Avaliação deve reforçar potencialidades e sucessos - PORVIR
MH / Fotolia.com

Inovações em Educação

Avaliação deve reforçar potencialidades e sucessos

Evento em São Paulo terá palestra sobre novo modelo de avaliação, que prevê envolvimento de alunos, pais, professores e supervisores

por Carolina Lenoir ilustração relógio 7 de maio de 2015

No contexto educacional, a avaliação tem – ou pelo menos deveria ter – o propósito de promover a transformação. Em vez de registrar dificuldades e fracassos, o objetivo deve ser estimular a criatividade, investir no aperfeiçoamento contínuo e provocar o envolvimento de alunos, pais, professores e supervisores, que devem ser ouvidos e ter suas opiniões consideradas. Esse novo modelo é chamado de avaliação apreciativa e será tema da palestra de “A Avaliação como Fonte de Informação, Problematização e Ressignificação do Processo Educativo”, da consultora Thereza Penna Firme, durante a Bett Brasil Educar 2015, maior evento de educação da América Latina, que será realizado entre os dias 20 e 23 em São Paulo.

Segundo a consultora em avaliação e doutora em educação e psicologia da criança e do adolescente pela Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, esse novo modelo é um modo humanizante de se olhar o processo avaliativo, que reforça potencialidades e sucessos. Para ela, ênfase na direção positiva não elimina a percepção dos aspectos negativos. Não se trata de ignorar os problemas, mas de descobrir as potencialidades do aluno, respeitar a sua autoestima e dar a ele a oportunidade de reconhecer seus acertos para, dessa forma, ter condições de enfrentar suas falhas e pontos de dificuldade. “A hierarquia deve ser primeiro diagnosticar o que está dando certo, ou seja, descobrir a realidade no seu lado mais promissor, e depois o que precisa ser corrigido. É essa a avaliação que transforma, por perder o caráter repressivo e ir além do quantitativo. É a substituição da avaliação de ‘pontos’ pela avaliação de ‘ponta’”, diz.

A ideia desse modelo é promover o diálogo nessa etapa de transição, em que há a preocupação de tornar a avaliação mais moderna, democrática e participativa, impregnada pelo respeito ao avaliado e com a possibilidade de uma troca de papeis, em que o avaliador também se torna avaliado e vice-versa. “Nessa perspectiva, a questão crucial é descobrir o que é preciso fazer para criar e desenvolver avaliações que sejam realmente utilizadas para reduzir incertezas, melhorar a efetividade e tomar decisões relevantes”, explica Thereza.

Há um consenso entre especialistas da área em relação aos padrões de excelência para a avaliação no século 21, definidos de acordo com critérios como utilidade, o que significa que uma avaliação não deverá ser realizada se não for útil para tomadas de decisões; viabilidade, segundo o qual ela terá que ser conduzida de forma prática e efetiva, com linguagem clara e direta; ética, no respeito aos indivíduos ou instituições, sem formular juízo se não houver a informação mais completa sobre o contexto e as condições em que será realizada; precisão, com garantias de que a metodologia utilizada é a mais adequada ao que está sendo avaliado; e prestação de contas, em que há transparência no processo, com explicações claras sobre como será feita a avaliação e quais critérios serão utilizados.

Porém, para que esses padrões sejam efetivos, é importante entender qual é o mérito ou qualidade do processo avaliativo e se ele irá provocar algum resultado, defende a consultora. Primeiramente, a avaliação deve ser entendida de fato como um processo, e não como um evento do calendário escolar. Para avaliar o aluno, o professor precisa antes se perguntar como foram as aulas, em que condições o estudante foi ensinado, se houve algo digno de nota na classe ou no ambiente familiar do aluno que poderia influenciar o processo. Ou seja, houve condições para o aprendizado? Nesse sentido, torna-se imprescindível não só a autoavaliação do próprio professor e o feedback dado por superiores, colegas e alunos, mas também a capacitação do avaliador.

