Flexibilidade do Novo Ensino Médio precisa atender estudantes da educação inclusiva - PORVIR
Crédito: SeventyFour/iStock

Inovações em Educação

Flexibilidade do Novo Ensino Médio precisa atender estudantes da educação inclusiva

Protagonismo e habilidades do estudante têm de ser valorizados. Profissionais da educação devem direcionar o olhar para as barreiras impostas pela sociedade e pela escola e não para o tipo de deficiência

Parceria com Instituto Unibanco

por Fernanda Nogueira ilustração relógio 22 de dezembro de 2022

S
Este conteúdo faz parte da
Série Novo Ensino Médio e Educação Inclusiva

As melhores práticas de educação inclusiva no ensino médio são aquelas que consideram o estudante como protagonista do processo de escolarização e valorizam seu interesse e habilidades. Assim como nas etapas anteriores da trajetória escolar, é preciso acreditar que a escola é capaz de igualar oportunidades de aprendizagem e de diversificar estratégias de ensino porque percebe que cada estudante aprende de uma forma singular – por mais que nesta etapa a pressão por entrega de conteúdo acadêmico seja ainda mais forte. 

Quem explica como isso pode ser adotado nas escolas é Katia Cibas, especialista da equipe de formação do Instituto Rodrigo Mendes. “É imprescindível que eles sejam ouvidos e participem de todo processo, desde o planejamento anual em que são definidos os objetivos, conteúdos curriculares e estratégias. É necessário também, para atuar na perspectiva inclusiva, que a escola tenha como premissa que toda pessoa aprende e deve ter garantido seu direito à educação, inclusive no ensino médio. As escolas precisam criar diferentes meios e modos para que o aluno com deficiência participe plenamente de todas as atividades propostas, junto aos demais estudantes.”

Esta é a forma de atuação do IFSP (Instituto Federal de São Paulo), onde as melhores experiências de inclusão são aquelas pensadas de maneira colaborativa, envolvendo escola, professores e alunos, de acordo com Carla Vilaronga, professora do instituto, que trabalha com formação profissional e ensino médio integrado.

“Além da acessibilidade, temos que entender o contexto da vida do estudante, o que ele almeja, o que sonha. Tem alunos que entram na escola porque o ensino médio é forte e querem ir para a universidade. Não gostam do curso técnico. Tem outros que gostam do técnico e querem trabalhar. Fazemos reuniões de planejamento individual e investimos no empoderamento do aluno. Alguns deles chegam com uma grande lacuna de escolarização. Trabalhamos essas lacunas em um ou dois anos”, conta Carla.

A professora dá o exemplo de uma estudante surda que pediu mudanças na carga horária de atividades no primeiro ano na escola. “Lotamos a agenda dela para recuperar o que não sabia, mas ela e a família explicaram que estava muito pesado. Entendemos, continuamos oferecendo suporte, mas diminuímos a carga horária”. Ela foi muito bem no ano seguinte, se formou e hoje cursa pedagogia em uma universidade pública.

Outra estudante, com paralisia cerebral, chegou à escola com dificuldade em exatas e na área técnica. Ela teve acompanhamento dos professores para se desenvolver e descobriu, durante o percurso escolar, uma grande facilidade com a escrita. Hoje, cursa letras. “Ela escreve textos muito bonitos, conseguiu fazer com que as pessoas leiam o que escreve”, comenta a educadora.

Relacionadas

Inclusão precisa ir além da matrícula

ACESSAR

Inclusão em MG: escola apoia o desenvolvimento de estudantes com deficiência

ACESSAR

Instituto Unibanco debate a importância da inclusão na educação

ACESSAR

Direitos da pessoa com deficiência

Segundo Katia Cibas, no passado já se acreditou na existência de metodologias específicas de acordo com cada deficiência. “No entanto, a Convenção dos Direitos da Pessoa com Deficiência – publicada em 2006 e aprovada com equivalência de emenda constitucional no Brasil, em 2008 – apresenta um novo conceito de deficiência, que deixa claro que o foco do professor deve ser a remoção ou minimização de barreiras que dificultam a participação e aprendizagem de estudantes público-alvo da educação especial, e não o tipo de deficiência.”

O artigo primeiro da Convenção diz que: “Pessoas com deficiência são aquelas que têm impedimentos de longo prazo de natureza física, mental, intelectual ou sensorial, os quais, em interação com diversas barreiras, podem obstruir sua participação plena e efetiva na sociedade em igualdades de condições com as demais pessoas.”

