//
54 COMENTÁRIOS // 

MIT e Harvard se unem para oferecer cursos on-line

EdX reunirá cursos gratuitos e acessíveis a qualquer pessoa; a ideia é que outras instituições façam parte do projeto

Imagine uma sala de aula não com 40 nem 80, mas com 120 mil alunos. Para Harvard e MIT isso já é possível. As duas universidades mais importantes do mundo anunciaram a criação da edX, uma plataforma on-line em que as duas instituições vão oferecer cursos livres e gratuitos para milhares de alunos de todo o mundo simultaneamente.

Com aporte de U$S 30 milhões de cada universidade, a edX nasce com a missão de disseminar conhecimento qualificado pelo mundo, com cursos disponíveis a partir de setembro. Mas não é só isso. Tem o objetivo também de permitir que as instituições entendam melhor como os alunos aprendem, quanto cada parte das aulas é bem compreendida e quais áreas demandam mais explicações e informações.

crédito Sergej Khackimullin/Fotolia.com
 

“Nós não vamos apenas tornar o conhecimento mais acessível, também iremos entender mais sobre o processo de aprendizagem”, disse Drew Faust, presidente de Harvard, durante a coletiva de imprensa de anúncio da edX. “Dois dos meus compromissos mais importantes como presidente de Harvard têm sido aumentar o acesso à educação e fortalecer o ensino-aprendizado. A edX vai nos permitir avançar nesses dois propósitos de formas inimagináveis.”

Para isso, a parceria conta com toda a tecnologia que o MIT já vinha desenvolvendo com o MITx (leia mais aqui), plataforma semelhante lançada no fim do ano passado que reuniu mais de 120 mil inscritos no único curso que ofereceu e que serviu de piloto para a edX. Do MITx, além do know-how, a edX herda também o presidente, Anant Agarwal.

As funcionalidades da plataforma incluem grupos de discussão, laboratórios on-line, aprendizado de forma colaborativa baseado nos formatos “wiki” – como da Wikipedia, por exemplo – e avaliação da aprendizagem na medida em que o aluno progride no curso. Os estudantes que cumprirem os requisitos ao longo do curso receberão um certificado de conclusão, mas que não será aceito como créditos cumpridos em nenhuma das duas universidades.

Hockfield, presidente do MIT, diz que a educação on-line não deveria ser encarada como inimiga da educação tradicional e sim “como aliada inspiradora e libertadora.”

Segundo o MIT, a nova plataforma vai além das tradicionais aulas virtuais, em que a participação do aluno era passiva. “Iremos além do modelo padrão de educação on-line que se baseia em assistir o conteúdo de vídeo. Vamos oferecer uma experiência interativa”, afirma a universidade no site em que explica a plataforma.

A presidente do MIT, Susan Hockfield, disse ao MIT News que a edX “será uma expedição compartilhada para explorar as fronteiras da educação digital”. Ainda segundo a presidente, a plataforma será uma grande ferramenta de pesquisa e aprendizagem. “O que descobrirmos juntos vai nos ajudar a melhorar o que já fazemos no campus e, ao mesmo tempo, vai aumentar as oportunidades educacionais para alunos e professores de todo o planeta.”

Hockfield afirma que a educação on-line não deveria ser encarada como inimiga da educação tradicional e sim “como aliada inspiradora e libertadora.” A intenção das universidades é que novas instituições façam parte do projeto e mais pessoas possam colaborar. Por isso, a edX foi construída em um software livre, que vai possibilitar que outros pesquisadores e desenvolvedores acrescentem suas sugestões.

A edX nasce pouco mais de um mês depois do Coursera, plataforma conjunta das universidades de Stanford, Princeton, Michigan e Pennsylvania em uma onda internacional de fortalecimento do ensino on-line. Neste ano, outro anúncio de peso foi a criação da Minerva, universidade on-line que pretende estar entre as melhores do mundo (leia mais detalhes aqui).

Comentar Comentar via Facebook