5 COMENTÁRIOS // 

‘Tecnologia libera professor para o que importa’

Mike Kerr, diretor de escola charter nos EUA, fala como seu modelo de ensino híbrido ajudou a obter bons resultados

Da Mary Jo Madda, do EdSurge

O ensino híbrido é um modelo tão novo que seus resultados ainda não foram completamente provados. Nos Estados Unidos, porém, uma escola charter de Los Angeles (pública de administração privada) chamou a atenção por ter conseguido os melhores resultados da região nas provas do governo. A Kipp Empower Academy usa o modelo desde que foi inaugurada, em 2010.

O resultado positivo chega num momento em que todo o distrito escolar de Los Angeles discute a adoção de tecnologia nas salas de aula. Recentemente, a cidade anunciou um esforço de US$ 1 bilhão para prover tablets para todos os alunos das escolas públicas da região.

A Kipp (Knowlegde is Power Program) é uma das maiores redes de escola charter dos EUA, que administra mais de 140 escolas públicas e 50 mil alunos espalhados pelo país. Normalmente, as escolas servem a regiões de vulnerabilidade social. Em entrevista ao EdSurge, o diretor da Kipp Empower Academy, Mike Kerr, falou o que ele pensa sobre o potencial da edtech e como outras escolas podem aprender tanto por seus acertos quanto erros.

crédito Vesna Cvorovic / Fotolia.comTecnologia libera professor para o que realmente importa, diz diretor da Kipp
 

A Kipp conseguiu recentemente atingir 991 pontos no Academic Performance Index [prova oficial regional], o que é muito impressionante. Como é o modelo de ensino híbrido que a Kipp Empower adotou e quais foram as principais mudanças que o modelo possibilitou nos últimos anos?  

A Kipp Empower Academy adotou o modelo de blended learning [ou ensino híbrido] porque o estado da Califórnia cortou parte do financiamento para as charter schools novas [em 2010]. Perdemos cerca de US$ 100 mil para um universo de 100 estudantes. Decidimos adotar o ensino híbrido porque sentimos que isso nos permitiria preservar a essência do nosso modelo, que é o aprendizado em grupos pequenos. Centrar instrução em torno de grupos pequenos significa garantir que professores possam personalizar o aprendizado. Ter 50 laptops na sala de aula permitiu que nossos professores pudessem trabalhar com grupos menores, apesar de termos aumentado drasticamente nossas salas, de 20 para 28 alunos. [Com os computadores] Você pode dividir uma turma pela metade, tendo 50% dos alunos trabalhando em um grupo pequeno com o professor de arte e ter os outros 50% no computador esboçando um desenho.

Como você fez para garantir o apoio dos professores ao programa?

Um dos maiores desafios que os professores enfrentam é diferenciar suas aulas para entender a necessidade de cada criança. O que fizemos foi mostrar como a tecnologia pode ajudá-los a individualizar seu ensino, a trabalhar com as crianças em grupos pequenos e aprender a trabalhar com elas de uma forma mais personalizada. Os professores passam a ter a chance de trabalhar com seus alunos de uma forma mais intimista do que eles tinham antes. Eles conseguem conhecer seus alunos mais profundamente.

Usar tecnologia de forma intencional para aprofundar o aprendizado dos alunos não quer dizer que estejamos prejudicando as crianças. Não quer dizer que estamos acabando com a profissão da docência. Não significa que estamos desvalorizando a educação

E como você acha que essas mudanças contribuíram para a melhora nos resultados nas provas regionais?

Sabemos que ter uma cultura forte na escola é importante – uma escola orientada positivamente a obter bons resultados. Nossos alunos fazem educação física todos os dias. Eles têm artes todos os dias. Estão recebendo uma educação muito equilibrada. Uma prova do governo é só um ponto de partida, não um ponto final para nós. Queremos vencer as estatísticas e preparar nossas crianças para que estejam prontas para as diferentes profissões que eles terão no mundo competitivo. Não quero que os professores gastem seu dia naquilo que chamamos de “low-hanging fruit” [frutas que estão baixas no pé] – coisas que são muito fáceis de ensinar ou de entender, competências muito básicas. Nossos professores estão aqui para ensinar as crianças. O papel da tecnologia nisso, mais uma vez, é liberar nossos professores a trabalhar em grupos pequenos e no aprendizado mais profundo dos alunos.

Você pode nos dar algumas dicas para implementação do modelo?

Existem muitas coisas que escolas precisam desenvolver antes de começar a implementar [o ensino híbrido]. Tenho visto escolas que dizem, ok, teremos laptops em salas de aula ou alguma outra iniciativa, mas não têm um plano claro sobre como isso fará parte de uma visão estratégica voltada a melhorar a educação para suas escolas. Então, a lição que fica é: se você conseguir ser intencional sobre o uso da tecnologia, ela será útil para muitas coisas diferentes.

