Educadores e alunos podem produzir vídeos e debater conteúdo em plataforma gratuita - PORVIR
Crédito: Reprodução

Inovações em Educação

Educadores e alunos podem produzir vídeos e debater conteúdo em plataforma gratuita

Flipgrid permite criação e troca de material audiovisual, estimulando discussões sobre temas propostos pelos professores durante as aulas e fora delas

Parceria com Microsoft

por Fernanda Nogueira ilustração relógio 3 de dezembro de 2020

Educadores que buscam opções multimídia para trabalhar com seus alunos e que gostam de estimular debates podem contar com uma nova ferramenta digital gratuita. O Flipgrid, da Microsoft, funciona como uma rede social de vídeos.

Nele, o professor consegue postar vídeos sobre temas específicos, dar orientações aos estudantes, pedir que produzam seus próprios vídeos e estimular que eles, e até outros professores, discutam o assunto, extrapolando o momento da aula.

É o criador da atividade quem decide qual será o tempo máximo de duração das produções, podendo limitar em poucos minutos. “É uma ferramenta muito interessante para trabalhar a capacidade de síntese e de arguição dos alunos. Pode ser feito com o time da escola também. Se tiverem sem tempo de fazer uma reunião, podem debater de forma assíncrona”, explica Fernando Puertas, educador da Microsoft.

Quando usar
O Flipgrid pode ser usado para projetos como apresentação de trabalhos, apresentações pessoais, produções autorais, registros do processos de aprendizagem, avaliações, entre outros. “Já vi o caso de registro de um debate que virou podcast, com o uso da conversa gravada”, diz Fernando.

“Cada um participa no seu tempo. Tem registro de toda a discussão, pode ver a evolução da conversa”

Uma das principais vantagens é poder estimular o debate além do horário da aula. “Cada um participa no seu tempo. Tem registro de toda a discussão, pode ver a evolução da conversa. Às vezes, os estudantes vão debatendo sem muitos dados em mãos, você pode estimular a pesquisa e pode registrar a participação”, afirma Fernando.

Como usar
O uso do Flipgrid pelo educador e pelo estudante pode ser feito pelo computador ou pelo celular no navegador de internet, sem a necessidade de conta na Microsoft. O acesso é protegido por senha, o que garante a segurança e a privacidade dos alunos.

Ao gravar um vídeo direto na ferramenta, o usuário pode editar, colocar filtros, efeitos, cores, fotos, fundos de tela, post-it, caixas de texto, molduras e emojis. “Tudo pode ser feito de maneira simples, sem precisar saber editar vídeos”, explica Fernando. É possível ainda gravar a tela do computador, com uma pesquisa ou site, para dar uma explicação.

Outra opção é subir arquivos prontos. Pode ser um vídeo, uma foto, um áudio, um texto e uma apresentação no PowerPoint. As atividades podem ser separadas por tópicos, temas ou turmas, deixando o trabalho organizado e facilitando o acesso.

(*ative legendas e tradução em português)

Como compartilhar
O compartilhamento é simples. O professor envia um link aos alunos para poderem participar. Só quem tem o código consegue entrar, o que torna o acesso privado. Eles podem trabalhar via web ou por plataformas como Teams e Google Classroom.

O educador pode ainda mandar o link finalizado para familiares dos estudantes, para que acompanhem o resultado final.

Exemplos
As professoras Tulani Freitas, de língua inglesa, e Katharine Simas, de língua portuguesa, aprenderam a usar o Flipgrid em treinamentos no Colégio Marista São José Tijuca, no Rio de Janeiro, onde trabalham. “O aplicativo me encantou. Achei que meus alunos, que tem dez anos, iriam gostar e aprender. Embora seja em inglês, é fácil de entender. A melhor coisa é aprender se divertindo”, afirma Katharine.

Tulani usou a ferramenta com sua turma do segundo ano do ensino fundamental. Ela propôs que os alunos produzissem um vídeo de até um minuto para explicarem, em inglês, o ciclo de vida das borboletas – tema que já tinha aparecido na aula de ciências. A professora colocou as instruções no aplicativo e incluiu um vídeo de apoio sobre o assunto.

“Além de fazerem o que foi pedido, eles usaram recursos, como filtro, efeitos, figuras e molduras de tela, para personalizar os trabalhos. Eles se sentiram confortáveis em brincar com o material que estavam produzindo. Fiquei muito satisfeita com a quantidade e qualidade dos vídeos que recebi”, explica a educadora.

Para Tulani, as principais vantagens do uso do Flipgrid foram a possibilidade de os estudantes produzirem de uma forma diferente das tradicionais, como no caderno e com livros; contar com uma nova metodologia de avaliação; a facilidade de compartilhamento; o uso fácil no computador ou no celular e a segurança e privacidade. “Essa última era uma preocupação dos pais.”

Posso dar feedback para todo grupo, individual, por texto, posso responder com vídeo

A professora cita ainda a inclusão de outro educador em uma atividade, o que permite que ambos interajam com os alunos, além da forma como pode se comunicar com os estudantes. “Posso dar feedback para todo grupo, individual, por texto, posso responder com vídeo. Isso é bem legal, porque, teoricamente, não preciso sair para dar nota, fazer comentários. Posso fazer tudo dentro do aplicativo”, diz Tulani.

A interação entre as crianças também enriquece o uso, segundo a professora. “Uma das coisas legais é que elas conseguem visualizar os vídeos dos colegas, podem comentar. Eles dizem que gostaram, que ficou lindo. Essa interação entre eles é bem interessante”, explica Tulani.

Katharine usou o Flipgrid em uma aula de produção textual com turmas do quarto ano do ensino fundamental, que tinham estudado sobre migrações nas aulas de história e geografia. Ela orientou os estudantes a entrevistarem familiares ou conhecidos que tiveram de migrar em algum momento da vida e a pesquisarem sobre tradições religiosas destes novos locais de moradia.

Avaliei oralidade, entonação, leitura, fonética. Percebi como estava a aprendizagem

Depois disso, pediu para criarem uma paródia sobre a história dos entrevistados e fazerem vídeos cantando suas produções. “Avaliei oralidade, entonação, leitura, fonética. Percebi como estava a aprendizagem. Pude trabalhar depois com cada um dependendo do nível em que estava a aprendizagem”, conta a educadora.

Segundo Katharine, os estudantes gostaram de ser protagonistas do aprendizado e usaram vários recursos da ferramenta, como edição, cores, fundo, texto e emojis. “Foi o primeiro contato deles com o Flipgrid. Eles se sentiram empoderados, gostaram de fazer sozinhos, sem a ajuda dos pais. Eles gostam de audiovisual.” A professora já usou o aplicativo em outros projetos e planeja novas atividades para 2021. “A ferramenta entrou para a minha vida. Fez as crianças acordarem, vibrarem durante todo o trabalho.”

Leia mais
Professores e alunos podem ser amigos nas redes sociais?
Aula remota exige maior organização de estudantes e esbarra na falta de internet
O momento reforça a necessidade de ir além da aula expositiva, diz Jon Bergmann

Quer saber como conectar professores, alunos e famílias?
Clique e acesse

Microsoft

TAGS

aprendizagem baseada em projetos, educação midiática, tecnologia, tutoriais

Deixe um comentário

avatar
500
  Acompanhar a discussão  
Tipo de notificação
X