As 10 pesquisas educacionais mais relevantes de 2021 - PORVIR
Crédito: SolStock/iStock

Inovações em Educação

As 10 pesquisas educacionais mais relevantes de 2021

Quais foram os principais debates na educação durante este ano letivo? Confira o levantamento do site Edutopia, que destaca uma lista de estudos internacionais

por Youki Terada / Stephen Merrill / Sarah Gonser do Edutopia ilustração relógio 23 de dezembro de 2021

Esse foi um ano letivo de dificuldades sem precedentes para professores e gestores escolares. O Edutopia, site de educação dos Estados Unidos, examinou centenas de estudos para entender exatamente o que aconteceu: a pesquisa revelou um retrato complexo de um ano cansativo durante o qual problemas persistentes de esgotamento e saúde física e mental impactaram milhões de educadores. Enquanto isso, muitos dos antigos debates continuavam: o papel é melhor do que o digital? A aprendizagem baseada em projetos é tão eficaz quanto a aula expositiva? Como você define o que é uma “boa” escola?

Outras pesquisas chamaram a atenção e, em alguns casos, chegaram às manchetes. Pesquisadores das universidades de Chicago e de Columbia aplicaram inteligência artificial para analisar cerca de 1.130 livros infantis premiados em busca de padrões invisíveis de linguagem preconceituosa (alerta de spoiler: eles encontraram alguns). Outro estudo revelou por que muitos pais e mães relutam em apoiar a aprendizagem socioemocional nas escolas – e trouxe dicas sobre como os educadores podem mudar essa abordagem. Confira as 10 pesquisas educacionais mais relevantes de 2021, de acordo com o Edutopia:

1. O que famílias temem sobre educação socioemocional (e como mudar sua maneira de pensar) 

Quando os pesquisadores do Fordham Institute pediram aos pais que classificassem as frases associadas ao aprendizado socioemocional, nada parecia fazer sentido. O termo “aprendizagem socioemocional” era muito impopular; os pais queriam desviar seus filhos para longe disso. Mas quando os pesquisadores adicionaram uma oração simples, formando uma nova frase – “aprendizado socioemocional e acadêmico” – o programa disparou para o segundo lugar no ranking.

O que isso quer dizer?

As famílias estavam captando pistas sutis na lista de termos relacionados à educação socioemocional que as incomodavam ou preocupavam, sugerem os pesquisadores. Expressões como “habilidades não-cognitivas” e “mentalidade de crescimento” pareciam “nebulosas” e desprovidas de conteúdo acadêmico. Para alguns, a linguagem parecia suspeita, poderia integrar um “código para doutrinação liberal”.

Mas o estudo sugere que os pais podem precisar da mais simples garantia para romper o ruído político. Evitar o jargão, enfocar frases produtivas como “habilidades para a vida” e conectar implacavelmente a educação socioemocional ao progresso acadêmico deixa os pais à vontade – e, consequentemente, preserva o aprendizado socioemocional.

2. As técnicas secretas de gestão de professores experientes 

Para professores experientes, a gestão de sala de aula parece um processo quase invisível: técnicas funcionam silenciosamente, com estudantes seguindo rotinas ordenadas e se engajando em tarefas quase como num passe de mágica.

Isso não é por acaso, de acordo com esta pesquisa. Embora a indisciplina seja inevitável em ambientes escolares, professores especialistas nutrem suas salas de aula com estratégias proativas que evitam o mau comportamento antes que ele surja. Eles também abordam a disciplina de forma mais holística do que seus colegas menos experientes, apostando em tornar as aulas mais envolventes e na clareza para comunicar as expectativas.

Por se concentrarem na dinâmica fundamental do comportamento da sala de aula – e não nas interrupções superficiais –, professores especialistas também costumam olhar para o outro lado nos momentos certos. Em vez de morder a isca de uma pequena violação dos combinados (erro comum de professores novatos), eles tendem a jogar com o tempo, fazendo perguntas sobre as origens do mau comportamento, navegando habilmente no terreno entre a disciplina e a autonomia do aluno e optando por confrontar conduta imprópria em particular, quando possível.

3. O poder surpreendente da sondagem

Pedir aos alunos que façam um teste prático antes mesmo de encontrarem o novo tema de aula pode parecer perda de tempo – afinal, eles estariam apenas chutando.