Primeiro [em termos de estratégias], para os professores que são pouco experientes ou exitantes com tecnologia, precisamos deixar claro que qualquer educador pode se utilizar dela. A gestão da sala de aula é uma área importante que frequentemente fica esquecida, mas é fundamental para o aprendizado dos alunos. Em segundo lugar, é muito legal podermos ter nossos professores trabalhando com alunos em grupos pequenos. Se os professores entenderem a importância da gestão da sala de aula e usarem um planejamento estratégico para grupos, então podem usar a tecnologia de forma que aprofunde o aprendizado.

Há planos ou programas futuros que a Kipp pretende adotar?

Programação é uma área que vemos como uma necessidadde para nossas crianças e que devemos investir. Estamos começando um projeto de programação com alunos de terceira série porque acreditamos que aprender a programar vai prepará-los para as profissões de amanhã. Os sistemas de programação que estamos usando se chamam TynkerScratch.

Hoje a Empower é uma escola do enorme sistema Kipp. Como você acha que os bons resultados nas provas pode influenciar todo o sistema? Você tem visto modelos de ensino híbrido em outras escolas?

O conceito de ensino híbrido vai se espalhar pela Kipp. Já temos uma escola híbrida em Chicago, a Kipp Create, e outra em Nova York, a KippWashington Heights. Muitos colegas participam dos workshops que promovemos para ver o que podem usar em suas escolas. Muitas coisas boas estão acontecendo em todo por iniciativa de pesquisadores e de escolas públicas. Estão se dedicando a estudar o que será o melhor para as crianças e colocando o interesse delas como o ponto principal. A [escola pública] Idea faz muito desse trabalho no Texas, a FirstLine em Nova Orleans, a Aspire na Califórnia, e a Achievement First no Nordeste.

Mas não é toda escola que é assim. Algumas precisam ligar com autoridades locais e representantes do professores que não se sentem confortáveis com o modelo. No fim de tudo, quais são seus argumentos em favor do ensino híbrido?

Muitas pessoas acham que, porque nossos alunos estão usando laptops ao longo do dia, eles estão de braços cruzados. Acham que estamos prejudicando nossas crianças. Mas olhe para o jardim de infância. Eles ficam apenas 50 minutos de seu dia, no total, com os laptops. No máximo, usamos tecnologia em apenas 15% do dia deles. Usar tecnologia de forma intencional para aprofundar o aprendizado dos alunos não quer dizer que estejamos prejudicando as crianças. Não quer dizer que estamos acabando com a profissão da docência. Não significa que estamos desvalorizando a educação. Valorizamos a curiosidade natural dos estudantes. Agora eles conseguem se engajar com o conteúdo mais profundamente de formas que eles não estariam fazendo.

Se a tecnologia pode ajudar a trabalhar com a educação e a nivelar uma sociedade onde as escolas são desiguais, então estou feliz em saber que a Empower está fazendo parte disso.

Comentar Comentar via Facebook

  • Deixe um Comentário

    O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

    *

    Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

    5 COMENTÁRIOS

    1. Gostei muito desta reportagem que ilustra com uma experiência real e com resultados de como podemos utilizar a tecnologia de forma inteligente e com um objetivo, valorizando a atuação do professor como um orientador do processo de aprendizagem. E a sugestão de trabalho em pequenos grupo é muito mais eficiente e personalizada. É como um trabalho com projetos onde os objetivos são claros, os alunos ficam motivados para aprender e a tecnologia entra como um recurso que faz parte de nosso dia a dia de maneira incontestável, dando espaço para que o professor atue em seu importante papel, o de um educador.

    2. Pingback: ‘Tecnologia libera professor para o que importa’ | Portal PEGAAULA

    3. Pingback: ‘Tecnologia libera professor para o que i...

    4. Pingback: ‘Tecnologia libera professor para o que i...

    5. NUMA ANÁLISE INCIAL ESSA PROPOSTA PARECE CONSISTENTE, POIS, HÁ MOMENTOS EM SALA DE AULA QUE É NOTÓRIA A DIFICULDADE EM ATINGIR OS ALUNOS, NASCIDOS NUM CONTEXTO PERMEADO PELA TECNOLOGIA EDUCACIONAL COM METODOLOGIAS TRADICIONAIS. VEJO ESSA PROPOSTA COM LOUVOR E GOSTARIA DE ACOMPANHAR OS DESDOBRAMENTOS DA SUA IMPLEMENTAÇÃO.
      TEMOS CRIANÇAS COM O COGNITIVO ACELERADO PELO CONTATO COM VÁRIAS MÍDIAS E EM GERAL A SALA DE AULA AS CONDICIONA A UMA DESACELERAÇÃO QUE EM MUITOS ASPECTOS RESULTA EM DESINTERESSE, APATIA, COMPROMETENDO O SEU DESENVOLVIMENTO E RENDIMENTO ESCOLAR.