Facebook