Mas uma pesquisa conclui que a abordagem, chamada de sondagem (ou pré-teste), é na verdade mais eficaz do que outras estratégias comuns. Surpreendentemente, a sondagem bateu até mesmo os testes práticos , uma estratégia comprovada e endossada por cientistas cognitivos e educadores. No estudo, os alunos que fizeram um teste prático antes de ter contato com um novo assunto superaram seus colegas que estudavam mais tradicionalmente em 49%. .

Os pesquisadores levantaram a hipótese de que a “geração de erros” foi a chave para o sucesso da estratégia, estimulando a curiosidade e preparando estudantes para “buscar as respostas corretas” quando tivessem que explorar um novo tópico – o que complementa um estudo de 2018 que descobriu que fazer suposições fundamentadas ajudou estudantes a conectar o conhecimento prévio a um novo.

O aprendizado é prolongado quando os estudantes se dedicam a corrigir equívocos, sugere a pesquisa, lembrando-nos mais uma vez que estar errado é um marco importante no caminho para estar certo.

4. Enfrentando um antigo mito sobre estudantes imigrantes 

Os estudantes imigrantes às vezes são retratados como uma despesa cara para o sistema educacional, mas novas pesquisas estão sistematicamente desmantelando esse mito.

Em um estudo publicado em 2021, os pesquisadores analisaram mais de 1,3 milhão de registros acadêmicos e de nascimento de alunos em comunidades da Flórida e concluíram que a presença de alunos imigrantes na verdade tem “um efeito positivo no desempenho acadêmico dos alunos nascidos nos Estados Unidos”, aumentando as pontuações dos exames de larga escala conforme o tamanho da população escolar imigrante aumenta. Os benefícios foram especialmente poderosos para alunos de baixa renda.

Embora imigrantes inicialmente “enfrentem desafios de assimilação que podem exigir recursos escolares adicionais”, concluíram os pesquisadores, a dedicação e a resiliência podem permitir que eles se sobressaiam e, assim, “afetem positivamente as atitudes e o comportamento dos alunos nascidos nos Estados Unidos”. Mas, de acordo com o renomado professor Larry Ferlazzo, as melhorias podem resultar do fato de que ter estudantes com o inglês como segunda língua nas aulas melhora a pedagogia, levando professores a adotarem “questões como conhecimento prévio, estruturas de apoio à aprendizagem que são removidas assim que o conhecimento desejado é alcançado e a maximização da acessibilidade”.

5. Uma imagem mais completa do que é uma ‘boa’ escola 

É hora de repensar nossa definição do que é uma “boa escola”, afirmam pesquisadores em um estudo publicado no final de 2020.⁣ Isso porque parâmetros típicos de qualidade escolar, como pontuações em provas de larga escala (caso do Enem, no Brasil), muitas vezes fornecem uma imagem incompleta e enganosa.

O estudo analisou mais de 150.000 alunos da nona série que frequentaram escolas públicas de Chicago e concluiu que enfatizar as dimensões sociais e emocionais da aprendizagem – construção de relacionamento, senso de pertencimento e resiliência, por exemplo – melhora as taxas de graduação no ensino médio e de matrícula na faculdade para alunos de alta e baixa renda, superando escolas que se concentram principalmente em melhorar as pontuações dos testes.⁣

“As escolas que promovem o desenvolvimento socioemocional, na verdade, têm um impacto positivo muito grande nas crianças”, disse o pesquisador principal C. Kirabo Jackson em uma entrevista ao Edutopia. “E esses impactos são particularmente grandes para as populações de estudantes vulneráveis que não tendem a se sair muito bem no sistema educacional.”

As descobertas reforçam a importância de uma abordagem integral para medir o progresso do aluno e são um lembrete de que as escolas – e os professores – podem influenciar os alunos de maneiras que são difíceis de avaliar e que podem se materializar só no futuro.⁣

6. Ensinar é aprender 

Uma das melhores maneiras de aprender um conceito é ensiná-lo a outra pessoa. Mas você realmente tem que se colocar no lugar de um professor, ou a mera expectativa de ensinar resolve?

Em um estudo de 2021, os pesquisadores dividiram os alunos em dois grupos e deram a cada um deles uma passagem científica sobre o efeito Doppler – um fenômeno associado a ondas de som e luz que explica a mudança gradual no tom e no tom à medida que um carro se afasta, por exemplo. Um grupo estudou o texto como preparação para um teste; o outro foi informado de que estaria ensinando a matéria para outro aluno.