A repetência, comprovadamente, não melhora o aprendizado. Deixar o aluno com dificuldades e reprová-lo, mesmo com boas intenções, não adianta nada. O ideal é avaliar tão bem que não seja necessário reprovar.

Esse tipo de formação ainda é um grande desafio no Brasil, de acordo com Thereza. “Trabalha-se a didática do professor, o como ensinar, mas não o como avaliar. Em geral, o professor avalia da mesma forma como ele foi avaliado quando aluno, mas os paradigmas mudaram. É preciso não só capacitar os profissionais para realizar avaliações dentro do modelo apreciativo, mas também tirar preconceitos e rótulos.” Um deles, segundo a especialista, é em relação à promoção do aluno. “A repetência, comprovadamente, não melhora o aprendizado. Deixar o aluno com dificuldades e reprová-lo, mesmo com boas intenções, não adianta nada. O ideal é avaliar tão bem que não seja necessário reprovar.”

Isso quer dizer que, se o processo avaliativo ao longo do ano letivo for feito de forma a identificar potencialidades e pontos a serem aprimorados, o professor pode investir no reforço do conteúdo, na variação do método de ensino, na análise do contexto de aprendizagem e na motivação do aluno para, dessa forma, alcançar bons resultados. Com isso, muda-se o conceito de avaliação do classificatório para o promocional. “Um bom professor de ensino básico conhece a sua disciplina em todas as séries, não só na que ministra aulas atualmente. Por saber a continuidade da matéria, ele tem condições de antecipar as dificuldades do aluno e ajudá-lo na trajetória para a próxima série“, afirma Thereza, acrescentando que a participação da família nesse processo é fundamental, especialmente quando ela ainda acredita que a reprovação é a melhor saída.

As novas tecnologias podem ser boas aliadas nesse esforço, por estarem inseridas no dia a dia do aluno e ajudarem a promover o engajamento necessário. Para a especialista, o professor deve lançar mão de qualquer recurso que assegure uma avaliação de qualidade e que simplifique e agilize os processos, seja utilizando computadores, tablets, smartphones ou outras ferramentas, desde que eles agreguem e não substituam o diálogo e a relação interpessoal entre aluno e professor. “Essa interação é fundamental e pode ser potencializada pelo uso da tecnologia se o profissional souber utilizá-la, inclusive não só limitando a sua aplicação, mas também respeitando o uso desses dispositivos pelos alunos. A tecnologia é ótima, desde que se saiba quando ligá-la e desligá-la”, finaliza.


TAGS

avaliação, bett educar, personalização

2
Deixe um comentário

avatar
500
2 Comentários ao conteúdo
0 Respostas a comentários
0 Seguidores
 
Comentário com mais reações
Comentário em alta
2 Autores
Geny de Oliveira Souto de OlivGeny de Oliveira Souto de Oliveira Quem acabou de comentar
  Acompanhar a discussão  
Mais recentes Mais antigos Mais votados
Tipo de notificação
Geny de Oliveira Souto de Oliveira
Visitante
Geny de Oliveira Souto de Oliveira

Acredito nas mudanças, infelizmente professores participam de palestra, estudos e no final o que prevalece é o modelo de avaliações ultrapassadas e que não visa avaliar o que foi aprendido e sim os erros cometidos, o professor precisa a cada aula perguntar a si mesmo se eu fosse o aluno será que tinha entendido a contento o que foi explicado, precisa ser feito uma alto avaliação pelo professor e não pode apenas dizer o aluno… Ler mais »

Geny de Oliveira Souto de Oliv
Visitante
Geny de Oliveira Souto de Oliv

Acredito nas mudanças, infelizmente professores participam de palestra, estudos e no final o que prevalece é o modelo de avaliações ultrapassadas e que não visa avaliar o que foi aprendido e sim os erros cometidos, o professor precisa a cada aula perguntar a si mesmo se eu fosse o aluno será que tinha entendido a contento o que foi explicado, precisa ser feito uma alto avaliação pelo professor e não pode apenas dizer o aluno… Ler mais »

X