Série documental aborda abusos e violências no ensino superior - PORVIR
Crédito: Reprodução/Divulgação

Inovações em Educação

Série documental aborda abusos e violências no ensino superior

Os 5 episódios abordam estupro, trote, discriminação e outros tipos de violência ocorridos dentro dos campi universitários

por Ruam Oliveira ilustração relógio 11 de novembro de 2021

É um grande passo sair da educação básica e ingressar no ensino superior. Geralmente, a grande maioria dos que entram na faculdade são jovens recém-saídos do ensino médio. Todas as inseguranças e incertezas estão ali presentes. Assim como a alta expectativa em relação à vida profissional.

E iniciar esse processo pode ser ainda mais complexo quando dentro da universidade acontecem os mais diversos processos que dificultam a permanência de muitos estudantes, como assédio moral e sexual, abusos de variados tipos, violência e discriminação.

É sobre esses temas que se debruça a série documental brasileira “Rompendo o Silêncio“. Em cinco episódios, a produção passa por essas questões, trazendo depoimentos reais de vítimas dessas violências ocorridas nos campi universitários.


Leia também


“A universidade é um reflexo da sociedade. Acontecem violências de todo o tipo, dentro e fora do âmbito universitário. Infelizmente, assim como na sociedade, as mulheres, os LGBTQIA+, os negros e todos os outros grupos minoritários são mais vulneráveis a abusos e violências. O documentário advoga por um ambiente universitário mais saudável, mais igualitário, mais seguro e mais justo em todos os aspectos, essa é a nossa intenção ao fazer essa série”, afirma Marina Person, que dirige a produção ao lado de Giuliano Cedroni.

São questões que levam a refletir sobre o lugar da universidade na hora de lidar com esses assuntos. Em muitos aspectos, há relatos de que a imagem da universidade por vezes aparenta estar acima do bem e da segurança dos alunos.

Ingressar na faculdade, por si só, já é algo que gera muita ansiedade, principalmente porque envolve outras pressões sociais. Ter que lidar com trotes violentos e humilhantes, por exemplo, não deveria fazer parte da trajetória educacional de jovens adultos. Mas, em muitos casos, faz.

A universidade é um reflexo da sociedade. Acontecem violências de todo o tipo, dentro e fora do âmbito universitário.

Um dos episódios da série aborda a prática de trotes, que é proibida por lei em São Paulo, mas que continua acontecendo. Há também histórias sobre discriminação a estudantes negros, estudantes LGBTQIA+ e mulheres.

O trote, por exemplo, é um tipo de atividade que muitos ingressantes decidem participar por medo de não serem aceitos pelo grupo onde estão chegando. A psicopedagoga Telma Pantano aponta que essa realidade acaba sendo suscetível para que surjam quadros de depressão e ansiedade em um grupo que já vive certa fragilidade emocional.

Os impactos das violências sofridas pelos estudantes também podem aparecer de maneira física, como privação, alteração de sono, uso e abuso de álcool entre outros. São comuns os relatos na série que apontam a vontade de desistir do curso e abandonar a faculdade devido às violências como discriminação, assédio ou até mesmo abuso sexual.

Acreditamos que a melhor maneira de lidar com as violências cometidas no âmbito universitário é investigando e punindo os agressores, sejam eles alunos, professores ou até reitores

Grande parte dos entrevistados comenta que ao realizarem denúncias, a universidade nem sempre responde com clareza ou rapidez. Aqui, de novo, há uma certa preocupação com a própria imagem da instituição. A arquiteta Stephanie Ribeiro, que participa do episódio sobre discriminação, contou que por vezes ouvia que seus posicionamentos online, quando apontava situações de racismo vividas dentro do campus, estavam “sujando a imagem da escola” e “atrapalhando o currículo”.

“Acreditamos que a melhor maneira de lidar com as violências cometidas no âmbito universitário é investigando e punindo os agressores, sejam eles alunos, professores ou até reitores”, diz Marina. “Enquanto o nome da instituição estiver acima das vítimas, e proteger a reputação da universidade for mais importante do que apurar as violências cometidas dentro dela, os abusos vão continuar acontecendo”, completa.

Para a diretora, é importante lutar  pela existência do ensino superior de qualidade, tanto em instituições públicas quanto privadas. “Valorizar o conhecimento, o ensino. Num contexto político como o atual, em que o governo trabalha para desacreditar a ciência, a cultura e a verdade, a universidade tem um papel fundamental para produzir intelectuais e profissionais”, conta.


Serviço
Rompendo o Silêncio
Onde assistir
HBO Max
Quantos episódios
5 episódios


TAGS

ensino superior

Deixe um comentário

avatar
500
  Acompanhar a discussão  
Tipo de notificação
X