3 min para conhecer quem transforma o mundo - PORVIR
pink candy / Fotolia

Inovações em Educação

3 min para conhecer quem transforma o mundo

Projeto Focus Forward reúne 30 filmes de cineastas conhecidos e outros 100 de novos talentos para inspirar inovações

por Mariana Fonseca ilustração relógio 14 de novembro de 2012

Três minutos. O projeto Focus Forward propôs que que cineastas de todo mundo usassem esse tempo para contar a história de pessoas que estão inovando, “pensando fora da caixa” e ajudando a sociedade a evoluir por meio de arte, tecnologia, ciência, engenharia ou comunicação. A ideia era estimular a produção de curtas, lançá-los em grandes festivais de cinema e disponibilizar todos pela internet, de graça. Primeiro, o desafio foi lançado a 30 diretores reconhecidos; depois, ele foi estendido a outros interessados e hoje entraram no ar mais 100 filmes produzidos por voluntários, que concorrerão a prêmios por meio de uma votação popular que está aberta no site do projeto.

Entre as histórias que disponibilizadas no site hoje, há aquelas que ressaltam a vida de pessoas que estão fazendo a diferença por meio de processos educativos inovadores. Uma delas é a Black Girls Code, filme que apresenta o projeto de mesmo nome que está ensinando meninas negras do Vale do Silício, nos Estados Unidos, a programarem. A proposta é aproximar essas estudantes do mundo da ciência e da tecnologia, áreas ainda com pouca representação feminina e negra.

Além dos 100 curtas da competição, já é possível conferir parte dos 30 filmes feitos a convite, que deram início ao projeto. É que as produções de diretores reconhecidos são lançadas aos poucos, entrando no ar simultaneamente a apresentações em grandes festivais, como a Mostra Internacional de Cinema, em São Paulo, e o Sundance Festival, que ocorre em Utah (EUA). Neste último, que ocorre em janeiro, serão conhecidos também os 20 finalistas da competição selecionados pelo público. Eles serão avaliados por um júri de cineastas renomados – entre eles, o brasileiro José Padilha –, e os cinco vencedores recebem US$ 200 mil em prêmios.

De acordo com Damon Smith, diretor de aquisições do projeto, que esteve recentemente no Brasil divulgando o Focus Forward, a iniciativa começou com o convite a esses 30 diretores para que contassem histórias inspiradoras. “Muitos nunca tinham feito filmes tão curtos e apenas quatro deles já sabiam quais histórias queriam contar. Os demais foram buscar esses personagens.”

Passamos a apreciar mais a criatividade das pessoas comuns que estão dispostas a se comprometer com uma causa, mesmo sem ter expertise ou a técnica necessária

E por que é importante falar de inovação? “Porque estamos coletivamente entendendo que existem problemas no mundo que afetam a todos e que, para resolver esses problemas, precisaremos de um esforço coletivo, pensando em novas formas e caminhos para solucionar questões relacionadas à alimentação, mudanças climáticas, acesso a educação, melhor qualidade de vida para pessoas com necessidades especiais etc.”, afirma.

Smith garante que o processo de produção dos filmes foi bastante transformador para os envolvidos. “Passamos a apreciar mais a criatividade das pessoas comuns que estão dispostas a se comprometer com uma causa, mesmo sem ter expertise ou a técnica necessária. Pessoas que se comprometem a melhorar a comunidade na qual estão inseridas.”

Das produções dos diretores convidados, é possível conferir, por exemplo, a história do já famoso Senhor Banheiro, ou Mr. Toilet, que trata de um assunto do qual poucas pessoas querem falar: os vasos sanitários. O curta apresenta um número para reflexão: 2,6 bilhões de pessoas no mundo não têm um banheiro adequado para fazer suas necessidades. “Como vamos melhorar uma coisa da qual ninguém quer falar?”, questiona Jack Sim, personagem do filme dirigido por Jessica Yu.

Veja vídeo, em inglês.

Em outro curta, Peter Diamandis, fundador da Singularity University e da X Prize Foundation, fala da revolução por meio da competição e da sua meta de financiar a próxima geração de grandes pensadores e inventores. Tudo nos três minutos de duração do The Sky Is Not The Limit, filme de Ricki Stern e Annie Sundberg.

Já fica aí uma programação de mais de cem filmes para assistir no feriado.


TAGS

cinema, negócios de impacto social

Deixe um comentário

avatar
500
  Acompanhar a discussão  
Tipo de notificação