Para Katia, isso quer dizer que devemos direcionar nosso olhar para as barreiras impostas na sociedade e na escola, e não para as aptidões das pessoas. Nas escolas, as barreiras podem ser arquitetônicas, quando não é considerado o livre acesso de uma pessoa usuária de cadeira de rodas a todos os espaços, ou pedagógicas, quando o professor elabora um único tipo de atividade para ser realizada por todos os estudantes, sem considerar as especificidades da turma.

“O Desenho Universal para Aprendizagem (DUA) é um grande aliado neste processo e deve ser considerado pelos professores no momento de elaborarem aulas que possam ser acessadas por todos. É preciso haver diversificação na apresentação dos conteúdos curriculares, nos formatos dos materiais didáticos, nas estratégias pedagógicas, na mediação com os estudantes e nas inter-relações entre o conteúdo e o dia a dia do estudante”, afirma a especialista.

O texto “Ensino médio inclusivo: boas práticas são agulha no palheiro?“, de Rodrigo Hübner Mendes, disponível no site DIVERSA, aprofunda o debate sobre inclusão no ensino médio.

Adaptações e acompanhamento

O Instituto Mano Down, em Belo Horizonte (MG), trabalha em acordo com a Lei Brasileira de Inclusão no contraturno escolar, fazendo adaptação de materiais, capacitação de professores, reforço escolar, palestras e convivências.

“A maioria dos estudantes está no ensino fundamental, temos quatro pessoas no ensino médio. Trabalhamos muito com conceitos concretos, adaptação de apostilas, com vídeos, letras maiores para entendimento das provas e integração com o professor regente. Mandamos relatórios, principalmente com a participação da família, entendendo o educando e mostrando a potencialidade e a forma de aprender”, explica Leonardo Gontijo, diretor presidente do instituto.

O foco do trabalho é o processo de aprendizagem. O primeiro documento cobrado das escolas é o PDI (Plano de Desenvolvimento Individualizado). Com base nele, o instituto trabalha a trajetória do aluno. “Além disso, atuamos junto com a família, fortalecendo os pontos que serão trabalhados pelo PDI e fazendo avaliações rotineiras. Trabalhamos muito com deficiência intelectual. Vemos que a defasagem é grande, mas fazemos as adaptações e o alinhamento para que os estudantes tenham sucesso no ensino médio”, diz Leonardo.

Disposição para o encontro

O texto de referência “Eletivas – Diversidade e Inclusão na Escola”, do programa Nosso Ensino Médio, realizado pelos institutos iungo e Reúna, com a gestão operacional do Porvir, afirma que uma sociedade justa é aquela que valoriza as diferenças e se enriquece com elas e aprofunda o significado do termo inclusão.

“A inclusão nos diz de uma disposição para o encontro com o desconhecido, de poder olhar cada um sem adiantar preconceitos, sustentando-o em sua vitalidade por ser e estar entre nós, de uma abertura para a ampliação do nosso repertório de mundo. Nesse sentido, não há um sujeito que inclui e outro que é passível de ser incluído, posto que não há um grupo naturalmente estabelecido, que decidiria aqueles que acessarão o lugar comum. A inclusão é justamente esta superação da assimetria de direitos e de poder. É um processo que se dá entre sujeitos, que tem a igualdade como princípio, não com promessa”.

Para a professora Carla, o processo de trabalho com os estudantes da educação especial mostra que eles são “muito mais iguais do que diferentes”. “Trabalhamos a acessibilidade, mas, na maioria das vezes, elas são pequenas em relação à história que as pessoas trazem. Damos oportunidade, pensamos juntos, de forma coletiva, e elas se desenvolvem.”


Para conhecer casos de escolas que desenvolvem uma educação inclusiva segundo os princípios desta série, visite a seção Estudo de Caso, da plataforma DIVERSA.

A série Educação Inclusiva, aqui no Porvir, também apresenta escolas e conceitos importantes sobre recursos didáticos, metodologias para avaliação e adoção de tecnologia.

Quer saber mais sobre projetos educacionais e inclusivos?
Clique e acesse

Instituto Unibanco

TAGS

ensino médio, inclusão, série novo ensino médio e educação inclusiva

Cadastre-se para receber notificações
Tipo de notificação
guest
0 Comentários
Comentários dentro do conteúdo
Ver todos comentários
0
É a sua vez de comentar!x
()
x