Campanha de lixo eletrônico nascida em sala de aula mobiliza comunidade - PORVIR
Crédito: peno - penofoto.de / Fotolia.com

Diário de Inovações

Campanha de lixo eletrônico nascida em sala de aula mobiliza comunidade

Professor conta como trabalhou descarte correto e reaproveitamento de materiais em um projeto de robótica educacional

por João Paulo Lessa Falcão ilustração relógio 12 de julho de 2018

Qual será a imagem que irá representá-lo? Com esse dilema, demos início a um concurso de desenho na Escola Municipal Pedro Carnaúba, em Viçosa (AL). Na atividade, 143 estudantes do 6º ao 9º ano tiveram a oportunidade de mostrar seus talentos artísticos, e oito participantes foram premiados com trabalhos belíssimos. A ação foi o ponto de partida para mobilizar a comunidade escolar na arrecadação e reciclagem do lixo eletrônico.

A campanha “Recicle: todo lixo eletrônico é bem vindo!” teve o objetivo de retirar resíduos de circulação, fazer seu descarte correto e conseguir parte do material para as atividades de robótica. Para a mobilização, as redes sociais e o boca-boca foram imprescindíveis. Com essas estratégias, a campanha superou as expectativas e arrecadou quase 900 kg, segundo a empresa Bio Digital, que nos entregou até um certificado de descarte correto.

Os materiais que foram aproveitados serviram de matéria prima para um projeto de robótica da escola. Para manipular e desmontar corretamente essas peças eletrônicas, a escola recebeu kits de ferramentas da Secretaria Municipal de Educação e da Câmara de Vereadores.

Com os componentes eletrônicos recicláveis, os alunos criaram uma casa sustentável. Nela, o acendimento de lâmpadas, ventiladores e do alarme era feito por sensores de movimento do mouse. Além disso, eles construíram um carro acionado por controle remoto de televisão e um minirrobô chamado “barata elétrica”.

Durante o andamento do projeto, além do trabalho manual desenvolvido em casa, os alunos puderam contextualizar conteúdos curriculares a temas como o consumo sustentável de energia elétrica e a utilização de sensores para redução dos de valores das contas de energia.

Também aproveitamos o tema do projeto para organizar palestras com profissionais residentes na cidade, como o eletricista Cláudio Tomé e sua equipe, que demonstraram procedimentos e materiais para o uso correto da energia elétrica. Chamamos, ainda, o psicólogo Darlan Silva, que contribuiu com sua palestra sobre autoconhecimento.

O engenheiro eletricista Marthony Padilha, o estudante de mecatrônica Adalberto Brito, o professor de robótica Caio e a equipe de robótica do Sesi Robô Camb, orientada pelo professor Eduardo Monteiro, gravaram vídeos direcionados aos alunos da Escola Municipal Pedro Carnaúba.

A socialização do projeto aconteceu no dia 26 de maio, em um grande movimento social realizado no canteiro central da praça das Duas Vidas. Durante o evento, foram doados recipientes para o descarte correto de pilhas e baterias para alguns comerciantes da cidade, tornando assim a coleta deste material permanente.

Os alunos aprenderam muito e hoje eles têm uma nova visão de mundo. Um leque de oportunidades foi aberto e todos ganharam: estudantes, sociedade e a natureza. Ufa! Que maratona! Tudo pensado e realizado com muito esforço e amor pela educação. Vale ressaltar que a coleta de resíduos na escola continua.

Pontos de coleta foram distribuídos em outras escolas municipais e em alguns prédios públicos, mais uma ação do Robótica Sucational: sensores e sustentabilidade transformando realidades. Ressaltamos ainda que durante todo o processo os alunos foram avaliados de modo qualitativo e conteúdos curriculares foram explicados e aprendidos em sala de aula.

– Faça como o professor João Paulo e envie seu relato para a seção Diário de Inovações
– Baixe o ebook dos professores finalistas do Desafio Diário de Inovações 2017
Participe da segunda edição do Desafio Diário de Inovações


João Paulo Lessa Falcão

Licenciado em matemática pela Faculdade de Tecnologia e Ciências (FTC EAD). Pós-graduado em psicopedagogia institucional, no Centro Universitário Cesmac. Atua na educação desde 2001. Acredita que inovação é o caminho. Foi professor em instituições particulares, mas hoje trabalha exclusivamente no ensino público.

TAGS

ensino fundamental, robótica, sustentabilidade, tecnologia

2
Deixe um comentário

avatar
500
1 Comentários ao conteúdo
1 Respostas a comentários
0 Seguidores
 
Comentário com mais reações
Comentário em alta
2 Autores
PorvirAlceu Quem acabou de comentar
  Acompanhar a discussão  
Mais recentes Mais antigos Mais votados
Tipo de notificação
Alceu
Visitante
Alceu

Corrija a profissão, não é “engenheiro elétrico” e sim engenheiro eletricista. Ambos se referem ao mesmo profissional, porém a forma correta a ser utilizada, de acordo com o CREA, é engenheiro eletricista. Designa-se elétrico, o relativo à ou que funciona por eletricidade e portanto, de acordo com o literalismo, engenheiro elétrico seria um indivíduo carregado eletricamente, capaz de dar choque.

Porvir
Visitante
Porvir

Obrigado :)