Professora usa mapas mentais para substituir avaliação - PORVIR
Crédito: Marek / Fotolia.com

Diário de Inovações

Professora usa mapas mentais para substituir avaliação

Para tirar o medo da prova final, Célia Aparecida prioriza atividades em sala e propõe realização de um mapa conceitual como fechamento da disciplina

por Célia Aparecida de Matos Garcia ilustração relógio 13 de julho de 2016

Quando eu comecei como professora da disciplina de Gestão de Equipes, na Fatec-Guaratinguetá (Faculdade de Tecnologia do Estado de São Paulo), eu dava uma prova normal, tradicional, no final do semestre. Só que comecei a perceber que as pessoas ficam muito tensas com uma coisa simples. Os alunos participavam das aulas durante o semestre inteiro, então não tinha porque ficarem nervosos, tanto é que todos iam muito bem na prova. Por isso,  pensei em parar de dar esses testes finais.

No primeiro semestre de 2015, eu avisei aos alunos, no começo da disciplina, que não ia mais dar nenhuma prova escrita e as avaliações iriam acontecer pela participação em sala de aula. Também não resolveu, porque os alunos ficaram muito relaxados. Como sabiam que não ia ter avaliação, eles não ligavam muito. Naquele semestre, eu acabei ficando sem saber se todos captaram o conteúdo e a importância de todos os tópicos da disciplina. Eles acharam que, como não teriam uma avaliação escrita, já seriam aprovados e pronto. Saber que não teriam prova deu uma tranquilidade meio exagerada.

A prova cria uma tensão desnecessária. Quando o aluno tem que fazer uma avaliação escrita, ele vai pegar todo o material, estudar, estudar e estudar, só pra fazer a prova

Depois dessa experiência, eu fiz uma capacitação em metodologias ativas de aprendizagem, que me trouxe novas ideias. Paralelo a isso, surgiu a ideia de usar os mapas mentais (diagrama usado para relacionar conteúdos  e ideias) como uma forma de avaliação. Eu tinha conhecido os mapas com um colega professor, que já tinha um material. Achei a proposta muito interessante e, pesquisando na internet, descobri algumas ferramentas que ajudam a fazer um mapa de ideias.

Então, no início do segundo semestre de 2015, eu falei para os alunos que poderia ter ou não uma avaliação no final da disciplina. Mas ressaltei que o que seria mais valorizado seria a participação e a contribuição em sala de aula.

mapa mental 01Mapa mental desenvolvido pelos alunos da professora Célia.

Também comecei propondo uma atividade individual para eles aprenderem a teoria do mapa mental. Levei um mapa pronto pra eles verem e, a partir daí, elaborarem um mapa próprio sobre gestão do tempo, para mostrar para eles mesmos o que precisam fazer para ter maior concentração, para deixar o celular de lado, entre outras atitudes.

No fim do semestre, propus que os alunos se juntassem em grupos de quatro ou cinco pessoas, para realizar um mapa sobre Gestão de Equipes. Eles receberam a proposta como uma das atividades da disciplina, e não como uma prova. Mas a minha ideia era avaliar o que aprenderam. Funciona assim: no centro do mapa vai o nome da disciplina, e aí os alunos vão puxando tópicos principais das aulas, como liderança, trabalho em equipe, feedback, entre outros. A partir desses, eles vão colocando outros itens que se relacionam com os conteúdos. Eu estimulei que eles usassem a criatividade, figuras, desenhos e outros elementos que achassem interessantes, tudo isso pra ficar uma produção mais atrativa.

mapa mental 02Mapa mental desenvolvido por outro grupo de alunos da professora Célia.

Comecei a desenvolver essa atividade porque acredito que a prova cria uma tensão desnecessária. Quando o aluno tem que fazer uma avaliação escrita, ele vai pegar todo o material, estudar, estudar e estudar, só pra fazer a prova. Para mim, isso não diz se ele realmente captou o conteúdo. Eu acho muito mais produtivo quando ele participa ativamente durante o semestre todo.


Célia Aparecida de Matos Garcia

Professora de Gestão de Equipes nos cursos de Tecnologia em Logística e Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, na Fatec Guaratinguetá - SP. Formada em Automação de Escritórios e Secretariado, também pela Fatec Guaratinguetá, especialista em Gestão de Pessoas e Projetos Sociais pela UNIFEI e Mestranda em Educação pelo Centro Paula Souza.

TAGS

aprendizagem colaborativa, avaliação, ensino superior

18
Deixe um comentário

avatar
500
18 Comentários ao conteúdo
0 Respostas a comentários
0 Seguidores
 
Comentário com mais reações
Comentário em alta
18 Autores
Maria Claudia ZamunerCaio BlumerCatharyna AngelaNilza BritoLidia S. Ribeiro Quem acabou de comentar
  Acompanhar a discussão  
Mais recentes Mais antigos Mais votados
Tipo de notificação
Lidia S. Ribeiro
Visitante
Lidia S. Ribeiro

Venho utilizando-os para textos-pré-textos de análise e síntese sobre todo conteúdo, informações, palestras que criam sucessivas articulações e movimentam criatividade para um ler, escrever, interpretar e compreender. Feliz em ver este fato-acontecimento sobre mapas mentais trazendo para escola novas formas de conduzir raciocínio, logicidade, sequenciação de ideias, conteúdos. Show!!! Parabéns a Professora!!!!

