Inovar o ensino uma engenharia inovadora - PORVIR
bigpa / Fotolia.com

Inovações em Educação

Inovar o ensino uma engenharia inovadora

Em parceria com a USP, Porvir publica série de reportagens sobre desafios do ensino de engenharia e soluções para revolucioná-lo

por Tatiana Klix ilustração relógio 27 de junho de 2014

S
Este conteúdo faz parte da
Série Engenharia

Entre 2000 e 2011, o número de cursos de engenharia oferecidos no Brasil aumentou 250%, de 697 para 2.506 graduações, e o de alunos matriculados passou de 180.497 para 596.416, um salto de 230%. Esse crescimento acompanha a evolução da engenharia como um todo no país: há uma demanda crescente por engenheiros no mercado de trabalho, um maior número de interessados na profissão, mais vagas e, consequentemente, mais engenheiros. Aos poucos, ainda que o número de graduados por habitantes seja inferior ao das nações mais industrializadas do mundo, a expansão das graduações e dos cursos de pós amenizam o risco de um apagão generalizado de mão de obra na área, mas nem por isso elimina todos os desafios da formação de engenheiros.

Entre os estudantes que entram na faculdade, ainda é baixo o percentual dos que efetivamente conseguem se formar – das pessoas que ingressaram em 2007 em graduações de engenharia, só 39% concluíram o curso no tempo previsto, em 2011. Muitos outros demoram mais do que cinco anos para concluir a graduação, e outros tantos param pelo caminho: em 2012, a taxa de evasão foi de 25,35%.

Há disparidades de desempenho no ensino público e privado e uma grande diferença de gênero entre estudantes e formados – nas áreas de engenharia mecânica e metalúrgica, por exemplo, somente 9,3% das matrículas são de mulheres.

Quando chegam ao fim da graduação, os novos engenheiros também estão pouco preparados para colaborar em processos de inovação e exercer funções práticas na indústria, que costuma investir em treinamentos para qualificar profissionais. Além disso, seja por não estar capacitada, seja porque encontra melhores oportunidades ou até porque não gosta da profissão, a maioria acaba migrando para outras áreas e apenas 54% trabalha como engenheiro de fato.

Para entender melhor esses dilemas e apontar exemplos de iniciativas que têm conseguido trazer propostas a esses desafios, o Porvir publica a partir de hoje, em parceria com a Escola Politécnica da USP, a série de reportagens e artigos opinativos “O futuro do ensino da engenharia”. Os textos vão apresentar alguns conceitos que norteiam debates entre o mundo do trabalho e a academia, além de novas soluções testadas em universidades brasileiras e de outros países para formar engenheiros inovadores e com capacidade para enfrentar as demandas do mercado em transformação constante.

Nas matérias produzidas pela equipe do Porvir e nos artigos escritos por professores da Escola Politécnica da USP serão abordados desde maneiras de incentivar o aprendizado de ciências já no ensino básico, prática necessária para atrair mais alunos aos cursos de engenharia, até soluções metodológicas baseadas em projetos e práticas interdisciplinares que formam um profissional que tenha – além de boa capacidade técnica – habilidades transversais, como liderança, espírito de equipe, empreendedorismo e condições de aprender a resolver novos problemas por toda a vida. Os textos que compõem a série serão identificados por um selo.  Acompanhe e participe.

 

Infográfico traz desafios e possíveis caminhos para o ensino da engenharia


TAGS

ciências, educação mão na massa, engenharia, ensino superior, gênero, série engenharia

16
Deixe um comentário

avatar
500
5 Comentários ao conteúdo
1 Respostas a comentários
0 Seguidores
 
Comentário com mais reações
Comentário em alta
6 Autores
José AnchietaEdersonLeonardo de Oliveira CadurimEdinoelia Bastos AlecrimFelipe Menezes Quem acabou de comentar
  Acompanhar a discussão  
Mais recentes Mais antigos Mais votados
Tipo de notificação
George R. Stein
Visitante
George R. Stein

Esse é um enorme desafio, com algumas questões ainda sem resposta:
a) Como a qualidade da educação prévia (Ensino Básico e Médio) dos ingressantes está afetando a relação entre ingressantes e concluintes?
b) Porque 46% dos engenheiros formados vão atuar em outras áreas e como reduzir essa taxa?
c) Como preparar os professores para esses novos cursos de engenharia?

Felipe Menezes
Visitante
Felipe Menezes

Excelente matéria. Concordo plenamente com o ponto 3, que trata de formar profissionais menos teóricos. Compartilho um exemplo que utilizei em sala de aula para proporcionar isso aos alunos dos cursos de Engenharia de Produção e Gestão da Produção Industrial: https://www.youtube.com/watch?v=CWZfmhDXyL0
Entendo que se as engenharias se aproximassem mais ao mundo real, com atividades práticas, sistemicamente, os demais pontos melhorariam.

Edinoelia Bastos Alecrim
Visitante
Edinoelia Bastos Alecrim

Meu filho está cursando o IV semestre de Engenharia Mecânica, preciso de algumas dicas/ temas para ele desenvolver o seu TCC.

Aguardo ansiosa,

Leonardo de Oliveira Cadurim
Visitante
Leonardo de Oliveira Cadurim

As Universidades devem atuar mais pro-ativamente com a comunidade, órgãos públicos e instituições no intuito de promover um desenvolvimento mais estratégico e planejado e assim aproveitando para preparar os futuros profissionais para o mercado de trabalho, não só na teoria mas também na prática.

Ederson
Visitante
Ederson

Como engenheiro digo que se a teoria é válida e aplicada corretamente não há margem para erro, o engenheiro trabalha freqüentemente com Leis Física e Matemáticas e não teorias e quando com teorias, são teorias que podem não condizer com a realidade, mas aproximam com uma diferença conhecida. Vejo muitos “engenheiros” em nosso país que não conseguem representar um fenômeno físico de maneira adequada, sendo que desse modo como estudá-lo? Sempre fui muito introvertido, ruim… Ler mais »

José Anchieta
Visitante
José Anchieta

Parabéns Ederson pelos seus comentários, vc não está sozinho. Abç