Os pesquisadores nunca realizaram a segunda metade da atividade – os alunos leram as passagens, mas nunca deram a lição. Todos os participantes foram então testados em sua memória factual do efeito Doppler e sua capacidade de tirar conclusões mais profundas da leitura.

E o resultado? Os alunos que se prepararam para ensinar superaram seus colegas em duração e profundidade de aprendizado, pontuando 9% a mais em recordação factual uma semana após a conclusão das aulas e 24% a mais em sua capacidade de fazer inferências. A pesquisa sugere que pedir aos alunos que se preparem para ensinar algo – ou incentivá-los a pensar “eu poderia ensinar isso a outra pessoa?” – pode alterar significativamente sua trajetória de aprendizagem.

7. Uma perturbadora tendência de preconceito em livros infantis 

Alguns dos livros infantis mais populares e bem conceituados retratam persistentemente personagens negros, asiáticos e hispânicos com pele mais clara, de acordo com novas pesquisas.

Usando inteligência artificial, os pesquisadores vasculharam 1.130 livros infantis escritos no século passado, comparando dois conjuntos de livros infantis diversos – uma coleção de livros populares que conquistou importantes prêmios literários e livros premiados, baseados em identidade. O software analisou dados sobre tom de pele, raça, idade e gênero.

Entre as descobertas: enquanto mais personagens com cor de pele mais escura começam a aparecer com o tempo, os livros mais populares – aqueles mais frequentemente retirados de bibliotecas e estantes de sala de aula – continuam a retratar pessoas de cor em tons de pele mais claros. De forma mais traiçoeira, quando os personagens adultos são “morais ou íntegros”, sua cor de pele tende a parecer mais clara, disse a autora principal do estudo, Anjali Aduki, ao site The 74, com alguns livros convertendo “a tez negra de Martin Luther King Jr. em uma luz marrom ou bege”. As personagens femininas, por sua vez, são frequentemente vistas, mas não ouvidas.

As representações culturais são um reflexo de nossos valores, concluem os pesquisadores: “A desigualdade na representação, portanto, constitui uma declaração explícita de desigualdade de valor”.

8. A guerra sem fim ‘papel versus digital’ 

O argumento é o seguinte: as telas digitais transformam a leitura em uma tarefa fria e impessoal; elas são boas para a coleta de informações e não muito mais que isso. Os livros “reais”, por sua vez, têm peso e “tato” que os tornam íntimos, encantadores – e insubstituíveis.

Mas os pesquisadores muitas vezes encontraram evidências fracas ou ambíguas da superioridade da leitura no papel. Embora um estudo recente tenha concluído que os livros de papel produziam melhor compreensão do que os e-books quando muitas das ferramentas digitais foram removidas, os eram pequenos. Uma meta-análise de 2021 bagunça ainda mais a situação: quando os livros digitais e em papel são “quase todos semelhantes”, as crianças compreendem a versão impressa mais prontamente, mas quando melhorias como movimento e som “direcionam o conteúdo da história”, os e-books geralmente têm vantagem.

A nostalgia é uma força que toda nova tecnologia deve enfrentar. Existem muitas evidências de que escrever com caneta e papel codifica a aprendizagem mais profundamente do que digitar. Mas os novos formatos de livros digitais vêm pré-carregados com ferramentas poderosas que permitem aos leitores fazer anotações, pesquisar palavras, responder a perguntas embutidas e compartilhar suas ideias com outros leitores.

Podemos não estar prontos para admitir, mas esses são precisamente os tipos de atividades que conduzem a um envolvimento mais profundo, aumentam a compreensão e nos deixam com uma memória duradoura do que lemos. O futuro da leitura eletrônica, apesar dos críticos, continua promissor.

9. Nova pesquisa reforça a defesa da aprendizagem baseada em projetos 

Muitas salas de aula hoje ainda se parecem com o que eram há 100 anos, quando os alunos estavam se preparando para empregos na fábrica. Mas o mundo mudou: as carreiras modernas exigem um conjunto mais sofisticado de habilidades – colaboração, solução avançada de problemas e criatividade, por exemplo – que podem ser difíceis de ensinar em salas de aula que raramente oferecem aos alunos o mesmo tempo e espaço para desenvolver essas competências.