Joacilda Andrade Freire
Visitante
Joacilda Andrade Freire

Eu trabalho com alunos do EM e proponho os alunos de criarem questões dos conteúdos estudados como forma de revisão. Essa atividade realizo em grupos com subtitulos de um capítulo, por exemplo.Depois de criadas as questões eles trocam entre si e respondem as questões uns dos outros. Essa atividade também pode ser realizada individual e repassada para outro aluno. O que descobri realizando essa atividade foi que nossos alunos são perspicazes e aos poucos vão… Ler mais »

Jonas Borges de Castro
Visitante
Jonas Borges de Castro

Parabéns pelo trabalho, Célia! Aprendi a construir mapas mentais com um professor de biologia na 8ª série e os utilizo até hoje. São uma ótima ferramenta para avaliação, já que ao analisar o mapa mental de um aluno fica muito evidente a forma como ele assimilou o conteúdo e pode-se identificar aquilo que ele não compreendeu muito bem. Apoio totalmente essa iniciativa. Sou bibliotecário e no colégio onde trabalho fizemos um projeto em parceria com… Ler mais »

Karla Vaz
Visitante
Karla Vaz

Parabéns pela Iniciativa! Também concordo com isso, a prova tradicional não serve como forma de avaliação, tenho alunos excelentes que na hora da prova travam em função do nervosismo!

Eduardo Szpak
Visitante
Eduardo Szpak

Parabéns e obrigado por compartilhar!

José Rafael Rosa da Silva
Visitante
José Rafael Rosa da Silva

fantástico maravilhoso. No ensino fundamental tenho tentado aplicar essa metodologia de aprendizagem, é difícil, mas acredito ser possível. vou aprimorar mais..

Caio
Visitante
Caio

Celia tem um site chamado goconqr, la vc pode fazer os mapas e compartilhar eles além disso pode criar grupos !!!! Tem varias outras funções. Me add procura por Caio Carboni.

Wallace Vianna
Visitante
Wallace Vianna

Muito bom. E sem aqueles falsos “construtivismos” que dizem que a avalição tem de ser subjetiva (um aluno reprovado certa vez discordou disso dizendo que na subjetividade dele ele estava aprovado).

Donizete
Visitante
Donizete

Interessante vou me informar mais a respeito. Utilizo MM em forma de exercícios agora numa forma como avaliação é deve ser de grande utilidade.

Toninho
Visitante
Toninho

Mestre que maravilha está nova técnica, se da oportunidade de dar ao aluno desenvolver muito mais o seus aprender diário que todos os dia se elabora conteúdos novos,não se tornando matérias para se decorar ou melhor não se lembrar o que se foi colocado em aula.durante este dia.augumas horas depois pouco se lembra destas matérias ouvida ou escrita. Eu vou colocar este novo aprendizado em meu dia à dia, quero ver meu resultado melhor .gostarei… Ler mais »

Alice Sousa
Visitante
Alice Sousa

Maravilhoso este relato! Que inspirador. Já trabalho com os mapas há um bom tempo, Mas ainda não havia aplicado como forma de avaliação. Colocarei em prática já agora no início do semestre, como prática e, então, como avaliação. Aliando à tecnologia, engaja ainda mais os alunos. Existem vários programas, eu recomendo o que acho mais simples (para mim e para os alunos) e gratuito, o https://www.goconqr.com/pt-BR. Eu crio um Mapa inicial e um grupo online… Ler mais »

suellem
Visitante
suellem

Muito bom, esse tipo de iniciativa transforma a educação.

Paulo Sérgio Custódio
Visitante
Paulo Sérgio Custódio

A utilização de mapas mentais é muito interessante e proveitoso para ambas as partes: docente e aluno. As ferramentas que a professora Karine citou são fáceis de usar e o uso dos mapas é muito relevante para mostrar o aluno a sequência e relação entre as ideias e fatos da teoria e disciplina. Ajuda tanto na memorização e relação dos conteúdos quanto na assimilação dos conceitos. Sugiro fortemente o seu uso. Com o tempo, o… Ler mais »

Antonio
Visitante
Antonio

Mapas mentais são ótimos para reter e utilizar informação, conhecimento. Ferramenta poderosa para o aprendizado.

Caio Blumer
Visitante
Caio Blumer

Que solução fantástica, Professora Célia. Os mapas mentais ajudam muito a organizar as idéias, treinar o foco e demonstrar – da forma do aluno – como ele assimilou os conteúdos e idéias propostos. É muito interessante por dar uma certa liberdade de pensamento e explicativa a cada pessoa, que aprende, assimila e demonstra o conhecimento de uma forma diferente. Sensacional, parabéns pela iniciativa, tenho certeza que não só você como professora, mas principalmente seus alunos… Ler mais »

Nilza Brito
Visitante
Nilza Brito

Tenho trabalhado com mapas mentais e conceituais. São muito bons para o aprendizado, e desenvolvimento intelectual. É uma ferramenta fundamental para o processo de construção do conhecimento. Muito Bom.

Catharyna Angela
Visitante
Catharyna Angela

Muito mais fácil e prático de aprender, parabéns!

Maria Claudia Zamuner
Visitante
Maria Claudia Zamuner

Parabéns Prof ª Célia, adorei o artigo!! Abriu minha mente de como podemos revolucionar a avaliação dentro da sala de aula. Sou professora de ciências para o Ensino Fundamental II e de biologia para o Ensino Médio e, como relatou, a pressão da avaliação faz com quê o aluno entre em pânico e não saiba reproduzir um conteúdo que muitas vezes domina. Obrigada pela sua contribuição.