‘Não podemos ver o celular como inimigo’ - PORVIR

Inovações em Educação

‘Não podemos ver o celular
como inimigo’

Especialista defende uso de dispositivos móveis dentro e fora da sala de aula para desenvolvimento profissional de docentes

por Vagner de Alencar ilustração relógio 24 de junho de 2013

O uso dos dispositivos móveis é apontado por especialistas como uma modalidade de ensino-aprendizagem que aproveita, de forma mais intensa e integrada, o ensino tanto dentro quanto fora da sala de aula. Conhecido também como mobile learning, o uso dessas ferramentas ainda é visto com certa desconfiança por muitos educadores e gestores. No entanto, alguns estudiosos, à contramão dessa perspectiva, estão se mobilizando para comprovar a eficácia dos dispositivos móveis na educação. “Existem inúmeras escolas em que o aluno não pode entrar com o celular. Precisamos romper essa barreira, a de que o aparelho é um inimigo”, afirma Antônio Carlos Xavier, pesquisador-chefe de Nehte (Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologia Educacional), da UFPE (Universidade Federal de Pernambuco).

Para ampliar a discussão sobre o tema, Xavier, que também é titular em linguística na UFPE, está coordenando o 5o Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação, que acontece em novembro em Recife. O congresso, que é pago e está com inscrições abertas, pretende discutir a integração de celular e tablets às práticas pedagógicas, com a proposta de sensibilizar os educadores para o uso cada vez mais frequente dos aparelhos móveis. “Vamos reunir experiências de projetos executados com sucesso por meio da modalidade dessa ensino. Não é fácil convencer os professores e gestores, mas lentamente vamos fazendo esse processo”, assegura.

crédito Victor Tongdee

No Brasil, iniciativas, ainda embrionárias, estão mostrando que o uso concreto e produtivo desses dispositivos está contribuindo para engajar os alunos no aprendizado. “A partir dos dispositivos móveis, os estudantes podem gravar, escutar e reescutar o que produziram. Podem receber conteúdos enviados diretamente pelos professores, até receber as tarefas e treinar idiomas por meio do envio de torpedos aos amigos. A mobilidade é o principal trunfo desses aparelhos, que podem ser acessados a todo momento e em qualquer parte”, afirma.

Há dois principais desafios quanto à adoção das mídias móveis em sala de aula: a capacitação tecnológica dos professores e a descentralização do protagonismo docente

Segundo Xavier, o uso dos dispositivos surgiu para dar conta da educação em situações extraordinárias que impediam os estudantes de frequentarem a escola – como em guerras, catástrofes e conflitos armados. Hoje, no entanto, eles vêm ajudando, muito mais além de uma modalidade de ensino alternativa e complementar ao ensino presencial. Para ajudar educadores interessados em adotar os dispositivos, a Unesco apresentou, em fevereiro passado, durante a Mobile Learning Week, um guia com 10 dicas e 13 motivos para usar celular na aula.

Xavier, porém, aponta dois dos principais desafios à adoção das mídias móveis em sala de aula: a capacitação tecnológica dos professores e a descentralização do protagonismo docente. A formação, afirma, é necessária para que o educador consiga desenvolver conteúdos específicos para a utilização efetiva desses aparelhos – e não deve ficar apenas à mercê das secretarias de Educação e governo. “Quando a gente quer mudar, a gente vai atrás. Se o professor ficar esperando iniciativas do governo, nada vai acontecer”, afirma. “Fazer aulas tecnológicas é algo muito mais trabalhoso do que por um pincel no bolso, esboçar um esquema no quadro branco e falar, falar, falar… O professor precisa entender a tecnologia lhe dará vantagens”, completa.

Para Xavier, outro desafio ao professor é encarar um novo modelo de educação que se apresenta, o de tornar-se mais facilitador de conteúdos do que protagonismo hegemônico em sala de aula. “O educador precisa compartilhar com seus alunos.  Seu papel agora é muito mais de um facilitador de conexões do que um fornecedor de informações. Ele não pode competir com o Google”, diz ele, que completa: “Vamos nos capacitando, os alunos também. É uma questão de convencer que ferramentas conspiraram a favor da educação”, afirma.

Atualmente, estão nas mãos dos brasileiros 264,5 milhões de celulares, segundo dados divulgados em abril pela Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações). De acordo com Xavier, esses aparelhos, que são manuseados facilmente pelos jovens, sobretudo para entretenimento, devem ser mais bem aproveitados pelos professores para fins pedagógicos – especialmente para o complemento e ampliação do aprendizado. 

