6 ações para educar para a igualdade desde os primeiros anos - PORVIR

Saiu na Mídia

6 ações para educar para a igualdade desde os primeiros anos

por Redação ilustração relógio 16 de maio de 2016

Contribuir para formar um mundo menos machista começa com a educação em casa. A família tem papel fundamental em mostrar para os pequenos que homens e mulheres podem ocupar os mesmos cargos e realizar as mesmas tarefas. O El País elaborou uma lista de ações que ajudam a educar para a igualdade:

  1. Dar o exemplo como pais e mães e dividir as responsabilidades de cuidado e tarefas domésticas

O El País traz uma campanha publicitária da Índia para mostrar que os padrões de gênero são transmitidos de geração para geração. Segundo o jornal, crianças que crescem em ambientes onde ambos responsáveis dividem as responsabilidades de trabalho e familiares e se respeitam mutuamente têm maiores probabilidades de reproduzir relações equitativas na vida adulta.

 

  1. Incentivar jogos e leitura de livros não-sexistas

Apresentar às crianças brinquedos, jogos e livros que não dividam e segreguem espaços “de menino” e espaços “de meninas” é uma dica valiosa. Apesar de parecer inofensiva, essa divisão pode ter efeitos lá na frente, como na escolha profissional.

 

  1. Incentivar que meninos e meninas tomem para si responsabilidades de cuidado, ordem e limpeza

Segundo o jornal, é importante incentivar que ambos os sexos sejam responsáveis o suficiente para tomar decisões, liderar iniciativas, expressas suas opiniões e resolver problemas.

 

  1. Incentivar a oposição a qualquer comentário pejorativo e sexista

Nenhuma atitude que reforce papéis estereotipados de gênero devem ser incentivados, seja criticar uma menina por mostrar-se dominante ou perguntar a um menino quantas namoradas tem.

  1. Incentivar as meninas a aprenderem matemática

Em muitos países, o desempenho de meninas em áreas de exatas, dominadas pelos números, é pior que o dos meninos. A perda do interesse na disciplina e o reforço dos adultos as faz pensar que não são boas, o que reflete nas escolhas profissionais: poucas mulheres seguem para carreiras em ciências, tecnologia, engenharia e matemática.

 

  1. Incentivar as meninas a assumirem riscos e realizarem atividades físicas

Super proteger as meninas não é uma atitude benéfica para sua confiança. É preciso mostrar que elas são capazes, incentivando que vençam seus medos e desenvolvam coragem, assim como é feito com os meninos. Isso as ajuda a buscarem experiências fora de sua área de conforto, além de quebrar com a visão de que meninas são frágeis e temerosas.


Leia a matéria original em El País

TAGS

engajamento familiar, gênero

Deixe um comentário

avatar
500
  Acompanhar a discussão  
Tipo de notificação