Professora brasileira é Top 10 do Global Teacher Prize - PORVIR
Reprodução

Inovações em Educação

Professora brasileira é Top 10 do Global Teacher Prize

Débora Garofalo, professora de tecnologia e robótica em escola pública em São Paulo (SP), fica mais perto do prêmio de US$ 1 milhão

por Vinícius de Oliveira ilustração relógio 21 de fevereiro de 2019

A professora Débora Garofalo, que leciona matérias de tecnologia e robótica na EMEF Almirante Ary Parreiras, em São Paulo (SP), está entre os 10 melhores professores do mundo e vai a Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, no dia 24 de março, para a cerimônia de anúncio do vencedor do Global Teacher Prize, prêmio de US$ 1 milhão concedido pela Varkey Foundation. A divulgação do Top 10 foi feita nesta quarta-feira (20) pelo ator australiano Hugh Jackman, famoso pelo trabalho como Wolverine nos filmes dos X-Men.

Em um vídeo divulgado pela organização do prêmio, Jackman comparou professores a super-heróis: “Quando era criança, havia muitos super-heróis que eu queria ser. Mas posso dizer agora, de onde estou, com toda a minha experiência, que os verdadeiros super-heróis são professores – são eles que mudam o mundo”.

Logo em seguida, Débora comemorou em sua página no Facebook: “Uma alegria imensa (em lágrimas de felicidades). Em questão de segundo um filme pela cabeça, um trabalho intenso de anos, em uma das maiores comunidades de São Paulo e o ensino de programação e Robótica consolidado, pautado em uma educação humanizadora e sustentável, que permite pelo protagonismo que os alunos intervenha na comunidade e na sociedade. Um caminho para alavancar a aprendizagem, permitindo que a experimentação e o mão na massa invadam as salas de aula do mundo. Uma grande responsabilidade, ser a primeira mulher brasileira e sul-americana a estar na final, rompendo alguns tabus e mais do que isso, mostrar que temos de valorizar os professores e oportunizar que participem das políticas públicas. O caminho está só começando, gratidão por tanto carinho, pela minha linda família, aos meus queridos alunos e ex alunos (vocês são minha essência), aos pais, a comunidade, a gestão e aos professores do Ary, a todos meus amigos, ao querido Jayse Antonio que nos inspira tanto e aos top 50 professores incríveis. Seguimos! #top10GlobalTeacherPrize #FoundationVarkey 🇧🇷🇧🇷”

Débora Garofalo, a professora finalista

O trabalho de Débora foi reconhecido entre mais de 10 mil candidatos de 179 países. Em suas aulas com estudantes de 6 a 14 anos, a professora usa material de sucata e busca fomentar o protagonismo do aluno a partir da aprendizagem criativa, das experiências e conhecimentos prévios dos alunos e do uso reflexivo das tecnologias.

Uma mostra deste trabalho pode ser encontrada no relato que a professora Débora Garófalo enviou ao Porvir em 2016 e foi publicado na seção Diário de Inovações. “Quando assumi a sala de informática, os alunos só queriam jogar, mas com o passar do tempo, mostrei pra eles que o laboratório tem outras finalidades, e que o computador não é um instrumento final, mas faz parte do processo”, contou a professora.

Outros professores do Top 10

Completam a lista de finalistas professores de Argentina, Austrália, Estados Unidos, Geórgia, Holanda, Índia, Japão, Quênia e Reino Unido. São docentes com experiências diversas, que lecionam em áreas remotas em cidades grandes, que defendem a inclusão e o direito das crianças, que integram imigrantes e atuam pelo desenvolvimento de habilidades por meio de música, tecnologia, robótica e ciências.

Andrew Moffat: professor de educação para saúde pessoal e social da escola comunitária Parkfield Community School, em Birmingham, no Reino Unido. Desenvolve o programa “No outsiders”, focado em inclusão e diversidade.

Daisy Mertens: professora polivalente que aposta na personalização do ensino em suas aulas na escola comunitária De Vuurvogel, em Helmond, na Holanda. A instituição possui 440 alunos de 30 nacionalidades diferentes.

Hidekazu Shoto: professor de inglês e de tecnologia na escola de ensino fundamental Ritsumeikan Primary School, em Kyoto, no Japão. Acredita que é possível aprender um novo idioma sem ter que viajar para o exterior, por isso usa jogos como Minecraft e conferências via Skype

Martin Salvetti: chefe de estudos automotivos e formação profissional para adultos, na Escola de Educação Secundária N°5 “2 de Abril” em Buenos Aires, na Argentina. Sua metodologia se destaca por projetos mão na massa que envolvem todos os alunos.

Melissa Salguero: professora de música na escola de ensino fundamental P.S.48 Joseph R Drake, no Bronx, em Nova York, nos Estados Unidos. Na escola, 59% dos alunos são de baixa renda e Melissa levantou fundos para conseguir instrumentos e iniciar um programa de música.

Peter Tabichi: professor de matemática e física na escola rural de ensino fundamental Keriko Secondary School, em Nakuru, Quênia. A instituição tem 1 computador para cada 58 alunos, que precisam caminhar 7 km por estradas acidentadas para assistir às aulas.

Swaroop Rawal: professora de habilidades para a vida, na escola de ensino fundamental Lavad Primary School, em Gujarat, na Índia. Para desenvolver o autoconhecimento, Swaroop adota técnicas de teatro, música e jogos.

Vladimer Apkhazava: professor de educação moral e cívica da Escola Pública Chibati, de Tbilisi, na Geórgia. Muitos de seus alunos trabalham desde cedo para sustentar suas famílias. Para atacar o problema, deu início a um programa de participação democrática e abertura da escola aos interesses dos alunos

Yasodai Selvakumaran: professora de história, sociedade e cultura na escola de ensino médio Rooty Hill High School, Nova Gales do Sul, na Austrália, onde ajuda alunos a superar preconceitos.

Outro brasileiro entre os 50 finalistas

Jayse Ferreira, da Escola de Referência em Ensino Médio Frei Orlando, em Itambé (PE), ficou entre os 50 finalistas. Em suas aulas, ele trabalha a valorização das diversas etnias dos alunos por meio de fotografias e também estimula a produção audiovisual em suas aulas.

A premiação em 2018

Em 2018, a professora britânica de arte Andria Zafirakou conquistou oprêmio Global Teacher Prize. O brasileiro Diego Mahfouz Faria Lima ficou entre os 10 melhores.


TAGS

competências para o século 21, ensino fundamental, personalização, socioemocionais, tecnologia, uso do território

Deixe um comentário

avatar
500
  Acompanhar a discussão  
Tipo de notificação