Prêmio Artes Digitais e Aplicativos Educacionais 

Os educadores interessados podem participar, até 30 agosto, da segunda edição do Prêmio Artes Digitais e Aplicativos Educacionais (Prêmio Hipertexto2013). O concurso pretende incentivar a produção de apps educacionais, além de estimular a exposição de obras educativas produzidas digitalmente. O prêmio é dividido em duas categorias: arte digital e aplicativos educacionais. Os participantes podem concorrer em diferentes áreas: literária, plástica, musical, fotográfica e cinematográfica até aplicativos digitais.

Serão selecionados 10 trabalhos que farão parte de uma exposição no Centro de Convenções da UFPE, além de ingressos para o congresso. Os dois primeiros colocados receberão prêmios em dinheiro e também hospedagem para participar do simpósio. As inscrições custam R$ 50.


TAGS

dispositivos móveis, tecnologia

6
Deixe um comentário

avatar
500
6 Comentários ao conteúdo
0 Respostas a comentários
0 Seguidores
 
Comentário com mais reações
Comentário em alta
6 Autores
Lucas Santos CamposGENILDA DA SILVA PINHO JORGEEduardo da Costa MarquesGENILDA DA SILVA PINHO JORGEbenoni de frança Quem acabou de comentar
  Acompanhar a discussão  
Mais recentes Mais antigos Mais votados
Tipo de notificação
Lucas Santos Campos
Visitante
Lucas Santos Campos

As tecnologias digitais são, naturalmente, aliadas da educação, quer a rigidez do tradicionalismo educacional aceite ou não. Munidas dos recursos tecnológicos, as pessoas “ganham” o mundo, viajam pelos mais diversos setores, obtêm e transmitem informações, acessam fontes de dados. Isso é educação, isso é formação. Nós, professores, precisamos nos conscientizar de que nossa função nessa realidade passa a ser outra que não a de transmitir conhecimento, mas a de apoiar o educando, o orientando nas… Ler mais »

Lucas Santos Campos
Visitante
Lucas Santos Campos

As tecnologias digitais são, naturalmente, aliadas da educação, quer a rigidez do tradicionalismo educacional aceite ou não. Munidas dos recursos tecnológicos, as pessoas “ganham” o mundo, viajam pelos mais diversos setores, obtêm e transmitem informações, acessam fontes de dados. Isso é educação, isso é formação. Nós, professores, precisamos nos conscientizar de que nossa função nessa realidade passa a ser outra que não a de transmitir conhecimento, mas a de apoiar o educando, o orientando nas… Ler mais »

benoni de frança
Visitante
benoni de frança

Com certeza o celular ou os aparelhos digitais serão benéficos na área pedagógica, haverá sim um pouco de repúdio por alguns professores ou mestres mas, teremos que enfrentar esse desafio que não será fácil, vamos lutar pra vencer.

GENILDA DA SILVA PINHO JORGE
Visitante
GENILDA DA SILVA PINHO JORGE

Hoje a grande maioria dos educadores ainda não estão prontos para introduzir esta tecnologia em suas aulas. Isto vem pelo estigma de que a tecnologia irá substituir o educador. Certamente que não irá,ela auxiliará o educador em sua prática pedagógica diária, promovendo um alcance maior nas possibilidades de ampliar o conhecimento. Precisamos nos aliar a esta tecnologia e fazer dela um instrumento de instrução e não de competição durante nossas aulas.

GENILDA DA SILVA PINHO JORGE
Visitante
GENILDA DA SILVA PINHO JORGE

Hoje a grande maioria dos educadores ainda não estão prontos para introduzir esta tecnologia em suas aulas. Isto vem pelo estigma de que a tecnologia irá substituir o educador. Certamente que não irá,ela auxiliará o educador em sua prática pedagógica diária, promovendo um alcance maior nas possibilidades de ampliar o conhecimento. Precisamos nos aliar a esta tecnologia e fazer dela um instrumento de instrução e não de competição durante nossas aulas.

Eduardo da Costa Marques
Visitante
Eduardo da Costa Marques

Há situações em que fica complicado o uso do celular. Dou aula em um colégio onde muitos alunos são pobres e não tem celular, computador, tablet etc (alguns deles são os alunos mais dedicados que já tive o privilégio de ensinar). Acho que esses alunos podem se sentir excluídos e desestimulados se eu preparar atividades que eles não tem condições financeiras de acompanhar. Leio sobre o assunto e estudo como posso utilizar recursos mais modernos… Ler mais »