A aprendizagem baseada em projetos (PBL, na sigla em inglês) parece uma solução ideal. Mas os críticos dizem que essa abordagem atribui muita responsabilidade aos alunos, ignorando as evidências sobre a eficácia da instrução direta e, em última análise, prejudicando a fluência do assunto. Os defensores afirmam que a aprendizagem centrada no aluno e a aula expositiva podem e devem coexistir.

Agora, dois novos estudos em grande escala – com a participação de mais de 6.000 alunos em 114 escolas de diferentes contextos nos Estados Unidos – oferecem evidências de que uma abordagem bem estruturada e baseada em projetos estimula a aprendizagem de uma ampla gama de alunos.

Nos estudos, que foram financiados pela Lucas Education Research, uma divisão do site Edutopia, alunos do ensino fundamental e médio se envolveram em projetos desafiadores que os levaram a projetar sistemas de água para fazendas locais ou criar brinquedos usando objetos domésticos simples para aprender sobre gravidade, atrito e força. Os testes subsequentes revelaram ganhos notáveis de aprendizagem – bem acima daqueles experimentados pelos alunos em salas de aula tradicionais – e esses ganhos aparecem em todos os contextos, classes socioeconômicas, raça e níveis de leitura.

10. Acompanhando um ano difícil para professores 

A pandemia da Covid-19 tumultuou a vida dos educadores em 2021.

A carga de trabalho média do professor repentinamente “disparou no meio do ano passado”, escreveu o Center for Reinventing Public Education em seu relatório de janeiro de 2021, e então – desafiando as leis do movimento – nunca mais diminuiu. No fim do ano, um estudo da RAND registrou uma mudança surpreendente nos hábitos de trabalho: 24% dos professores relataram que trabalhavam 56 horas ou mais por semana, em comparação com 5% antes da pandemia.

A vacina era a terra prometida, mas quando começou a ser oferecida, nada parecia mudar. Em uma pesquisa de abril de 2021 conduzida quatro meses após a primeira vacina ser administrada na cidade de Nova York, 92% dos professores disseram que seus empregos eram mais estressantes do que antes da pandemia, contra 81% em uma pesquisa anterior.

Não era apenas a duração dos dias de trabalho; um exame mais detalhado da pesquisa revela que o fracasso do sistema escolar em ajustar as expectativas foi prejudicial. Parece que começou com as obrigações do ensino híbrido, que emergiram na cobertura da Edutopia sobre a reabertura de escolas no exterior.

Em junho de 2020, bem antes de muitas escolas dos EUA serem reabertas, relatamos que o ensino híbrido era um problema emergente no exterior e alertamos que se o “modelo deve funcionar bem por qualquer período de tempo”, as escolas devem “reconhecer e procurar reduzir a carga de trabalho para professores.”

Quase oito meses depois, um estudo da RAND de 2021 identificou o ensino híbrido como a principal fonte de estresse dos professores nos EUA, superando facilmente fatores como a saúde de um ente querido de alto risco.

Novas e crescentes demandas por soluções de tecnologia colocam os professores no fio da navalha. Em vários estudos importantes de 2021, pesquisadores concluíram que os educadores estavam sendo pressionados a adotar novas tecnologias sem os “recursos e equipamentos necessários para seu uso didático correto”.

Consequentemente, eles estavam gastando mais de 20 horas por semana adaptando aulas para uso online e experimentando um apagamento sem precedentes dos limites entre sua vida profissional e doméstica, levando a uma situação insustentável de estar sempre alerta.

A mudança será difícil; muitas das patologias que existem no sistema são anteriores à pandemia. Mas criar políticas escolares rígidas que separam o trabalho profissional do resto, eliminando a adoção de novas ferramentas de tecnologia sem o suporte adequado, distribuindo pesquisas regularmente para avaliar o bem-estar dos professores e, acima de tudo, ouvir os educadores para identificar e enfrentar problemas emergentes pode ser um bom começo.

* Publicado originalmente em Edutopia e traduzido mediante autorização
© Edutopia.org; George Lucas Educational Foundation


TAGS

coronavírus, ensino híbrido, ensino remoto, pesquisas, socioemocionais

Cadastre-se para receber notificações
Tipo de notificação
guest
0 Comentários
Comentários dentro do conteúdo
Ver todos comentários
PRECISAMOS DE VOCÊ para contar histórias de professores inovadores na exposição "Encontro com Porvir"DOE AGORA
+
0
É a sua vez de comentar!x
()
x
X